O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Viva para Contar - Lisa Gardner

(Título Original: Live to tell
Tradutor: Ivar Panazzolo Júnior
Editora: Novo Conceito
Edição de: 2012)


Em uma noite quente de verão, em um bairro de classe média de Boston, um crime inimaginável foi cometido: quatro membros da mesma família foram brutalmente assassinados. O pai — e possível suspeito — agora está internado na UTI de um hospital, entre a vida e a morte. Seria um caso de assassinato seguido por tentativa de suicídio? Ou algo pior? D. D. Warren, investigadora veterana do departamento de polícia, tem certeza de uma coisa: há mais elementos neste caso do que indica o exame preliminar.

Danielle Burton é uma sobrevivente, uma enfermeira dedicada cujo propósito na vida é ajudar crianças internadas na ala psiquiátrica de um hospital. Mas ela ainda é assombrada por uma tragédia familiar que destruiu sua vida no passado. Quase 25 anos depois do ocorrido, quando D. D. Warren e seu parceiro aparecem no hospital, Danielle imediatamente percebe: vai acontecer tudo de novo.

Victoria Oliver, uma dedicada mãe de família, tem dificuldades para lembrar exatamente o que é ter uma vida normal. Mas fará qualquer coisa para garantir que seu filho consiga ter uma infância tranquila. Ela o amará, independentemente do que aconteça. Irá protegê-lo e lhe dar carinho. Mesmo que a ameaça venha de dentro da sua própria casa.

Na obra de suspense mais emocionante de Lisa Gardner, autora best-seller do The New York Times, a vida dessa três mulheres se desdobra e se conecta de maneiras inesperadas. Pecados do passado são revelados e segredos assustadores mostram a força que os laços de família podem ter. Às vezes, os crimes mais devastadores são aqueles que acontecem mais perto de nós.



Palavras de uma leitora...



- Ainda estou tentando me recuperar desta história. Só mesmo sendo louca para ler três livros pesados seguidos! Não sei bem o que se passava pela minha cabeça. Talvez eu simplesmente não seja normal. Não seria nenhuma surpresa.rs

Viva para Contar é um daqueles livros dos quais fujo por anos. Faz quase quatro anos que o tenho e só agora busquei coragem para lê-lo. Não acho que foi lá uma boa ideia...

- Tive péssimas noites de sono durante a leitura. Várias cenas se repetiam em minha mente e não conseguia me livrar delas. Até agora sinto toda a carga emocional desta história. São emoções complexas e fortes. Não sei se amo ou odeio este livro. Simplesmente não sei.

"Meu pai matou a família inteira, exceto a mim. Será que aquilo significava que me amava mais do que aos outros, ou me odiava mais do que aos outros?"

A história já começa nos chocando com o assassinato brutal de uma família. O pai se embriagou e resolveu que a melhor coisa era matar a esposa e os filhos, poupando apenas uma pessoa. A filha de 9 anos, Danielle. No meio de todo aquele sangue e dor, ela foi retirada da casa pelo xerife, amigo de sua família, quando já era tarde demais para salvar os outros. Toda sua família estava morta e, quase 25 anos depois, Danielle ainda não conseguia se livrar da certeza de que tudo era culpa sua. E que não possuía o direito de viver.

"[...] E isso dói, porque quero a minha mãe de volta. Mas ela não está mais comigo. Minha memória traiçoeira a matou de uma forma mais forte do que o meu pai fez."

Ela fizera o que esperavam dela. Cumpriu seu papel de sobrevivente. Terminara os estudos e cursara enfermagem, tornando-se uma dedicada enfermeira que há anos cuidava de crianças traumatizadas e feridas das mais diversas maneiras. Naquela ala psiquiátrica, Danielle passava boa parte do seu tempo, sobretudo naquela época, tentando salvar crianças que, muitas vezes, já estavam além de qualquer salvação. Porque ela sabia que somente curando-as poderia obter a cura para si mesma. 

"Agora passo meus dias na ala psiquiátrica de um hospital infantil em Boston, trabalhando com o garoto de 6 anos que já está ouvindo vozes, a garota de 8 anos que se automutila, e o garoto de 12 anos que, absolutamente, definitivamente, não pode ser deixado a sós com os irmãos mais novos."

Mas... quando a investigadora D.D. Warren invade seu refúgio, exigindo respostas e levando notícias aterradoras, ela percebe que tudo está acontecendo de novo. Será que desta vez existiriam sobreviventes?

"Ela conseguiu atravessar a multidão e se agachou para passar por baixo da fita amarela que cercava uma parte da calçada, até finalmente chegar ao epicentro do caos, na cena do crime."

Às vésperas do aniversário de 25 anos da morte da família de Danielle, uma mãe e três filhos são encontrados mortos, dentro da própria casa. O pai estava em estado grave no hospital e tudo indicava que ele os matara e depois tentara suicídio. Algo comum. Que ocorria com mais frequência do que muitos poderiam imaginar. Mas D.D, a investigadora encarregada daquele caso, não demora a perceber que há algo de muito errado acontecendo... Que as aparências estão ocultando alguma coisa ainda mais sombria... Ao final daquele caso, ela nunca mais seria a mesma. 

"E eu penso, como sempre penso durante esses momentos, que ainda o amo. Amo tanto que sinto meu coração se quebrar em mais pedaços que meus ossos. E agora, mesmo em um momento como este, preciso ter cuidado. Não quero machucá-lo."

Victoria sabia o que era abrir mão de tudo, até mesmo da própria vida, por amor. Estava longe de ser a mulher feliz e realizada de oito anos antes. Agora não era nem sombra do que foi um dia. Mas se tivesse que voltar atrás ainda faria as mesmas escolhas. Nada no mundo poderia obrigá-la a sacrificá-lo. Era tudo o que ele tinha e iria amá-lo e protegê-lo mesmo se isso a matasse. Porque cada minuto ao seu lado colocava a vida dela em perigo. O seu bebê... seu filhinho de apenas 8 anos, que ela amava desde o ventre, a queria morta. E um dia, talvez, a escuridão que tomava conta dos seus olhos, transformando-o em alguém bem diferente do seu menino, a mataria. Não importava. Acontecesse o que acontecesse, ela estaria sempre com ele. Jamais lhe viraria as costas. Ele ainda era seu filho.

" - Não quero machucá-la - diz ele, quase como em um sonho, quase adormecendo. Seus olhos azuis se abrem. - Mas eu quero."

- Imagine o que um livro desse pode causar a uma pessoa que adora crianças... Sim, é uma história que atinge qualquer pessoa que a leia, mas para aquelas que, como eu, sentem um carinho enorme por qualquer criança, é um livro ainda mais brutal. A história não apenas nos atinge, ela nos joga no chão. Queremos largá-la, interromper a leitura e arremessar o livro o mais longe possível. Porque o que encontramos nesta história dói demais. É insuportável. 

"Estava sentada, agora, com o rosto limpo, levantado em direção ao Sol, e a leve curvatura dos seus lábios quase fez com que meu coração se despedaçasse."

- Não sou nenhuma ingênua. Sei que existem muitas crianças traumatizadas neste mundo. Crianças que sofreram os mais inimagináveis abusos. Crianças que muitas vezes crescem tão quebradas, tão destruídas por aqueles que deveriam protegê-las, que acabam por se transformarem em alguém como quem as feriu. É uma realidade que não queremos enxergar, mas que não vai deixar de ser real por causa disso.

- Eu já trabalhei com pacientes psiquiátricos. Durante um estágio que fazia. Algumas vezes por semana, entrava no mundo deles e isso me marcou para sempre. Eu chegava em casa tremendo e chorando, buscando, ao olhar para o céu ou gritar com Deus, respostas que não existem. 

São muitas as coisas que existem por trás de uma doença mental, gente. Não só fatores biológicos, químicos, ambientais, etc. Mas também, e sobretudo, familiares. Vocês não fazem ideia de como essas pessoas sofrem. De como é desesperador o mundo delas. De como, muitas vezes, falta amor e humanidade naqueles que estão encarregados de cuidar delas. E o mais doloroso é que o que essas pessoas, tão doentes e perdidas, mais necessitam é de amor e paciência.

Então... considerando que já lidei com pacientes psiquiátricos, o abalo ao ler um livro onde crianças possuem doenças mentais foi muito maior. Meus nervos ficaram destruídos, minhas emoções uma verdadeira bagunça. Eu queria chorar, mas nem as lágrimas aliviavam a angústia que esta história me causou. Não sou forte o suficiente para ler livros assim. Não sou. 

- Em Lei e Ordem - Unidade de Vítimas Especiais, já assisti episódios nos quais crianças foram vítimas de abusos e depois quiseram causar o mesmo dano a outras pessoas. Foram episódios fortíssimos, que jamais esqueci. Também lembro de um episódio no qual o menino tinha um lar estável, uma vida segura e mesmo assim estava muito doente, psicótico, se transformando numa ameaça para toda a família. Não foi algo fácil de ver. Não é algo que eu seja capaz de suportar.

- Neste livro, encontramos desde crianças que foram vítimas das mais terríveis violências até aquelas que possuem pais dedicados e um lar seguro e ainda assim estão doentes... seriamente doentes. Machucando a si mesmas e aos outros. Nunca li nada como esta história. Não é o tipo de leitura que me atrai. É exatamente o tipo que eu jamais queria ter lido.


- Não sei bem o que dizer. Nem estou pensando direito. Este livro mexeu tanto comigo que mesmo agora meus olhos ainda se enchem de lágrimas e sinto um nó na garganta. É totalmente impossível não se envolver pelas famílias destruídas pela maldade de verdadeiros monstros, impossível não chorar com as crianças feridas que estão naquela ala psiquiátrica, fugindo de seus fantasmas, de lembranças que nunca irão embora. Deus! É insuportável imaginar alguém sendo vítima de violência, mas crianças... Crianças, não! Crianças e animais são extremamente frágeis, um trauma pode destruí-los por completo, fazê-los jamais se recuperarem. E se algo acontece com uma criança ou um animal, todos somos responsáveis. Todos os que fingiram não ver, todos que puderam socorrê-los e não o fizeram. 

Uma vez apareceu uma gatinha no quintal da minha casa. Adoro animais, mas gatos são minha fraqueza. Então... ela estava com fome, mas não deixava ninguém se aproximar. Não tive dúvidas de que ela tinha sido machucada por alguém. Eu queria cuidar dela, mas ela não confiava mais em nenhum ser humano. Mesmo assim, eu sempre colocava comida e água para ela. Ela comia e ia embora, às vezes dormia um pouco, mas estava sempre apavorada. Eu não fazia ideia de como ajudá-la. Um dia ela não apareceu mais. Eu soube que ela tinha morrido. Talvez naquele dia estivesse seguindo o caminho lá para casa quando alguém a encontrou e resolveu matá-la. Nunca vou saber quem foi. Isso já faz muitos anos, mas até hoje não consigo esquecê-la. Eu poderia ter feito mais. Mesmo que ela me  arranhasse ou mordesse, eu poderia ter tentado colocá-la dentro de casa e não deixá-la sair. Assim, talvez, ela ainda estivesse viva. Nunca vou deixar de me sentir culpada.

- Basta ligarmos a TV, colocar em qualquer canal onde esteja passando reportagens e veremos a notícia de diversos crimes, incluindo aqueles em que alguém espancou ou matou o próprio filho ou agrediu até a morte um animal. Não aguento mais ver jornais. E me pergunto com frequência como Deus ainda pode nos amar...

- Neste livro, existem três personagens centrais: a investigadora D.D.; Danielle, única sobrevivente do massacre de sua família; e Victoria, uma mãe dedicada ao filho que ora é um anjo ora se comporta como se estivesse possuído e que, sim, seria capaz de matá-la se lhe fosse dada a oportunidade. Aí alguns podem dizer que eu dei um enorme spoiler. Como pode se atrever a revelar que a ameaça que vem de dentro de casa é o filho da Victoria?! Que ele é perigoso?! Bem... Nas páginas iniciais nós já conhecemos o inferno que toma conta dos dias dessa mãe. Não é segredo algum. Não é spoiler algum. Até porque os próprios comentários na contracapa do livro nos dão uma grande ideia disso. Só não perceberia quem não quisesse. Enfim... A vida dessas três mulheres vai se entrelaçar, nos levando até um final de roubar o fôlego. E é tudo o que posso dizer. Mas posso garantir que vocês não fazem a menor ideia de que segredos se escondem nesta história e como tudo terminará...

- Lucy... Uma personagem importante na história. Um anjinho que sofreu muitos abusos e estava tão traumatizada que só se sentia segura quando assumia a personalidade de um gato... apenas agindo como uma gatinha ela era capaz de manter-se calma, de acreditar que tudo que lhe aconteceu não era real. De todos os personagens, creio que Lucy foi a que mais me marcou. E a que mais me feriu. Meu coração está em pedaços por causa dessa menina. O sofrimento dela é capaz de partir o coração de qualquer pessoa que possua um coração. Acredito que daqui a dez, vinte anos... tocarei na capa deste livro na estante e a primeira personagem que invadirá minhas lembranças será ela. 

- Recomendo esta história? Sim. Eu a recomendo. Mas leiam cientes de que o livro vai mexer demais com suas emoções e no final irá marcá-los. Profundamente. 

0 comentários:

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.