O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

sábado, 23 de outubro de 2010

Uma Sombra Dentro da Noite/Paixão Explosiva - Erin St. Claire/Sandra Brown

Por amor, Cage traiu o próprio irmão!

O sonho de Cage: ter Jenny nos braços e dar a ela todo prazer do mundo! Cage Hendren é um homem indomável, incompreendido por todos. Esconde um segredo, um sonho impossível que o acompanha desde a adolescência: o amor infinito que tem por Jenny Fletcher. Por mais que esse amor seja um sonho impossível, nada o impede que a deseje de maneira desesperada; nada o impede que nas noites solitárias imagine tê-la nos braços, delirante de prazer, e faça amor com ela alucinadamente. Isso tudo, porém, são fantasias loucas de um homem apaixonado que nunca se realizarão. Jenny é noiva do irmão dele e breve, muito breve, irá se casar!



A descoberta do prazer e da paixão selvagem!

Generosa, Jenny Fletcher punha em segundo lugar os seus próprios sonhos e necessidades, e em primeiro os de seu noivo, Hal, um homem mais comprometido com uma causa do que com ela. Na véspera de sua viagem para a América Central, ele lhe deu o que Jenny mais queria na vida... uma noite de paixão. Foi seu último presente.Cage Hendren constratava em tudo com o irmão, Hal. Ovelha negra da família, ele só tinha ternura por Jenny. Mas ela sempre o achara selvagem e implacável demais... até que Cage lhe mostrou o lado selvagem que ela mesma não sabia que tinha dentro de si. E agora que fora desemcaminhada.... já não podia mais voltar atrás!

 
Palavras de uma leitora...
 
 
- Alguém aqui tem o telefone da Sandra Brown? Preciso encomendar um homem como o Cage feito especialmente para mim... Eu preciso, gente! Estou apaixonada!!! Esqueçam o que eu disse sobre amar os outros mocinhos. Somente o Cage tem meu coração... Se a Sandra Brown não puder providenciar um homem como ele pra mim, vou pedir a Deus. Ele sim terá que providenciar um Cage pra minha vida. Por que todos os homens não podem ser como o Cage??!! O mundo seria tão melhor... Não é justo que só a Jenny seja tão sortuda! Isso não é justo!...rsrsrsrs...kkk...
 
- Nem sei por onde começar... Esse é um livro que nenhuma leitora deve deixar de ler. É obrigatória essa leitura! Só sinto pena dos maridos das mulheres casadas...rsrsrs...
 
- Essa história é mais linda do que a de Titanic, na minha opinião. Essa sim é uma história de amor inesquecível... Faz muito tempo que não leio uma história tão especial, tão mágica, tão perfeita.... Inesquecível, realmente. Dá vontade de chorar de felicidade só em lembrar dela.
 
- A história já começa linda e não perde o foco em nenhum momento... A emoção está presente em cada página, cada palavra, cada olhar. Nem todas as emoções são agradáveis, é claro. O livro tem bastante drama, mas isso só o deixa mais lindo. As únicas pessoas que odiei nessa história foram Bob e Sara (os pais de Cage e Hal). Esses dois estúpidos, egoístas e fanáticos conseguiram me tirar do sério! O arrependimento deles veio tarde demais pro meu gosto e eu não senti piedade nenhuma deles. Eles sim mereciam morrer! Mas antes de falar mais alguma coisa, irei fazer o "um pequeno resumo".
 
Acham que encontrei essa história por acaso? Não. E tenho que agradecer a nossa amiga Carla por me proporcionar o prazer e a felicidade de conhecer a história desse casal. Muito obrigada, Carla!
 
Um pequeno resumo:
 
A vida inteira ele foi desprezado. Seus pais não o amavam e não o queriam. Ele era a ovelha negra, o filho que nunca deveria ter nascido... e o pior é que eles eram, supostamente, cristãos e pregavam o amor e o perdão ao próximo... Mas eles achavam que Cage era o único que não merecia esses dois sentimentos e o excluíram de suas vidas. A dor e a mágoa foram corroendo pouco a pouco o coração daquela criança, daquele adolescente e depois, daquele homem.... Até o momento que ele achou que não era digno de amor e resolveu ser exatamente o que seus pais pensavam que ele era... e colocou assim, diversas vezes, a própria vida em risco: fumando, bebendo até cair, dirigindo em altíssima velocidade... e por aí vai.
 
Só que Cage não era mau ou egoísta como seus pais e outros moradores da cidade viviam gritando aos quatro ventos. Não. Cage era bom e se importava com os outros, mas não tinha mais coragem de mostrar seu verdadeiro eu.... Somente uma pessoa tinha o privilégio de vê-lo tal como ele era e essa pessoa era Jenny Fletcher.
 
Ele a amava desde o dia em que ela foi morar na sua casa, aos quatorze anos. Os pais dela haviam morrido num terrível acidente e os pais de Cage adotaram Jenny como se fosse filha deles. Cage tinha dezoito anos na época e já havia conhecido muito do desprezo, da dor e da rejeição, mas Jenny o fez conhecer sentimentos especiais e que não machucavam tanto. Ela o fez conhecer, acima de tudo, o amor... Ela o ensinou a beleza de amar... Mas, como sempre, ele não era digno de nada que era bom... e Jenny foi escolhida para ser esposa de Hal, seu irmão mais novo. Aquela foi a pior dor que Cage já sentiu: a de perder seu grande amor.
 
O tempo foi passando... Cage foi pro exército, para a faculdade e depois passou a viver em sua própria casa, construindo o seu futuro e vendo cada vez menos seus pais, seu irmão e... Jenny. Mas ele nunca conseguiu esquecê-la. E era por isso que se afastava. Por ela. Para não fazê-la sofrer.
 
Mas o destino lhe dá a oportunidade de ter, finalmente, a mulher da sua vida e, embora seja errado, ele não joga fora essa oportunidade. A aproveita com todo o prazer...
 
O irmão de Cage e noivo de Jenny, Hal, estava de viagem marcada para Monterico, um lugar muito perigoso e que estava em guerra. Hal acreditava que havia recebido "um chamado de Deus" e que tinha o poder de salvar as pessoas de lá... Com sua fé (estupidez) ele foi para Monterico e encontrou a morte. Em vez de salvar alguém, ele prejudicou mais vidas e provocou mais mortes...
 
Na noite anterior à viagem sem volta de Hal, Jenny implora para que ele não vá e pede que ele faça amor com ela... Mas Hal, apesar de chegar a desejar Jenny, permanece fiel aos seus princípios e foge da tentação... Deixando Jenny profundamente magoada no quarto.
 
E o Cage não suporta ver sua amada sofrendo e entra no quarto para consolá-la, mas acaba fazendo amor com ela...
 
E após essa noite de amor... A vida de todos irá mudar...para sempre.
 
- Essa história ganhou um lugar especial no meu coração. Nada que o Cage fazia me fazia odiá-lo. Nem cheguei sequer a me irritar com ele. Ele é o meu sonho...rsrs... Ele é tudo!
 
Bem... Tenho que explicar um pouco sobre o que realmente aconteceu na primeira noite de amor deles. É que foi meio complicada. Por exemplo, a Jenny não sabia com quem estava fazendo amor...kk... Ela pensava que quem a estava tocando era Hal e se entregou completamente... E o Cage não fez nada para corrigir o engano. Pelo contrário, ele se aproveitou bastante da situação...
 
O quarto estava às escuras quando Cage entrou no quarto de Jenny, apenas alguns minutos depois da saída de Hal. Jenny estava inconsolável pela rejeição que sofreu do noivo e, minutos mais tarde, quando aquele homem entrou em seu quarto ela quis acreditar que era Hal voltando para se desculpar e atender seu pedido. E assim... Cage e Jenny acabam fazendo amor.
 
Olha... O Cage ficou se culpando muito depois, pois acreditava que o que tinha feito não merecia perdão. Ele havia tocado a mulher amada sem a permissão dela e isso, na sua opinião, era violar, estuprar... Mas eu não consegui ver as coisas como ele viu. Na minha opinião, aquela foi uma das cenas mais lindas de amor do livro. Nunca poderia considerar o que ele fez como estupro. E tenho certeza que, mesmo que soubesse, conscientemente, que era o Cage, a Jenny teria feito amor com ele mesmo assim. Ela sempre o amou. Simplesmente não conseguia enxergar isso. Ele não a machucou, ele não a tocou para se vingar dela ou de outra pessoa... nem a humilhou depois por causa daquela noite. Então, estupro está descartado. Ele seria incapaz de fazer algo para ferir a Jenny. Ele sim sabe o que é amar e as mocinhas dos outros livros precisam urgentemente que ele dê umas aulas aos outros mocinhos...
 
- Eu me sensibilizei bastante com a história e, principalmente, com o Cage. A história de vida dele me tocou e eu quis ter tido a oportunidade de cuidar dele quando ele era criança...rsrs... Ele despertou meus instintos maternos...rsrs... Eu quis pegá-lo no colo quando ele chorou, quando foi ferido pelos próprios pais, tão humilhado, rejeitado... Ele não merecia tanto sofrimento. E os pais de Cage ganharam meu ódio eterno. Eles não eram dignos de nenhum dos filhos que tiveram. Não mereciam ter filhos, pois não sabem amar. E se julgam os santos, os perfeitos! São uns estúpidos, isso sim! Eu odeio esses dois monstros! Eles sim poderiam ter desaparecido da história. Não me arrependo de dizer isso. Eu queria que eles tivessem morrido no lugar do Hal. Pode parecer cruel, mas de crueldade eles entendem bastante. Se fosse por eles o Cage já teria morrido há muito tempo. E foram eles que ajudaram na morte do filho preferido. Eles, mesmo inconscientemente, provocaram a morte do Hal.
 
- Eu não achei que o Hal merecia a morte, não. Eu queria que ele tivesse vivido, pois não era uma má pessoa ou algo assim. Eu fiquei revoltada com sua ingenuidade e seu fanatismo cego, mas claro que ele não era o principal responsável por ser assim. Seus pais que encheram sua cabeça com ideias absurdas e fanáticas e o fizeram pensar que era feito de aço. Que somente sua fé seria suficiente para salvar as pessoas da guerra. Só que a banda não toca assim e ele não é um personagem bíblico. Uma coisa é acreditar em Deus, outra bem diferente é ficar fanático e doente. Com ideias absurdas e suicidas! Como o Cage mesmo falou: Deus nos deu a capacidade de raciocinar. Se eles tivessem usado essa capacidade, o Hal não teria morrido em vão. Eles mataram o próprio filho.
 
Bem... Mas vamos falar do Cage e da Jenny...
 
Eles sofrem muito mesmo quando estão juntos, pois a culpa não os deixa serem felizes. Cage se culpava pela noite de amor que teve com Jenny sem que ela soubesse que fazia amor com ele. E Jenny se culpava por estar amando o Cage quando o Hal estava morto.
 
Apesar disso, eles estão sempre juntos, se amando e se apoiando. Sempre que um precisa, o outro vem em socorro.
 
- Uma das cenas mais lindas é quando a mãe de Cage grita a Deus que queria que ele tivesse levado o Cage no lugar do Hal. O que tem de beleza nisso? Nada. A beleza vem quando Cage sai profundamente ferido da sala e entra no carro. Jenny corre atrás dele e entra no carro antes que ele saia em alta velocidade. Nesse momento os dois ficam muito próximos e o Cage começa a agir como louco: dirige em alta velocidade, começa a tomar bebida alcoólica, fuma, grita... Ele faz de tudo para fazer a Jenny odiá-lo e deixá-lo sozinho... Mas ela fica com ele. Não o deixa sofrer sozinho. Ele fica furioso e a beija com fúria, machucando seus lábios e tentando fazê-la sentir medo... Mas a Jenny não recua, não o deixa mesmo assim.... Quando ele percebe o que fez, sai do carro e começa a chorar de soluçar... E até eu senti vontade de chorar nesse momento... Tinha muita emoção, muita realidade na cena. Eu via o sofrimento de um homem muito ferido, que já não aguentava mais tanto sofrimento e queria a chance de ser amado. Será que era pedir demais? E a coragem da Jenny, o seu amor... fizeram a cena ficar inesquecível. Foi um momento muito bonito.
 
A Sandra Brown usou muito talento ao criar essa história. Ela colocou a dose certa de cada elemento e não fez nada ficar faltando... Provocou emoções fortes e não ficou devendo nada à realidade. Essa é uma história muito real e qualquer um pode se identificar com algo ou alguém. Não há perfeição nos personagens. Ninguém é santo. Todos erram e a construção do Cage foi incrível. Ele é rebelde, fuma cigarro, se embriaga, dirige como se tivesse caçando sua própria morte, sorri, chora, ama, odeia... Sente. Ele é muito humano e está muito longe da perfeição, mas tenho certeza que se tornou o personagem favorito de muita gente. E, dentre todos os mocinhos que já conheci ao longo da minha jornada como leitora, Cage Hendren é o que ocupa o primeiro lugar da minha lista de mocinhos favoritos. Ninguém melhor do que ele para ocupar esse lugar. Até hoje não encontrei um mocinho tão digno dessa colocação.

12 comentários:

Anônimo disse...

Que resenha linda!!!! Estou aqui de lágrima no olho. E pronto, vou ter que dividir o Cage, né?? :P Ele deve ter uma fila enorme de mulheres na cola dele.. kkk

Quase todos os livros da Sandra Brown/Erin St. Claire são lindos!! Mas esse ocupa o lugar da frente.

Tem dois mocinhos que eu não posso dizer que competem com o Cage pois ele é único, mas que tb são únicos à sua maneira. As histórias são tb muito emocionantes. Eu já te falei nela. São dois livros que te recomendei por email (Sandra Canfiel). Ponho minha mão no fogo se você não sair rendida com aqueles dois mocinhos. kkk Quando precisar conhecer um mocinho daqueles que amam incondicionalmente e que curam todas as nossas feridas pega um! beijos!!

Carla

Luna disse...

É, Carla! Não tem jeito! Terá que dividir o Cage comigo! rsrs...

Em breve lerei os outros livros que vc me indicou... Está difícil seguir a ordem da lista...rsrs...

Bjs!

Anônimo disse...

Esqueci de te contar uma coisa. Eu ainda não li mas nesse livro surgem o Cage e a Jenny como personagens secundários. Este livro é "irmão" de Uma Sombra Dentro da Noite. Penso que seja uma série, mas acho que é só esses dois livros.

http://skoob.com.br/livro/38644-desejo-selvagem

beijo!
Carla

Renata Cristina disse...

Ahhhh minha nossa!

Mais livros pra minha lista, com a indicação sua e da Carla já sei que vou adorar esses livros!
uiui!

Bjossss

Luna disse...

Carla,

Vai pra lista sem sombra de dúvidas. Mais uma série... Meu Deus! Não vou terminar nunca! rsrsrs....

Bjs!

Luna disse...

Tenho certeza que irá adorar, Renata!

O livro é maravilhoso!

Bjs!

Nana's Blog disse...

Eu to chorando só de ler a sua resenha, e já estou odiando os pais do Cage sem nem ter lido ainda, mas vou correndo ler, a Sandra Brown tem livros maravilhosos.

Luna disse...

Olá Nana!

Seja bem vinda!

Os pais do Cage são mesmo dignos de ódio. Eles são uns monstros!

Leia sim! O livro é incrível! Inesquecível, perfeito, tudo e mais um pouco! rsrs...

Bjs!

ALEXIS disse...

EU LI A SUA RESENHA ANO PASSADO E SAI LOUCA ATRÁS DO CAGE, KKKKKKKKKKKKK.
LI E ME APAIXONEI PERDIDAMENTE! DIVIDE ELE COMIGO TBM?

Luna disse...

Olá Alexis!

Ai, só de falar desse livro já dá uma saudade enorme! O Cage é único!!! É T-U-D-O!!! :D

Bem... Como a Carla não se importou em dividi-lo comigo... Vou dividi-lo com você também...rsrs... Mas ele é mais MEU, tá? kkkkkkkkkkkkkkk.... (espero que a Carla não leia isso!kkkkkkkkk)

Bjs e seja bem-vinda!!!

Victoria's Secret girls disse...

Oi Luna
Digo já: a Jenny me irritou o livro todo! Não me lembro quando foi a última vez que uma mocinha me irritou tanto. E não me convenceu do amor dela pelo Cage. Na minha opinião ela desejava e até gostava dele mas amar não. Talvez no fim ela tenha começado a amar sei lá. Talvez me tenha irritado tanto porque o Cage é maravilhoso, altruista e a amava intensamente mesmo sem ninguém nunca ter dado amor para ele. Ele merecia muito que ela o amasse.

Luna disse...

Olá, Cris!


Primeiramente, peço mil desculpas pela demora em responder seu comentário, querida. É que eu estou bastante enrolada e acabei não conseguindo responder antes. :( Perdão!

kkkkkkkkk... Eu entendo. Ela consegue realmente irritar. Ele passou por tantas coisas e ela sempre quietinha, vendo ele sofrer e não fazendo nada. Queria que todos sempre a vissem como a certinha, a boazinha, a santinha... no fundo ela estava cansada disso, mas também não tinha coragem de ver o lado do Cage. E nem de lutar pelo que queria (no fundo eu penso que ela sempre o amou, mas não tinha coragem de lutar pelo que queria) e por isso aceitou que amava o Hal, pois era o casamento dela com ele que todos esperavam. Ela amava o Cage, mas era covarde. Só que depois ela acaba melhorando.rsrsrs... Que eu me lembre, eu gostei dela.rsrs...


O Cage é um sonho, não é? (suspiros... ) Que mocinho! Nunca pude esquecê-lo e fico muito feliz por você tê-lo conhecido e amado. Ele não recebeu amor dos pais, foi desprezado por tanta gente, mas conquistou o nosso coração. O nosso amor. E ele merece demais isso. Os pais dele é que saíram perdendo ao não reconhecer o quanto o filho era especial. Eram fanáticos miseráveis.


Bjs!

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.