O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

domingo, 19 de fevereiro de 2017

No Mundo da Luna - Carina Rissi (Desafio 12 Meses Literários - Fevereiro)

(Título Original: No Mundo da Luna
Editora: Verus
Edição de: 2015)

A vida de Luna está uma bagunça! O namorado a traiu com a vizinha, seu carro passa mais tempo na oficina do que com ela e seu chefe vive trocando seu nome.

Recém-formada em jornalismo, ela trabalha como recepcionista na renomada Fatos&Furos. Mas, em tempos de internet e notícias instantâneas, a revista enfrenta problemas e o quadro de jornalistas diminuiu drasticamente. É assim que a coluna do horóscopo semanal cai no colo dela. Embora não tenha a menor ideia de como fazer um mapa astral e não acredite em nenhum tipo de magia, Luna aceita o desafio sem pestanejar. Afinal, quão complicado pode ser criar um texto em que ninguém presta atenção?

Mas a garota nem desconfia dos perigos que a aguardam e, entre muitas confusões, surge uma indesejada, porém irresistível paixão que vai abalar o seu mundo. O romance perfeito - não fosse com o homem errado. Sem saída, Luna terá que lutar com todas as forças contra a magia mais poderosa de todas, que até então ela desconhecia: o amor.

Com seu estilo ágil e fluido, Carina Rissi criou em No mundo da Luna uma leitura viciante, permeada de humor, magia e paixão, que vai conquistar você do início ao fim.




Palavras de uma leitora... 


- Imagino que isso deva surpreender um pouco vocês. Uma leitura nacional. Quando foi a última vez que li algo de um escritor brasileiro? Acredito que já faça anos e a culpa não é tão minha assim.rs Só que faz um tempo que venho desejando mudar isso. Apostar mais em escritores do quais ouço tanto falar e que estão tão pertinhos de mim (aqui no Brasil, sabe) e nunca dei uma chance. E adquirir este livro da Carina Rissi foi o primeiro passo... embora eu tenha levado um pouco mais de um ano para finalmente lê-lo. :)

Já tinha escutado muitos elogios aos livros desta autora, mas nunca aparecia uma oportunidade para lê-los. E então, no site da Saraiva, acabei "esbarrando" nele e decidindo que o queria. De repente, eu simplesmente o queria demais. Não no dia seguinte ou um mês depois. Queria o livro naquele momento. Aquelas coisas que acontecem comigo de vez e sempre, quando uma história me diz que eu preciso dela, entende? Quando ele chegou, namorei sua capa, sinopse e páginas iniciais durante um tempo, imaginado quando iria lê-lo... quando seria o momento certo. Outras de minhas manias que vocês já conhecem. Sempre aguardo o momento de ler cada livro, ainda que esteja muito louca por ele. Eu espero. Talvez por ter um lado masoquista, quem sabe.

Mas não dá para negar que eu também tinha medo. Não sei explicar muito bem o receio que tenho da literatura brasileira. Não que não tenha tido boas experiências. Adoro o José de Alencar, o Dan Albuk (cuja continuação de Lerulian eu sigo aguardando há séculos), e a Lu Aluada, que me encantou com o romance Para Todo Sempre. Porém, como podem ver, dá para contar nos dedos de uma mão os autores brasileiros que conheço e dos quais gosto demais. Acho que está mais do que na hora de perder o medo e dar uma chance aos outros, certo? Só que é tão mais fácil falar.rs

"Meu chefe, também conhecido como demônio nerd, cão chupando manga e babaca sem noção - e isso tudo nos dias bons -,entrou na redação e lançou seu tradicional:
- Bom dia, Clara. 
[...] Eu odiava a minha vida. Odiava ainda mais meu chefe idiota que nem sabia meu nome."

Ao se formar na faculdade, Luna teve a oportunidade de realizar um dos seus maiores sonhos: trabalhar na famosa Fatos&Furos ao lado de um chefe que durante um longo tempo foi mais que um ídolo, quase um deus. Mas nada foi como ela sonhou. Longe disso. Ela até foi contratada, mas para ser recepcionista e observar, dia após dia, e mês após mês, outros terem suas colunas publicadas enquanto ela atendia ao telefone e anotava recados. E se isso não fosse suficiente para fazê-la lançar olhares assassinos ao seu chefe, pois ele deveria ter enxergado todo seu potencial ainda na entrevista para recepcionista e lhe dado de cara a coluna ideal, o cretino não conseguia acertar o seu nome. Uma só vez. E com o passar do tempo, ela quase se convenceu de que realmente se chamava Clara.

Mas é quando ela está enfrentando a pior fase de sua vida, após ser traída pelo namorado com quem desperdiçara dois anos e que parecia acreditar que traição não era algo tão relevante assim, que a sua grande chance aparece. Embora não fosse exatamente o que ela esperava. Mas qualquer coisa era melhor do que ficar presa àquela recepção, rasgando seu diploma em pedacinhos. Ainda que qualquer coisa fosse ser a menina do horóscopo... Escrever sobre algo que não fazia parte de sua formação como jornalista e em que ela não acreditava. Não sabia nem como começar. Mas é claro que o demônio do seu chefe não precisava saber disso. Ela daria um jeito. Ou não.

E o que era para ser apenas uma janela para o sonho que ela nunca deixou de nutrir, o de ser a grande colunista que era capaz, acaba se transformando numa grande confusão, pois não demora para que mais e mais pessoas sejam atraídas por suas previsões e tenham suas vidas transformadas por elas... ou acreditem ter. E se isso resumisse todos os problemas que invadem seus dias, tudo bem. Mas nada em sua vida era tão simples assim... Como se não bastasse escrever sobre algo que odiava (embora já não atendesse o telefone), de repente se via numa montanha-russa com o homem que mais detestava no mundo e não sabia como diabos tinha conseguido se meter naquela situação. Como podia se sentir atraída por alguém que desejava matar durante todas as vinte e quatro horas do dia? E por que ele vivia cruzando o seu caminho se ela tinha certeza que estava interessada por outra pessoa? Não queria se apaixonar pelo Dante-filho-de-todas-as-pontualidades. E não iria. Ou não se chamaria Luna. 

"As desgraças sempre vêm aos pares, é o que dizem por aí."

- Eu apostaria em Clara, só para constar.rs No Mundo da Luna é uma comédia romântica realmente divertida, que me fez gargalhar muitas vezes durante a leitura, mas que também me causou um aperto no coração em algumas cenas. Está aí uma mocinha que sabe ferrar com a própria vida. Não necessita da ajuda de ninguém para isso.rs Ela me lembrou demais as mocinhas dos livros da Linsay Sands. E isso é algo extremamente positivo, pois sempre adorei as mocinhas dessa autora. Mas confesso que a Luna quase fez meu coração sair pela boca em alguns momentos. Embora também me tenha feito chorar de tanto rir em seguida. Fazia um tempo que não me divertia tanto. 

"Será que alguma vez na vida eu teria minhas preces atendidas?"

Luna é uma jovem jornalista de vinte e quatro anos, que não se sente jornalista e odeia tudo em sua vida, menos a melhor amiga, a avó, o irmão (esse ela odeia só de vez e quando e isso porque não o vê sempre) e chocolate... ou qualquer outro tipo de comida. Mas se ela fosse fazer uma lista das coisas que mais odiava na vida, não há dúvidas do que, ou quem, encabeçaria a tal lista... e não é no ex-namorado traidor que ela pensaria. Mas no chefe infernal que ela um dia foi louca demais para admirar. Mal suportava respirar o mesmo ar que ele e só estava naquela revista porque era teimosa demais para desistir. E, no fundo, tinha a esperança de que ele trocasse de óculos e conseguisse enxergá-la, mesmo que de longe... o suficiente para lhe dar uma coluna. A chance de mostrar que era boa e que não tinha estudado tanto para ser ignorada. E ter seu nome trocado, não se pode esquecer. Mas quando suas preces finalmente são atendidas... ela troca o telefone pelas cartas de um baralho velho que a vendedora jurou que tinha poderes mágicos. E, da noite para o dia, coisas estranhas começam a acontecer... como seu chefe passar a chamá-la de Luna. 

E quando acorda ao lado dele numa cama desconhecida, sem lembranças do que aconteceu após os dois terem enchido a cara tentando curar um coração partido, ela não percebe tudo o que o destino lhe reserva... e que, talvez, apenas talvez, estivesse procurando nos lugares errados aquilo que seu coração realmente sonhava. 

"O Dante é o cara perfeito pra você, de um jeito errado."

Disposta a não dar ouvidos ao que os outros, e seu próprio coração, têm a dizer, ela se empenha em afastá-lo cada vez mais de sua vida. E como o destino conspirava ao seu desfavor, ele sempre estava por perto quando ela mais precisava, fosse para beber, gritar ou beijar... fosse para o ódio ou para a paixão. E tirá-lo de seu caminho já não parecia tão fácil como no início. Sobretudo quando começa a conhecê-lo de verdade, enxergar o homem por trás do chefe que adorava dar ordens aos berros e do nerd de cabelos bagunçados e óculos tortos... quando finalmente começa a ver o homem que ele realmente era e... que existia algo em seus olhos que a atraía como nada na vida fora capaz. Não queria amá-lo. Não podia. Mas seu coração já tinha seus próprios planos...

"- Me escolha. [...]
 -  Não me pertença, me escolha. Me deixa ficar do seu lado."

- É muito fácil nos apaixonarmos pelo Dante e pela Luna. São dois loucos que roubam nosso coração antes mesmo que a gente perceba, que nos fazem rir e também nos deixam em agonia quando insistem em ser imbecis e fazerem coisas que apenas ferem os dois. Eu suspirava aqui cada vez que eles estavam juntos sem se matarem, quando esqueciam o mundo e o suposto desprezo mútuo que nutriam e só pensavam nos beijos e em tirar a roupa um do outro. Eram tão fofos nesses momentos!kkkkkkkk... Eu adorava quando eles paravam de idiotices e não conseguiam se afastar, sabe. Nada entre eles era realmente só sexo e só os estúpidos não percebiam isso. Quando se tocavam havia magia. Porque havia amor, embora eles demorem toda uma vida para se darem conta. Eles se amavam enquanto se odiavam e gritavam coisas que não sentiam. Se amavam mesmo quando estavam com outras pessoas. Quando juravam que não queriam se ver e se amaldiçoavam por terem ido pra cama de novo. Eles se amavam em cada um desses momentos. Porque aquele era o destino deles. Porque tinham nascido um para outro. E embora o que eu diga possa parecer extremamente piegas, é a mais pura verdade. Esses dois nasceram para se amarem. Para construir uma vida juntos. E nem eles próprios seriam capazes de estragar isso. E não é por falta de tentativa. Porque eles tentam! E como tentam estragar a própria vida!rsrs

"Quero que me queira do mesmo jeito doente e louco que eu quero você. E, ah, Luna, acredite, eu quero você."

- O Dante é um daqueles mocinhos que nos roubam o fôlego com o amor que sentem pela mocinha. Com um amor que está em cada atitude que eles tomam, até nos mais simples gestos. Um amor que simplesmente parece transbordar das páginas, de cada palavra que lemos. Um amor cheio de ternura, mas que os fazem enlouquecer quando estão com ciúmes. Algo doce e selvagem ao mesmo tempo, um amor que simplesmente sentimos, mas que não conseguimos explicar. Eles fazem com que a gente sinta tudo com eles. Nos empurram para sua loucura e fazem com que também esqueçamos o mundo enquanto viajamos com eles pelas páginas da história.

Mas isso não significa que eu não quis matar o Dante e a Luna em nenhum momento. Muito pelo contrário! Da mesma forma que me divertiam e me encantavam, eles me faziam passar tanta raiva e desejar quebrar algo na cabeça deles. Sobretudo o Dante. A Luna podia ser uma tremenda estúpida em certos momentos, mas ele era especialista em usar as palavras certas para magoar, quando desejava. E toda vez que ele fazia isso com ela, eu queria entrar na história e ensinar-lhe umas lições que ele jamais esqueceria. Era nesses momentos que eu queria que a mocinha desse atenção à personalidade do seu signo e desse a ele o que o cretino merecia. Ela até poderia perdoá-lo depois (não aceitaria outra coisa), mas que deveria fazê-lo comer o pão que o diabo amassou, isso deveria! 

E o momento em que mais desejei esganar esse mocinho foi na reta final. Naquela hora eu quase esqueci que o amava e desejava que ele ficasse com a mocinha. O chamei de todos os nomes que conseguia me lembrar e imaginei diversas formas de esfolá-lo e fazê-lo se arrepender amargamente do dia em que nasceu (ou foi criado pela autora). E a Luna me frustrou muito por perdoá-lo sem fazê-lo rastejar implorando pelo seu perdão. Cadê o lado vingativo dessa criatura? Ela nem parece do signo de escorpião.kkkkkk... O amor dela pelo Dante a transformou em alguém do meu signo. E isso não foi nada bom.kkkkkkk... Não para o meu lado vingativo, pelo menos. 

- Eu amei todo o livro, do começo ao fim. Os momentos divertidos, as cenas em que chorei de angústia, me perguntando como eles consertariam o novo estrago, mas claro que existiram aqueles momentos especiais. Como a cena em que o Dante estava doente e nossa mocinha cuidou dele... ou a do buquê de flores que fez a Luna chorar por causa da alergia e o Dante correu para ela, sem se importar com quem estava observando, e a envolveu em seus braços, atormentado pela possibilidade de alguém tê-la feito chorar. A cena em que ela recebeu uma ligação terrível e ele ficou ao seu lado, lhe sustentando e sendo tudo o que ela necessitava... e até mesmo aquela na qual ele foi extremamente nojento e me deixou em choque.kkkkkkkk... Essa cena marcou o livro. Deus do céu!kkkkkkk... Alguém precisa lembrá-lo que é preciso manter o romantismo. E roubar a escova de dentes da Luna não foi romântico. Muito menos o que ele fez antes.rs 

- Esta história me surpreendeu bastante. E de uma maneira bem positiva. Eu esperava muito dela, mas ela conseguiu superar minhas expectativas. Eu devorava as páginas, me acabando de rir nos piores momentos possíveis e tendo que colocar a mão na boca para tentar me conter. Também me fez chorar quando eu não queria e sonhar acordada quando deveria prestar atenção na rua. Enfim... Foi uma leitura deliciosa e cada personagem conseguiu ter seu próprio espaço, sua própria personalidade, o que tornou o livro ainda melhor. A vó Cecília, o Raul e sua relação com a Luna, que sempre será a irmã que ele adora infernizar... A Sabrina, que em muitos momentos não parecia ser do meu signo... isso antes dela se apaixonar pelo Lúcio e protagonizar uma das cenas mais divertidas do livro. Ali ela realmente se pareceu comigo, quando lançou sobre a Luna um monte de acusações sem sentido, tomada pela raiva. Adorei demais aquela cena!kkkkkkkkk... A Júlia, o Murilo, a Beatriz, o Fernando e suas experiências desastrosas na cozinha e, claro, a Madona, uma cadelinha atentada que quase fez o Dante sofrer um infarto quando resolveu fingir que comeu a tampa da caneta dele.rsrsrs... Todos eles contribuem para tornar o livro especial.

"- Você não tem ideia do poder que tem sobre mim, Luna. Você pode não ser minha, mas eu já sou seu, todo seu. Eu escolhi você."





Este livro foi o meu escolhido para o Desafio 12 Meses Literários. Neste mês de fevereiro deveríamos ler um autor nacional e nem pensei muito antes de fazer a minha escolha. Eu queria ler a Carina Rissi já há bastante tempo e o livro dela fazia parte da minha meta de leitura deste ano, então achei melhor incluí-lo no desafio para poder lê-lo mais rápido. :D E foi uma excelente escolha, pois ela conseguiu me ganhar como fã com sua escrita tão leve, divertida e com romantismo e drama na medida certa. Ela tem um jeito de escrever bem único e natural e quero muito conhecer suas outras histórias. :)

Não há dúvidas de que recomendo e muito o livro! Dei 5 estrelas e passagem para os favoritos sem pensar duas vezes! :D

0 comentários:

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.