O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Amor Traído - Lynne Graham


(Título Original: THE MARRIAGE BETRAYAL
Tradutora: Fabia Vitiello
Editora: Harlequin
Edição de: 2012)


A Promessa de Volakis - Primeira Parte


Paixão cega, gravidez inesperada… 

Sander Volakis somente segue seus próprios princípios. Ele construiu uma reputação nos negócios graças a sua personalidade, e não ao nome ou à riqueza de sua família. Além disso, ele não tem a menor intenção de um dia se casar nem de passar fins de semana viajando. Sua ida a Westgrave Manor era somente um favor que estava fazendo para seu pai, uma chatice… Até ele ver Tally Spencer, tão linda, tão voluptuosa, tão… irresistível! Sander agora quer uma chance para encontrá-la e, casualmente, seduzi-la. Porém, uma noite com Tally pode ser o fim de sua vida de playboy.



Palavras de uma leitora...


"Aprendera que só o fato de estar perto dele fazia com que se sentisse tonta, excitada e incapaz de um pensamento racional, como uma adolescente de cabeça oca. Aprendera que era humana, falível e capaz de fazer coisas tolas. Aprendera também que recusar-se a ceder a um desejo tão forte era algo que poderia realmente machucar."

- Comecei a ler esse livro porque estava estressada.rsrs... Sim. É algo meio irracional de se dizer, pois se eu estava estressada, não deveria nunca ter procurado ler um livro da Lynne Graham, uma autora que conheço muito bem (afinal de contas, li quase todos os livros dela já lançados aqui. E até os que não foram lançados aqui, na época) e que não é conhecida como uma autora capaz de nos tranquilizar, desestressar, sabe? Pelo contrário. Ler um livro da LG é com certeza sinônimo de passar momentos bem estressantes, tendo vontade de jogar o livro pela janela em alguns momentos e assassinar o mocinho em outros. Algumas vezes, sentimos vontade de matar a mocinha da história também. Quando ela ultrapassa os limites da nossa paciência, sabe? Mas acontece que como eu estava estressada, não queria ler nenhum livro complexo. E, fazendo uma faxina completa nos livros, eu resolvi separar os dois livros que fazem parte da série "A Promessa de Volakis" e ler. Claro que eu já estava esperando pelo pior.kkkkkkk... Me estressar com personagens dessa autora não é nenhuma novidade para mim. Sempre acontece!rsrs... Mas, por algum motivo que ainda desconheço, não deixo de ler as histórias dela. Sou viciada em Lynne Graham, mesmo já tendo vivido experiências bem negativas com certas histórias dela. Que mandei para o quinto dos infernos sem pensar duas vezes! Felizmente, comparadas com a quantidade de histórias que já li dela, essas poucas histórias que mandei ao inferno não são nada.rsrsrs... E, para minha completa surpresa, Amor Traído foi um dos melhores livros da autora que li nos últimos tempos. Realmente é algo que ainda me surpreende, confesso.kkkkkk... 

- Quando comecei a leitura dessa história e passei por certas cenas, logo percebi: é o mesmo de sempre. O mocinho vai me torrar a paciência do começo ao fim para no final dizer que sempre amou a mocinha e fim de papo. E a mocinha vai ser uma tola, capacho dele, para ele pisar e sapatear em cima, sem dó nem piedade. E a idiota ainda vai agradecer a ele por tanto "carinho". E essas suspeitas se confirmaram conforme fui lendo certas coisas. Só que depois de uma determinada cena, na qual percebi que a Tally era muito mais do que inicialmente aparentava ser, eu comecei a ter esperanças. E, felizmente, não foi em vão. Tanto a Tally quanto o Sander fizeram essa leitura valer a pena. E confesso que estou ansiosa para ler sua continuação. Afinal de contas, eu realmente não sei o que esperar da segunda parte dessa história. Se tudo se resolve nesse livro, para que uma continuação? Confesso que sinto um pouco de medo de descobrir.rsrs... 


"Colocando-a sobre a cama, Sander preferiu esclarecer algo antes de continuar.

- Há algo que me esqueci de dizer - começou ele, os belos olhos presos ao rosto corado dela. - Eu não lido com exclusividade...

- Tudo bem - observou Tally sem sequer ter que pensar a respeito. - Você não lida com exclusividade. Eu não lido com sexo.

Sander congelou e lentamente tirou as mãos dela.

- Você não pode estar falando sério. 

Olhos muito verdes o encararam.

- As outras mulheres aceitam essa bobagem de "eu não lido com exclusividade"?

- Com tantas opções por aí, quem quer ficar amarrado? Elas se contentam com isso - afirmou Sander.

Tally suspirou e balançou a cabeça. 

- Eu não - disse ela, notando a protuberância por baixo do jeans dele.

- Você me tem... na palma da mão...

- Ou, neste caso, na cama? - Tally sugeriu, lutando para resfriar o calor de seu corpo não apenas com força de vontade, mas teimosia despreparada para ceder. - A escolha é sua.

- Isso é ridículo.

- Não vou compartilhar uma cama com você enquanto você continuar a dormir com outras mulheres.

Tally plantou cada palavra como um pé sólido enfiado em concreto recém-despejado e então deslizou seus próprios pés para fora da colcha sobre onde ele a colocara e começou a procurar seus sapatos."


- Quem vocês acham que vai vencer essa disputa?rsrs... Quem irá ceder? Vale muito a pena descobrir!rsrs... 


- Tally e Sander se conheceram na fazenda de uma amiga de família. Na verdade, nenhum dos dois desejava estar naquele lugar, e Tally não havia sido exatamente convidada. Apenas estava servindo como acompanhante da meio-irmã de 17 anos, que tinha tanto juízo quanto uma criança de três anos. Já Sander estava ali por uma obrigação familiar, já que a anfitriã era a ex-noiva do seu falecido irmão e seria uma ofensa recusar o convite. Nenhum dos dois esperava que aquele final de semana pudesse lhes provocar algum prazer... até seus olhares se cruzarem e um sentimento totalmente inesperado começar a tomar conta dos dois...

Tally havia passado toda a sua vida sabendo que não havia sido desejada. Que não era querida. Que seria melhor se jamais tivesse nascido. Havia sido planejada pela mãe, como forma de conseguir amarrar o pai dela, mas quando todo o plano deu errado, ela passou a ser considerada um obstáculo. Para os dois. Enquanto sua mãe se viu forçada a criá-la, seu pai preferiu ignorar totalmente sua existência, apenas lhe dando pensão após ser obrigado pelos tribunais. Mas não fazia nada além disso. Não se importava se ela estava bem ou não. E, na verdade, teria preferido que algo tivesse lhe acontecido na infância e sua existência tivesse chegado ao fim. Não lhe importavam suas notas na escola, seus aniversários, suas lágrimas, sua dor. Ele só se importava com sua nova família e com a filha caçula, a filha que realmente tinha desejado e para a qual dava tudo. E foi exatamente por se importar tanto com a filha querida, que ele entrou em contato com Tally, lhe pedindo que ela acompanhasse a garota naquele final de semana. Como Cosima, meio-irmã de Tally, estava vivendo seu momento de rebeldia adolescente, Anatole se preocupava e temia que ela pudesse fazer uma besteira incorrigível e por isso, contava com Tally. Para que ela evitasse um desastre, pois embora jamais tivesse se importado com a filha, ele sabia o suficiente para confiar a jovem em suas mãos. 

Sander por sua vez, também não era exatamente o filho desejado. Nunca tinha conseguido agradar os pais, embora sempre tenha sido um menino brilhante. Toda a atenção dos pais era voltada para o filho mais velho, aquele que daria continuidade ao império que tinham construído. Mas, quando um acidente terrível põe fim à vida do filho amado deles, eles percebem, com desespero, que tudo que lhes resta é Sander e que ele agora é herdeiro de tudo que eles preferiam ter deixado para o filho que estava morto. E, do fundo do coração, eles desejavam que Sander tivesse morrido no lugar dele. 

Tentando estabelecer, finalmente, uma relação tranquila com os pais, Sander aceita o pedido (ou melhor, ordem) que seu pai lhe faz e resolve ir até a fazenda Westgrave Manor, para passar um final de semana entendiante ao lado de uma anfitriã que desejava agarrá-lo como quase tinha feito com o irmão dele. Ele pretendia aturar aquele tempo com um sorriso falso no rosto e uma paciência que não tinha, mas tudo mudou quando colocou os olhos pela primeira vez numa jovem que, assim como ele, estava totalmente deslocada ali. Uma atração imediata tomou conta dele e o fez perceber que talvez não fosse tão ruim assim, passar um tempo naquele lugar...

Infelizmente para o nosso querido Sander, as coisas não saem exatamente como ele planejava e ele percebe que para ter Tally onde ele desejava, seria necessário muito mais do que uma sedução barata e presentes caros. Ela não dançaria ao som da música dele. Ele é que precisaria dançar ao som da música dela. Ou então... que direcionasse o seu interesse para outra pessoa.


- Inicialmente, Tally era o tipo de mocinha que eu não gosto: aquele tipo que faz tudo o que os outros querem e ainda pensa que eles têm todo o direito de tratá-la como sentem vontade, pouco se importando com os sentimentos dela. Mas, ainda no início da história, ela mostrou um lado que mantinha oculto e começou a me surpreender até eu começar a gostar dela.rsrs... Ela foi muito boazinha até a paciência dela acabar e ela nos mostrar que de modo algum era igual às outras. Embora fosse naturalmente sensível e romântica, não estava pronta para ser usada por ninguém. Sabia o que queria e lutava por isso. No fundo, acreditava no amor e desejava um dia ter a família que ela própria não tinha tido, mas não estava disposta a aturar qualquer tipo de coisa para conseguir isso. Nem por amor, ela aceitaria ser humilhada. Nenhum playboy minado iria tratá-la como capacho ou pisar em seu coração. E o melhor de tudo é que ela não fica apenas com essas ideias na cabeça. Ela realmente cumpre o que promete para si mesma. 


" - Eu sabia que você não era perfeito. Percebi há muito tempo - sussurrou Tally.

Sander olhou para ela.

- Apenas não desista de mim. Eu posso aprender, posso fazer melhor."


- Sander foi uma surpresa maravilhosa.rsrs... À princípio, eu o detestei. Ele havia se comportado exatamente como eu esperava que ele se comportasse e isso me irritou bastante, mas, assim como a Tally, ele não demorou a provar que eu estava errada em julgá-lo baseada nos outros mocinhos da autora, que eu havia conhecido. Ele não demorou a provar que era necessário conhecê-lo melhor antes de começá-la a julgá-lo. Ele é arrogante? Sim. Sabe ser uma peste? Com toda certeza do mundo!rsrs... Mas também é justo e sabe admitir seus erros. Nem de longe ele se parece com os outros mocinhos da autora. Ele soube ser cruel com a Tally em alguns momentos, mas também soube se arrepender e abrir os olhos quando a verdade esteve bem diante de seus olhos. Ele não ignorou as pistas, nem sequer uma expressão no rosto da Tally lhe passou despercebida. Ele a notava, por isso, não duvidei dos seus sentimentos por ela. Ele sabia quando ela estava feliz, quando estava triste e até mesmo quando estava sentindo raiva dela, ele queria lhe colocar um sorriso no rosto. E não aceitava de modo algum que alguém a maltratasse. Nem mesmo quando ele próprio desejava fazer isso.rsrs... Ele também era uma pessoa muito carente e isso tocou o meu coração. Ele sabia que não era amado pelos pais e mesmo assim os amava, mesmo sabendo que eles preferiam que ele tivesse morrido no lugar do irmão. Ele também tinha enfrentado uma decepção amorosa quando era mais novo e tinha todos os motivos para acreditar que a Tally o havia enganado, que ela tinha preparado uma armadilha para ele. Ainda assim, ele não demorou a reconhecer que estava enganado e quando fez isso, colocou todas as cartas na mesa e foi sincero com ela, estando disposto a recomeçar do zero. A tentar novamente. E também soube pedir perdão. Sinceramente, eu amei esse casal! :D Eles conseguiram melhorar e muito o meu dia!rsrs...

- Por isso, sinto um pouco de medo da continuação da história.kkkkkk... Tudo fica acertado nessa primeira parte, gente. É isso que faz eu temer a continuação (desde que li Fogo Eterno, que também é dividido em duas partes, sinto pavor quando a autora divide uma mesma história em duas partes). Não me pareceu que houvesse a necessidade de uma continuação e não quero me decepcionar. Sinto medo do Sander fazer algo que estrague todos os sentimentos positivos que ele despertou em mim. Que destrua todo o carinho que sinto por ele. E, sinceramente, espero que a Tally continue sendo a mocinha que foi nesta história. Que ela não mude na segunda parte, que não se torne a tola que eu detestaria que ela fosse. 


- Bem... Mas vou criar coragem e ler Noiva de Verdade. Afinal de contas, além do medo também existe a curiosidade. O que será que me espera nessa continuação?!rsrs... Boa sorte para mim!kkkkkkkk... 


" - Estarei sempre ao seu lado, especialmente quando você se sentir sozinha, com medo ou doente. Não haverá qualquer outra mulher em minha vida. Não vou deixar que os negócios interfiram em nossa relação novamente. Vou reservar um tempo para ficarmos juntos todos os dias. Você será o centro do meu mundo [...]"

4 comentários:

Anônimo disse...

Li algumas resenhas da segunda parte e algo me diz que vc vai se aborrecer muito kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk........louca para saber sua opinião.

Eu bem queria uma cobaia,acho que encontrei kkkk

bjs



Mónica

Luna disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkk... Da próxima vez, você me servirá de cobaia, amiga!kkkkkkkk...


Estou com medo de realmente me aborrecer com essa segunda parte. :( A primeira parte foi tão boa que eu não queria que isso acontecesse.

Bjs!

Beatriz Solano Pinzon disse...

Olá Luna,

Não me mate pelos meus comentários, mas essa estória mexeu comigo e tenho que falar, talvez nossas opiniões não batam muito, mas o legal da coisa é isso mesmo, já pensou que chato se todos pensassem igual, que tédio seria kkkkk!
Li os dois livros: a 1ª parte achei um romance normal como tantos outros que temos por aí. Mas, a 2ª parte me emocionou muito e chorei rios de lágrimas junto a protagonista, me coloquei no lugar porque eu sei o que é perder um filho por experiência própria, é um processo doloroso e a depressão chega com tudo, a mulher precisa de muito apoio nessa hora, principalmente do marido!

Amor Traído => Sander era um playboy, babaca, preconceituoso e mulherengo. Coitada da Tally, que primeira vez traumatizante pra ela... Sander foi de uma sensibilidade de elefante! Sander não quis nem reconhecer o bebê, pois para ele estava tudo acabado, simplesmente porque ele não conseguiu manter o zíper da calça fechado quando encontrou a ex-namorada Oleia (teve culpa no cartório sim, se esfregando publicamente com a ex na boate onde levou a Tally poxa! Ainda se faz de ofendido?!), e nem se preocupou com isso, estupidamente mandou a Tally passear, chocada! Ele nunca quis casar com ela, ele foi chantageado para isso. Maaaaas, uma coisa não se pode negar, temos que reconhecer que Sanders sempre foi brutalmente SINCERO/HONESTO em relação a tudo isso! E até o final da 1ª parte do livro ele diz com todas as letras que NÃO AMAVA a Tally, mas que seria bom marido e bom pai. E assim criaram uma relação satisfatória para ambos e o livro poderia ter terminado aí, penso eu, apesar da imaturidade do casal (20 e 25 anos eram muito jovens)! Até aqui ainda não detestava o Sander!

Luna disse...

Olá, Beatriz!

kkkkkk... Sim, pensar diferente é muito bom!rsrs Eu gosto de debates sobre os livros. Trocar opiniões faz parte. E concordo com você: seria muito chato se todo mundo pensasse igual.kkkkkk...

Lamento muito, Beatriz. Nem sei o que dizer. :( Nunca perdi um filho, mas penso que se passasse por uma experiência assim não suportaria. Eu não posso ter filhos. Já tive problemas nos ovários, mas esse não é nem o motivo. Um outro problema de saúde me impede. Eu até conseguiria levar uma gravidez adiante, mas o médico disse que estaria arriscando minha vida, então, só serei mãe um dia se essa for realmente a vontade de Deus. Ele é aquele que opera milagres.

Eu compreendo. O Sander realmente não é perfeito. Ele erra bastante, mas eu amei a capacidade dele de reconhecer seus erros, sabe? Ele parava para pensar, refletia e encarava o fato de tudo nem sempre ser como ele acreditava. E, apesar de tudo, eu amava a sinceridade dele.rsrs


Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.