O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

segunda-feira, 6 de abril de 2015

O Direito do Sheik - Lynne Graham

(Título Original: The Sheikh's Prize
Tradutora: Patrícia Chaves
Editora: Harlequin
Edição de: março de 2015)

Noivas Desafiadoras 2/4

Uma mancha em sua reputação.

O casamento do sheik Zahir Ra'if Quarishi com uma ocidental causou enorme desgosto na corte. Sapphire Marshall fora o pior erro de sua vida. Fria e esquiva, ela fugiu do reino antes de consumar a união, obrigando Zahir a encarar sozinho a vergonha... e uma conta bancária com cinco milhões a menos. Agora sua ex-esposa está de volta ao pais, e Zahir tem planos de bani-la de uma vez por todas! Mas antes, exigirá a noite de núpcias a qual tem direito.


Palavras de uma leitora...



- Cinco anos se passaram desde o seu divórcio com Zahir, o homem por quem se apaixonara perdidamente apenas para ter o seu coração partido com o término amargo do relacionamento. Agora Saffy é uma modelo famosa, com a vida que muitas deveriam invejar. Porém, embora tenha seguido em frente, uma parte de si ficara para trás. E nem mesmo a terapia foi suficiente para que ela recomeçasse. As coisas tinham terminado da maneira errada e enquanto o passado não fosse enterrado de uma vez por todas, seguiria presa. Ao homem que destruíra todos os seus sonhos. 

Por causa de umas mudanças de última hora, Saffy se vê de repente de volta ao país no qual viveu por um ano, quase como prisioneira na casa de seu marido. E o passado que ela sabia que teria que enfrentar, mas no fundo desejava evitar com todas as suas forças, invade sua vida, bagunçando tudo outra vez. Será que mais uma vez sairia ferida? Ou todos aqueles anos contribuíram para mudá-los? Independentemente do que se passasse entre ela e Zahir, não ficaria em pedaços como antes. Nunca mais. 

- Zahir mal podia acreditar no que ouvia. Jamais esperara que sua ex-esposa se atrevesse a colocar novamente os pés em seu país. Não depois de tudo o que se passara... Mas ao vê-la mais uma vez, soube que não poderia deixar escapar aquela chance. A tinha perdido uma vez e em todos aqueles anos não fora capaz de esquecê-la. Faria o que fosse preciso para recuperá-la. E dessa vez, não a perderia. 

- Bem... O que posso dizer?rsrs... Estava bom demais para ser verdade. Suspiros... Depois da delícia que foi ler Amante Seduzida, eu esperava que esta história também me envolvesse e me deixasse apaixonada pelo casal. Ainda que eu não fosse muito com a cara da protagonista. No livro anterior, as únicas irmãs que eu conheci, além da protagonista, foram as gêmeas, Emerald e Sapphire. Mas para ser justa, eu conheci a Sapphire através dos olhos da Emerald, que há anos estava brigada com a irmã. Sendo assim, a opinião dela não deve ser levada tão a sério. Tudo o que ela tem a dizer sobre a irmã é recheado de mágoas e desprezo, não tendo nenhum compromisso com a verdade. Ao conhecer a Saffy neste livro, pude perceber que eu não fui muito justa com ela. Já que a mocinha não é exatamente o que a irmã a considera... 

- Ignorando totalmente os conselhos da Kat, a irmã que a criou desde que ela tinha 12 anos, Saffy se deixou levar pela paixão que sentia por Zahir e se casou com ele, indo morar, logo em seguida, em seu país, cuja cultura entrava em choque com a dela. O conto de fadas que ela construiu em sua mente, não demorou nada a virar um pesadelo, porque além de se ver presa num país hostil, cercada por pessoas que a desprezavam, Saffy também desenvolveu um pânico incontrolável toda vez que o Zahir chegava perto dela. Incapaz de consumar o casamento, sentia-se culpada, sem saber o que se passava com ela. Não tinha medo dele, o amava, mas não conseguia relaxar e permitir que ele a tocasse. O ambiente ao seu redor também não contribuía para diminuir seus medos e a esperança de que com o tempo os problemas entre os dois fosse se resolver, foi morrendo aos poucos. As brigas e as ausências se tornaram mais frequentes. Saffy se sentia infeliz, desprezada e prisioneira, pois graças ao fato de não ser aceita pela família do marido, tinha que ficar presa entre os muros da propriedade, tendo permissão para sair raríssimas vezes. Quanto mais os meses se passavam, mais ela sentia saudades das irmãs e de sua casa e pedia ao marido o divórcio, que ele se negava a lhe dar. O amor que ela sentia por ele não diminuiu ao longo do tempo e no fundo ela queria que ele ficasse ao seu lado. Mas o inferno no qual se transformou a sua vida era insuportável demais... até que, quando ela menos esperava, Zahir lhe deu o divórcio, a descartando como se já não suportasse mais vê-la em sua frente. Magoada pela forma repentina como ele a mandara embora e por ter sido incapaz de lutar por seu casamento, Saffy voltou para casa, sabendo que jamais seria capaz de esquecê-lo... 

- Eu pude compreender os problemas que fizeram o casamento entre Saffy e Zahir fracassar. Como se não bastasse o fato de terem ficado casados por um ano sem que conseguissem fazer amor, o ambiente ao redor deles seria capaz de enlouquecer qualquer pessoa. Não creio que se casar com a Saffy foi o pior erro que o mocinho cometeu, como ele tanto quis acreditar. Na minha opinião, seu erro foi levá-la para um país que ele sabia que a faria infeliz, que jamais a aceitaria... Ao menos, não enquanto o demente do pai dele fosse vivo. Mas além da péssima ideia que ele teve ao levá-la para lá, ainda existiu, para complicar mais as coisas, a própria insegurança do nosso mocinho. Ele também era muito jovem na época e criado num lugar cheio de regras, temendo decepcionar o pai, não se permitiu viver. Ao conhecer a Saffy, se apaixonou e quis garantir que nada a afastaria dele, por esse motivo apressou as coisas e depois se viu totalmente perdido diante dos problemas dela. Não sabia o que fazer e fez tudo errado. Não posso culpá-lo. Penso que, na realidade, a questão é que ambos eram jovens e imaturos demais para lutar por aquele casamento. Em vez de fazerem algo durante os doze meses que tiveram, eles simplesmente deixaram o tempo passar, como se tudo pudesse se resolver sem a ajuda deles. O que foi um grande engano e impediu os dois de recomeçar. Eles não podiam seguir em frente, porque o passado jamais foi resolvido. Ainda estavam presos ao que sonharam em ter e não tiveram. Presos às lembranças que tinham um do outro. 

- A história não é ruim e realmente eu pude entender o que tinha causado a separação, o que se passava no interior deles e que eles precisavam resolver os problemas que tinham com eles mesmos antes de tentarem dar uma segunda chance ao relacionamento que um dia os uniu (ou separou). Mas eu não senti um pingo de simpatia pelo casal. Por mais que reconheça que a Saffy não é tudo aquilo de ruim que a Emerald a considera, ainda assim não senti nada pela mocinha. Ela não me cativou e muito menos o Zahir. O romance entre eles não me convenceu, não senti aquela paixão, aquele amor que senti ao ler o primeiro livro. Eu os via tentar, ouvia suas declarações de amor e conhecia seus pensamentos, o que se passava dentro deles, mas não sentia absolutamente nada. Além do mais, a recuperação da mocinha não foi nada convincente. Muito menos, naquelas circunstâncias. Enfim...

- O Zahir me perdeu totalmente desde o princípio, quando resolve sequestrar a mocinha (que ele sabia que entrava em pânico e passava mal diante da chance dele tocá-la) e levá-la para uma região isolada, disposto a mantê-la ali, até "seduzi-la" e levá-la para cama, conquistando assim o que lhe foi negado cinco anos antes. Sabendo que a mocinha tinha se tornado modelo e que as revistas de fofocas tinham sempre novidades sobre ela, ele a via como uma vagabunda, por mais que não fosse tão claro assim em suas palavras. Eles tinham passado cinco anos sem nem sequer se verem e aí, quando percebe que estando em seu país ela está em suas mãos, ele resolve jogar sujo e realmente obrigá-la a ir até o local que ele escolheu e depois mantê-la presa ali, até conseguir o que queria. Não posso dizer que senti piedade da mocinha, pois ela não viu nada demais no que ele fez, é claro. Como ainda o amava, achou tudo perfeitamente normal e resolveu aproveitar a oportunidade que tinha caído do céu para perder a virgindade que tanto a incomodava. E ela colocou na cabeça que em vez dele usá-la, quem o usaria seria ela. Enfim... Eu não mereço isso, gente. Realmente não mereço.

Como tudo o que o nosso "maravilhoso" mocinho queria era o corpo da mocinha (mesmo que no final tenha dito que sempre a amou e nunca conseguiu esquecê-la, que ela era sua vida e tudo o mais), depois que consegue isso, providencia o transporte para levá-la de volta ao país dela. E só reaparece quando percebe que tê-la naqueles breves momentos não foi suficiente e que agora ele necessita alugar um apartamento, levá-la para lá e manter um caso escondido até que possa livrar-se da necessidade de tocá-la. Mas as coisas fogem ao controle dos dois (porque as camisinhas sempre furam, claro) e é aí que eles começam a tentar fazer o relacionamento dar certo e resolver as pendências do passado. 

- Como eu disse, a história em si não é ruim. O problema está nos protagonistas, que não nos conquistam, não nos faz torcer por eles e acreditar no que supostamente existe entre eles. Compreender os problemas criados pela autora é possível. Realmente a situação que a LG criou era bastante complexa, mas o casal não me passou verdade, nenhum sentimento. E tudo que eu mais queria era terminar logo a leitura porque, sinceramente, já não era mais capaz de seguir suportando-os.

- Os únicos momentos agradáveis do livro foram aqueles nos quais a Kat e o Mikhail apareceram. :D Sei que faz pouquíssimos dias que li a história deles, mas já sinto saudades. E mesmo que tenham aparecido apenas brevemente, ainda assim marcaram presença. A Kat continua sendo exatamente a mesma mocinha maravilhosa que me conquistou no primeiro livro e o Mikhail não deixa de provocá-la e ser aquele mocinho que faria tudo por ela. O relacionamento entre eles é lindo e mantém-se sólido apesar dos problemas. Eu amo muito esses dois! :) 

Nesta história pude conhecer um pouco mais a Topsy, protagonista do último livro da série. Por enquanto, não tenho nada contra ela. 

- Não recomendo o livro. Apesar de não ter chegado a desprezar a história, poderia muito bem passar sem lê-la.rsrs... Só espero que os próximos livros da série me conquistem. Não quero crer que o primeiro é o único que vale a pena. 


Série Noivas Desafiadoras

O Direito do Sheik
3º Imagem Real
4º Desafiando o Destino


2 comentários:

Mónica Castro disse...

Pois me sinto sempre assim também com os últimos livros da nossa amada LG,ou seja sou incapaz de conectar e sentir as emoções dos personagens,mas a culpa é da maneira como se tem escrito,a tal linha de produção que visa muito mais o lucro do que conquistar e cativar o leitor tem feito com que se perca a qualidade dos livros mais recentes.Uma pena,mas sigo confiante,pois alguma esperança me deu depois de ler sua resenha de Amante Seduzida. Como você sabe estou no segundo livro de uma série dela,o primeiro não me conquistou,não é ruim se lê bem mais só isso,não te emociona e tão pouco te conquista,o segundo,enfim estou nele e sinceramente acho que vai pelo mesmo caminho,a ver como segue minha opinião quando acabe a leitura. bjs

Luna disse...

Olá, querida! :)

Te entendo perfeitamente. Eu também venho me decepcionando muito com algumas histórias mais recentes da autora. Algumas se salvam e são maravilhosas, mas outras nem parecem escritas pela LG.

Lamento, amiga. Se fosse a história de uma autora que não é importante para nós, nem nos importaríamos tanto. Mas sendo da LG, a decepção é sempre maior.

Bem... Eu vou ver como seguirá a leitura da série Noivas Desafiadoras. Ainda não perdi a esperança, pois o primeiro livro me cativou. :)

Bjs!

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.