O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

domingo, 23 de maio de 2010

Uma busca desesperada - Lynne Graham

1º Livro da Série Afilhadas

Maxie, Darcy e Polly tinham que encontrar um marido.

A falecida Nancy Leeward tinha legado a cada uma de suas três afilhadas uma parte de sua fortuna, com a condição de que se casassem em um ano e permanecessem casadas pelo menos seis meses.
Maxie, por culpa do vício de jogo de seu pai, tinha que defrontar a uma dívida que não podia assumir, assim a herança de Nancy poderia ser a solução a suas preces...
O milionário grego Angelos Petronides estava desejando dormir com ela a quase três anos, portanto poderiam chegar a um acordo... Ainda que ele cedo descobrisse que teria que lhe oferecer algo mais do que dinheiro para consegui-la...

 
  Palavras de uma leitora...
 
Bem... Nem sei por onde começar. Faz algum tempo que não leio livros da Lynne. Estava cansada das mesmas histórias. Sabia que no momento que lesse um de seus livros, teria impulsos homicidas. E foi exatamente o que aconteceu quando comecei a conhecer Angelos Petronides. E ele me surpreendeu. Usou uma tática diferente das dos outros mocinhos da Lynne: em vez de chantageá-la, ele preferiu manipulá-la. Como assim? Normalmente, os mocinhos-vilão da Lynne se oferecem para salvar a mocinha de uma enrascada se ela se tornar sua amante com contrato assinado e tudo. Caso elas não cumpram o contrato têm que pagar o que lhes deve. Mas Angelos quis ser a exceção e usar uma tática nova: ele pagou sua dívida em troca de "nada". Esperava, é lógico, que ela se sentisse grata e acabasse lhe oferecendo algo: seu corpo, que ele desejava há três anos. Sabia que a manipulação seria sua melhor arma para lidar com a Maxie, mas quebrou a cara. Ela não iria para a cama com ele, sem um anel no dedo. Mas não é que o desgraçado a pediu em casamento? Eu, no lugar dela, o teria estrangulado. Aquele foi o mais insultante pedido de casamento de todos os tempos.
 
Veja:
 
- Que é o casamento afinal de contas ? Um contrato legal, nada mais... - continuou frivolamente, ainda que Maxie sentiu que se lhe gelava o sangue nas veias. - Uma vez estabelecido este princípio decidi fazer um trato contigo que nos convenha aos dois... - se tu assinar um contrato pré nupcial, eu me casarei contigo.
- Re... repete isso - gaguejou Maxie alucinada.
Angelos parecia muito satisfeito consigo mesmo.
- A condição principal é que não te aproveitarás do prestígio social que te daria ao converter-te em minha esposa. Viveríamos separados a maior parte do tempo. Quando eu vier a Londres e te quiser a meu lado , ficarás neste apartamento. Todo o edifício é meu. O único lugar onde compartilharemos o mesmo teto será em minha ilha na Grécia. Que te parece?
A Maxie lhe tremia tanto a mão que estava a ponto de derramar o champanhe. Talvez lhe estava pedindo que se casasse com ele? E se fosse assim , a conto de que vinha tudo aquilo de viver em casas separadas e do prestígio social?
Angelos lhe tirou delicadamente o copo da mão e a conduziu até um sofá, sentando-se em seguida a seu lado.
- Se o que precisas para sentir- te segura e aceitar a dormir comigo é um certificado de casamento , te darei um... - lhe disse amavelmente. – Mas , como, evidentemente, nossa relação não vai durar para sempre, faremos uma espécie de contrato privado entre nós dois.
Maxie fechou os olhos: nunca lhe tinham feito tanto dano como naquele momento. Talvez sua reputação era tão má que nem sequer queria que a vissem ao seu lado?
- Pensa muito bem antes de tomar uma decisão - lhe advertiu Angelos ao observar sua evidente perturbação. - Parece-me que é um trato justo e realista...
- É uma brincadeira! - explodiu Maxie.
E foi precisamente naquele momento terrível quando se deu conta de que, provavelmente, estava apaixonada por Angelos. Nunca se tinha sentido pior do que agora, quando por fim entendeu como e por que tinha conseguido aquele homem ter semelhante poder sobre ela. Aquela revelação acabou com sua rebeldia.
Seja razoável: talvez acreditas que posso apresentar a minha família a uma esposa que foi a amante de Leland ? - perguntou ele no mesmo tom que usaria para convencer a um menino obstinado. Há coisas que , singelamente , não podemos fazer. Como vão me respeitar se faço algo tão baixo ? Eles me consideram um exemplo de conduta.
Maxie então manteve os olhos fechados; naquele momento entendeu porquê muitas mulheres perdem a cabeça e são capazes de matar. Sentia- se cheia de dor e de ira: ele estava- lhe oferecendo um casamento que ninguém chegaria a saber nada porque sua conduta tinha sido tão escandalosa que não merecia ser compreendida ou aceita pela extraordinária família Petronides.
- Me sinto mal - murmurou ao fim.
- Não, nada disso - a contradisse Angelos.
- Me... sinto... muito mal .

Quem não se sentiria mal diante de tamanho insulto? "Se aceitar um contrato pré-nupcial me caso contigo". Isso era mesmo um pedido de casamento? Quando ela disse que entendia porque muitas mulheres perdiam a cabeça e eram capazes de matar, tive enorme desejo que ela o fizesse. Ele, naquele momento, merecia isso e muito mais. Mas tenho que admitir que ele não era de todo culpado pelo seu pré-julgamento, mas isso explico mais à frente. Quando ele disse que não podia apresentá-la a família deixou claro que sentia vergonha dela. E se preocupava mais com o que a familia ia achar dele do que com os sentimentos da Maxie. Eu não aceitaria essa proposta de casamento. Maxie era linda o suficiente e também boa e inteligente
o suficiente para conseguir um marido melhor. Não mais rico, mas, mais humano. Conseguiria cumprir a cláusula do testamento da madrinha facilmente, mesmo com sua má reputação... E é aí que explico porque Angelos não tinha total culpa por sua opinião.

Maxie viveu três anos de sua vida com um homem casado, destruindo sua carreira de modelo, sua auto-estima e sua juventude e ainda deixando todos pensarem o pior dela. Como uma mulher que desfila descaradamente com um homem casado pode ser digna o suficiente para tornar-se esposa de alguém? Quem quer que fosse! Uma mulher não pode trair a outra dessa maneira. Ela gostaria de estar no lugar daquela mulher? Claro que não. Tudo bem que a Jeniffer também tinha errado. Mas estou falando da Maxie. Como Angelos ou qualquer outra pessoa podia adivinhar os motivos e a condição por trás daquela exibição pública? Só se ela contasse a verdade... É aí que vem a questão do falar e do ouvir. Os gregos, aliás todos os homens, dos livros da Lynne não sabem escutar. Ela tentou lhe falar a verdade, mas ele não quis ouvir. Bem, ela poderia fazê-lo ouvi-la se tivesse feito greve de sexo ou algo do gênero... Eles fazem tudo por sexo mesmo...rsrsrsrs.
Mas bem, o Angelos descobre que ela é virgem, se culpa, a culpa, a rejeita, ela assumisse toda culpa por tudo e blá blá blá..... Mas ele faz algo que eu não esperava. Tenta conquistá-la e assume que errou. Envia flores com palavras carinhosas, manda um avião escrever TE AMO no ar... Encontra o pai dela, faz uma festa de casamento surpresa, a ajuda a superar a dislexia... é tudo muito romântico e na minha opinião (uma romântica incorrigível) nada cafona.

1 comentários:

Anônimo disse...

muito bom seu blog e tb os comentários sobre os livros.

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.