O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A Libélula no Âmbar - Diana Gabaldon

(Título Original: Dragonfly in Amber
Tradutora: Geni Hirata
Editora: Saída de Emergência
Edição de: 2014)

2º Livro da Série Outlander

Claire Randall guardou um segredo por vinte anos. Ao voltar para as majestosas Terras Altas da Escócia, envoltas em brumas e mistérios, está disposta a revelar à sua filha Brianna a surpreendente história do seu nascimento. É chegada a hora de contar a verdade sobre um antigo círculo de pedras, sobre um amor que transcende as fronteiras do tempo... e sobre o guerreiro escocês que a levou da segurança do século XX para os perigos do século XVIII. 

O legado de sangue e desejo que envolve Brianna finalmente vem à tona quando Claire relembra a sua jornada em uma corte parisiense cheia de intrigas e conflitos, correndo contra o tempo para evitar o destino trágico da revolta dos escoceses. Com tudo o que conhece sobre o futuro, será que ela conseguirá salvar a vida de James Fraser e da criança que carrega no ventre?


Palavras de uma leitora...


"- Eu a encontrarei - murmurou ele em meu ouvido. - Eu prometo. Ainda que tenha que suportar duzentos anos de purgatório, duzentos anos sem você, esse será meu castigo, que eu mereci pelos meus crimes. Porque eu menti, matei e roubei; traí e quebrei a confiança. Mas há uma única coisa que deverá pesar a meu favor. Quando eu ficar diante de Deus, eu terei uma única coisa a dizer para contrabalançar o resto. 

Sua voz diminuiu até quase se transformar num sussurro, e seus braços apertaram-me com mais força. 

- Meu Deus, o Senhor me deu uma mulher especial e, Deus!, eu a amei demais."


- Eu já perdi a conta de quantas vezes respirei fundo. E não importa quantas vezes volte a fazer isso... não conseguirei acalmar as emoções que criam um grande tumulto em meu interior. Não conseguirei acalmar o amor. E nem o ódio. Nem a alegria ou a tristeza. A dor... os momentos em que a revolta era tal que eu queria rasgar e atacar fogo em páginas do livro. A impotência diante de acontecimentos que eu não poderia evitar.... A esperança... cada vez que o amor que unia Claire e Jamie fazia com que eles se reencontrassem. A paz e a leveza que uma troca de olhares ou sorriso entre eles provocava dentro de mim. Não. Respirar fundo não basta. E já percebi que chorar também não adianta. Este livro está cravado em mim... como o corte que marca a mão da Claire e do Jamie. Impossível de arrancar. Algo que o tempo pode suavizar... mas nunca apagar. 

"Permaneci imóvel, a visão embaciada, e naquele instante ouvi meu coração se partir. Foi um pequeno som, nítido, como o estalido da quebra do caule de uma flor."

- Eu pretendia fazer uma resenha breve e sensata... racional, sabe. E breve ela talvez seja. Mas... sensata ou racional? Não faço a menor ideia de como se começa a escrever algo assim. Sou sempre emoção. Mas é algo ainda mais presente dentro de mim depois deste livro. Depois de tudo que vivi com a Claire e o Jamie... cada segundo... cada lágrima, cada sorriso. Cada dor. E cada reencontro... Não importava o que acontecesse... de quantas maneiras diferentes a vida tratasse de separá-los, fosse física ou emocionalmente.... Eles sempre se encontravam novamente. E assim sempre seguiriam. 

"- Sangue do meu sangue... - murmurei.
- ... e carne da minha carne - respondeu ele baixinho. Nenhum de nós dois conseguiu terminar o voto, 'até o fim de nossas vidas', mas as palavras não pronunciadas pairaram dolorosamente entre nós."

- Meus momentos de maior desespero sempre vinham por causa do meu Jamie... meu querido Jamie. Você que leu A Viajante do Tempo... que viu tudo que aconteceu com ele... que foi obrigada a acompanhar cada momento... suas palavras enquanto ele recordava... preso da depressão e da vontade de simplesmente entregar os pontos e se deixar levar para onde quer que o destino o levasse após aquela vida... após seu coração parar de bater... Você... que acompanhou tudo isso... e ao ler A Libélula no Âmbar se deparou com alguém que já deveria ter ido para o inferno faz tempo... me diga: como eu poderia não me desesperar? Não sofrer ao ser obrigada a reviver tudo aquilo de novo? Minha vontade era protegê-lo. Proteger meu Jamie... impedi-lo de mergulhar na loucura que arriscaria sua vida e a de quem ele mais amava... uma loucura que não valia a pena. Porque quem pagaria o preço por aquilo seria ele. E a Claire. 

"- Não, minha Sassenach - disse ele à meia-voz. - Abra os olhos. Olhe para mim. Porque essa é a sua punição, como é a minha. Veja o que você fez comigo, como eu sei o que fiz a você. Olhe para mim. 

E eu olhei, aprisionada, presa a ele. Olhei, enquanto ele deixava cair a última de suas máscaras e me revelava as profundezas de seu próprio ser e os ferimentos de sua alma. Eu teria chorado pela sua dor, e pela minha, se pudesse. Mas seus olhos mantinham os meus presos, abertos e sem lágrimas, sem limites como o mar."

O destino... a fez viajar quase duzentos anos para encontrá-lo. Para encontrar seu coração. E em meio às dificuldades do século XVIII, às tentativas de assassinato, estupro e tortura... caçada às bruxas, intrigas, traições e perseguições... o amor deles sobreviveu. Amadureceu... se fortaleceu com cada golpe. Com cada momento em que era uma questão de vida ou morte... a morte de alguém pela vida deles. A própria vida... pela vida do outro. O amor que os unia não era simples. Nem passageiro. Era algo intenso... além do certo ou errado, dos princípios... do céu ou do inferno. Eles tanto matariam quanto morreriam um pelo outro. Seriam capazes das piores coisas... porque a única coisa que não poderiam suportar seria viver um sem outro. Perderem-se... sem saber que haviam feito tudo para salvar um ao outro. Eles até poderiam falhar... poderiam ser vencidos por todas as coisas que estavam contra eles... mas eles ao menos saberiam que tinham tentado. E que sempre estariam vivos... em suas lembranças.

" - Corte-me - disse com premência. - Bastante fundo para deixar uma cicatriz. Quero levar a marca do seu toque no meu corpo, ter alguma coisa sua que ficará para sempre comigo. Não tem importância se doer; nada pode doer mais do que deixá-lo. Ao menos, quando eu tocá-la, onde quer que eu esteja, poderei sentir seu toque em mim."

- O que será que dói mais? Nunca encontrar o verdadeiro amor... ou encontrá-lo apenas para perdê-lo depois? Para ver-se obrigado a passar pela vida sabendo que nunca mais verá esse amor... sabendo que tudo que lhe resta são as lembranças? Os momentos que viveram juntos e que, por mais que você queira, não podem regressar? 

"As lágrimas de uma profunda perda acordaram-me devagar, banhando meu rosto como o toque reconfortante de um pano úmido em mãos tranquilizadoras. Virei o rosto no travesseiro molhado e naveguei por um rio salgado para dentro das cavernas da dor relembrada, para as profundezas subterrâneas do sono."

- Talvez... doesse mais conhecer o amor e depois perdê-lo. Porém, ela não se arrependia. De nenhum momento. Se lhe fosse dada a opção de jamais conhecê-lo... de nunca saber quem ele foi... de jamais vir a fazer parte de sua vida... ela ainda atravessaria aquelas pedras para encontrá-lo. Mesmo que soubesse como tudo terminaria... ainda assim ela faria tudo de novo. Porque não importava o quanto doía... o que importava é que ela havia amado Jamie Fraser. E sempre amaria. 

"Se era saúde da mente ou do corpo, seu amor era necessário para mim como o ar ou o sangue."


- A história começa vinte anos após a separação entre a Claire e o Jamie. Uma separação que não é anunciada no primeiro livro. Que não é esperada. Apesar de tudo que eles viveram em A Viajante do Tempo, sabemos que eles terminam o livro juntos... depois que o amor dela o cura. Ainda que as cicatrizes não pudessem ser apagadas. Mas ela o traz de volta e tudo indica que um lindo recomeço os espera. Mas quando iniciamos esta segunda parte da história deles, percebemos que alguma coisa deu errada e provocou a separação. Uma longa separação. De toda uma vida... Percebemos que Brianna, o fruto deste lindo e doloroso amor, jamais conheceu seu verdadeiro pai. Cresceu acreditando que era filha de Frank Randall, o primeiro marido da Claire e o homem para o qual ela voltou após atravessar novamente as pedras da colina Craig na Dun. Porque ela havia prometido. Antes de partir... ela prometeu ao Jamie que voltaria para o Frank. E que protegeria a filha deles... a única parte que ela teria dele. 

Após vinte anos, Claire está de volta à Escócia. Ao lugar em que sua vida começara... e onde estavam os seus fantasmas. Finalmente chegara o momento de contar à Brianna a verdade... toda a verdade que ela ocultou porque Frank pediu. Mas agora que ele partiu, nada a impedia de dividir com a filha a história de sua vida. Uma história de amor... de perdas e dor também, mas acima de tudo... uma história de amor. 

E é assim que somos levados de volta ao passado e conhecemos as circunstâncias da separação entre Claire e Jamie. Passamos pela França do ano de 1744, com todas as intrigas da corte e as tentativas do nosso casal de evitar a revolução que massacraria milhares de escoceses e deixaria um passado de tristeza e destruição. Acompanhamos os jogos de poder, que transformava em suicídio qualquer confiança que se depositasse em alguém... e após acontecimentos que marcarão para sempre a vida deles (e de nós leitoras) retornamos para a Escócia... e para tudo que eles ainda viveriam antes de se separar. Também temos de volta neste livro um demônio que fugiu das profundezas do inferno e que insistia em atormentar a vida deles... e a nossa. Voltando a despertar em mim aquele ódio violento e os desejos de vê-lo morrer de forma lenta e muito, muito dolorosa. Sim. Você que também desejava que ele tivesse ficado no primeiro livro... sinto desapontá-lo. Black Jack mantém-se vivo e com bastante saúde, o desgraçado, neste livro. Sabe aqueles momentos em que desejei arrancar páginas do livro, fazê-las em pedaços e depois vê-las queimando em minha frente? Claro que a culpa é toda dele. Muitas vezes me vi fechando o livro e apertando-o com força desejando que fosse o pescoço do Black Jack. Para minha grande infelicidade... não era. 

- Já sinto os sintomas da Depressão Pós-Livro tomar conta de mim. Apesar de todos os altos e baixos, de todos os momentos em que sentia minha cabeça girar com os acontecimentos que insistiam em me pegar de surpresa... apesar da angústia que me tomava, da ira... dos momentos de intensa revolta... eu leria o livro de novo. Sem hesitar. Sem me arrepender. Pela Claire e o Jamie. Para estar com eles de novo. Eu queria todos os momentos de volta... O Jamie, com seu incrível humor e sua teimosia que me fazia desejar quebrar algo em sua cabeça.rsrsrs... A Claire, com seu ímã para problemas e sua interessante mania de conversar tranquilamente com pessoas que desejavam matá-la.kkkkk... É muito difícil me separar deles. Principalmente pela forma como o livro terminou. Eu esperava por algo que ainda não ocorre neste livro (que só acontecerá no terceiro livro da série)... e quando eu finalmente percebi que estava achando errado, a leitura chegou ao fim e eu fiquei parada, em choque. Não necessito dizer que as lágrimas vieram em seguida. Eu quero a Claire e o Jamie da maneira que eles sempre têm que estar... quero ver o amor deles superando tudo de novo. Não aceito menos. 

Uma história que não nos deixa indiferentes. Um livro que já começou marcando o meu ano. E a minha vida. Existem histórias que eu sei que permanecerão vivas em minha memória, e em meu coração, mesmo daqui a dez, vinte... cinquenta anos. Esta é uma delas. 

"- Nós estamos unidos, você e eu, e nada neste mundo me separará de você. - Sua mão ergueu-se para acariciar meus cabelos. - Lembra-se do voto de sangue que eu fiz a você quando nos casamos?

- Sim, acho que sim. 'Sangue do meu sangue, ossos dos meus ossos...'
- 'Eu lhe dou meu corpo para que sejamos um só' - concluiu ele. - Sim, e eu mantenho esse juramento, Sassenach, e você também.

Virou-me ligeiramente e sua mão fechou-se delicadamente sobre o pequeno volume no meu ventre.

- Sangue do meu sangue - murmurou ele - e ossos dos meus ossos. Você me carrega dentro de você, Claire, e não pode me abandonar, não importa o que aconteça. Você é minha, para sempre, quer queira ou não, quer me ame ou não. Minha, e eu não a deixarei partir. - Coloquei a mão sobre a dele, pressionando-a contra mim.

- Não - falei, num sussurro -, nem você pode me abandonar.

- Não - disse ele, esboçando um sorriso. - Pois tenho mantido o final do juramento também. - Segurou-me e inclinou a cabeça sobre meu ombro, para que eu pudesse sentir o hálito quente de suas palavras em meu ouvido, murmuradas na escuridão. - 'Eu lhe dou meu espírito, até o fim de nossas vidas."

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

TAG: Conhecendo a Blogueira...



Olá, gente! :)

- É o meu primeiro post desde a entrada do novo ano, não é verdade? Sim, é.rsrs... Estou lendo A Libélula no Âmbar, continuação de A Viajante do Tempo. Está sendo uma leitura bem difícil, já quase infartei algumas vezes, mas se Deus quiser sobreviverei e em breve farei a resenha do livro.rsrs... Mas este post não é para falar do quanto o livro do meu Jamie está prejudicando a minha saúde (kkkkkkk...), mas sim sobre essa tag que a querida Ana, do blog Seis Milênios, me convidou para participar. :) 

Eu adorei a tag e achei as perguntas incríveis. Mas como sofri para respondê-las!kkkkkkkk... Foram vários dias para conseguir responder todas. Já estava achando que não conseguiria terminar até o final de 2015, mas consegui e agora dividirei com vocês as minhas respostas! Espero que gostem! :D


Perguntas da Ana e minhas respostas:

1. Com qual personagem literário você mais se identifica?

Já começa muito difícil!rsrsrs... Já me identifiquei com diversos personagens.kkkkk... Não com tudo neles, mas com alguma atitude, pensamento... passado. Têm livros que possuem o poder de me impedir de fugir de certas coisas. Têm coisas que leio e vejo os personagens viverem que parece que está sendo dito ou está se passando comigo, sabe. Acontece com frequência.rsrsrs... Uma personagem com a qual lembro de me identificar foi a Whitney, de Whitney, meu Amor. Algumas coisas na infância dela e alguns comportamentos dessa mocinha que tanto admiro, fizeram eu me lembrar de mim. Da necessidade que eu própria já tive de fazer de tudo para chamar a atenção dos meus pais quado era criança.rs 

 2. Onde compra livros (loja, internet...)? 

Saraiva, Nobel, Travessa, sebos, lojas americanas... feira de livros... Onde eu encontrar!rsrs... Não tenho o hábito de comprar pela internet, não. 

3. Qual sua primeira paixão literária? 

Céus!kkkkkk... Está ficando cada vez mais complicado.rsrs... Não vou escolher um mocinho.rsrs Escolho como minha primeira paixão literária os romances, sobretudo os de banca. E contemporâneos. No início, eu não lia romances históricos (naquela época não poderia imaginar que chegaria a amar tanto tais romances!rsrsrs...) e nem livrinhos de livraria. Como minha primeira paixão literária também tem a Lynne Graham, uma autora que segue sendo muito querida por mim. Ao lado dos livrinhos dela vivi momentos lindos que jamais esquecerei. 

4. Qual o último livro que te arrepiou? 

Foi o livro A Viajante do Tempo. É uma história emocionante, que nos toca a alma e entra em nosso coração sem pedir licença. Inesquecível. E apaixonante. Mas existem certas cenas no livro, sobretudo aquelas que têm a ver com o demônio chamado Black Jack, que deve ter escapado das profundezas do inferno, que me arrepiaram, me deixaram chocada e horrorizada. 

5. Quantos anos tem seu blog? 

Ele vai fazer 5 anos em março! :D Sim. Ainda não consigo acreditar! O tempo realmente voou! 

6. Se pudesse viver no universo de algum livro, qual seria? 

Bem... Se fosse para viver no universo de algum livro eu preferia que fosse no dos contos de fadas.kkkkkkkkkkk... Mas eu amaria passar bastante tempo no mundo dos livros da Judith McNaught, Florencia Bonelli, Candace Camp, Celeste Bradley, Catherine Anderson... conhecer pessoalmente os personagens... acompanhar de perto as histórias deles. Viver nessas épocas eu não gostaria não, pois sei o quanto eram "complicadas". 

7. Faz coleção de alguma coisa relacionada ao blog (livros, marcadores, folhetos)? 

Eu coleciono livros! :D Sobretudo dos meus autores preferidos. 

8. Há algum(a) blogueir(a) com quem você se identifica muito? 

Existem blogueiras das quais eu gosto muito. E que quero que sempre estejam presentes e que quando desaparecem por algum tempo, me deixam tristes. Duas blogueiras que adoro desde que comecei a fazer parte desse mundo de blogs e livros, são a Renata Cristina, que chamo carinhosamente de Tina e a Nádia Bruna. Elas eram autoras do blog Mil Suspiros e ainda não perdi a esperança de que elas retornem. Sinto imensa falta delas. Delas, eu era bastante próxima. 

Também adoro a Ana, do Seis Milênios, que me encheu de tristeza quando se afastou por um tempo do blog e que, graças a Deus, me deu a notícia de que tinha retornado! Como eu já disse para ela, o Seis Milênios não é a mesma coisa sem sua criadora, sem aquela que o tornou o que ele é. :) Também adoro a Náh, do antigo Ler, Dormir, Comer que hoje se chama Casinha Arrumada e que continua sendo um blog incrível, onde encontro resenhas maravilhosas e posts sobre diversos assuntos interessantes. Sempre amei os textos da Náh, textos que ela própria cria e que mexem com a gente. E também já conheci muitos livros maravilhosos através das resenhas dela. A Faby, do Adoro Romances de Aracajú é outra querida, que admiro e adoro! E a Lulu, do Apaixonada por Romances, que também conheço desde que me entendo como leitora de romances e quem também adoro! 

9. Gostaria de ser escritor(a)? Por quê? 

Eu gosto muito de escrever. Sempre gostei. Bem antes de amar ler. Na época do colégio, escrevia histórias que eram interpretadas pelos meus colegas e que eram muito bem recebidas, felizmente. Eram histórias curtas, para serem contadas em no máximo quatro apresentações. Meus professores me apoiavam muito e eu tinha a segurança para escrever livremente, sem medo. Mas já não tenho mais a ousadia de quando era adolescente. E escrever histórias curtas é bem mais fácil do que escrever livros. Já escrevi um livro uma vez e de modo algum ficou como eu o queria em minha cabeça.kkkkkkkk... Já comecei a reescrevê-lo várias vezes e iniciei outras histórias, mas é muito difícil desenvolver uma história. É necessário mais do que vontade. É preciso tempo, pesquisa, coragem, apoio e, sobretudo, acreditar em si mesma. Acreditar que você é capaz disso. Eu penso que o meu maior problema é ter deixado de acreditar em mim mesma. Na minha capacidade de conseguir colocar no papel as histórias que estão em minha mente pedindo para serem contadas. Se você não acredita em si mesma, ninguém pode acreditar por você, infelizmente. 

10. Em que personagem você daria uma boa bronca? 

Bem... No momento, eu daria uma bronca no Jamie, da série Outlander.kkkkkkkk... Eu o amo com todo o meu coração, mas não é por isso que deixarei de ficar aborrecida com ele quando ele fizer algo que me irrite.rsrs

11. Se pudesse mandar uma mensagem para si mesma quando começou o blog, o que seria? 

Bem... Já se passou tanto tempo. Mas ainda lembro do que eu sentia quando criei o blog. Do quanto estava ferida e desesperada. Achando que não existia saída, que toda minha vida estava perdida, mas... ainda assim buscando refúgio, conforto nos livros. Me escondendo neles, pois era a única maneira de sobreviver naquela época. Criei o blog sem nunca imaginar que as pessoas fossem acabar encontrando-o e se interessando por ele. Era apenas um lugar para organizar os livros que eu lia e assim, ocupar um pouco mais minha mente. Tudo que conquistei através do blog... os lindos momentos, as amigas maravilhosas, as histórias que jamais imaginaria conhecer... foi tudo muito surpreendente. Inesperado. Foram lindas surpresas! 

Eu acho que eu diria para mim mesma, quando criei esse cantinho: "Tudo passa. A dor vai passar por mais que no momento pareça que não. Mas o que você conquistou através dessa dor... isso vai ficar. E quando você se lembrar desses momentos, perceberá que tudo valeu a pena. Que foi necessário você passar por isso, para que todo o resto acontecesse. Não feche seu coração. Abra-o para os livros. E para as pessoas que aparecerão em sua vida. E jamais deixe de acreditar na vida. E no amor."

11 curiosidades sobre mim:

- Sonho em ser mãe desde que era criança;
- Escrevo num diário;
- Falo dormindo (isso é o que me dizem);
- Apesar de ser minha parte preferida do dia, tenho pavor de sair de casa à noite (kkkkkk...);
- Adoro andar de calças compridas, de preferência jeans;
- Sonho com os livros que leio, quando eles são muito marcantes;
- Odeio matemática;
- Não consigo ouvir Me Duele Quererte sem chorar;
- Luis Fonsi é meu cantor preferido;
- Amo novelas mexicanas;
- A música Nada es para Siempre é minha fonte de inspiração há anos. É uma música que me emociona, acalma, inspira e me faz refletir. 

11 perguntinhas que deixo aqui para vocês responderem:

Qual o livro que mais te marcou na vida? Qual foi o motivo?
O que mais te atrai num personagem ou livro?
Qual sua editora de livros preferida? E por quê?
Qual livro você gostaria que fosse publicado e não há sequer previsão de que isso ocorra?
Segue alguma técnica na hora de escrever uma resenha? 
Costuma usar mais a razão ou a emoção na hora de resenhar? 
Qual seu autor preferido e qual você não suporta sequer ouvir o nome? Por quê?
Que tipo de livro você jamais leria?
O que você jamais perdoaria num personagem?
Além dos livros, quais suas outras paixões?
O que mais odeia e o que mais ama na vida? 

Eu deixo as perguntinhas livres para quem sentir vontade de responder. :) Também podem optar por responder as perguntas da Ana (as que eu respondi) ou ambas.:D

domingo, 28 de dezembro de 2014

Retrospectiva 2014




- Olá, queridos! :D

- É... Mais um ano está chegando ao fim... Um ano que eu espero que tenha sido maravilhoso e de muitas leituras para todos vocês! :) 

Sei que mais uma vez estive bastante ausente. Que não tenho tido pelo Emoções à Flor da Pele a mesma dedicação de antes. Não porque o ame menos... longe disso! Mas sim porque cada vez minha vida fica mais complicada, com mais obrigações, entre outras coisas. Tenho como uma das minhas metas para 2015 (nunca consigo ficar sem fazer listas e mais listas de promessas que faço para mim mesma!kkkkkkk...), cuidar mais desse meu cantinho tão especial, ler mais livros, assistir filmes que quero muito ver, terminar de assistir algumas séries queridas e novelas que tive o privilégio de começar a acompanhar este ano. E dividir todos esses momentos com vocês. Espero conseguir. Irei me esforçar muito para estar mais presente, pois eu também sinto imensa falta de todos os momentos que eu passava aqui... eu quase não saía do blog.rsrs... Quero esses momentos de volta. Necessito tê-los de volta

- 2014 foi um ano de pouquíssimas leituras. Por diversos motivos e não apenas falta de tempo, infelizmente. Consegui ler apenas 26 livros. Algo que me deixou muito triste, porque além de ter lido poucos livros, foram raros aqueles que realmente me marcaram. :( Que eu posso dizer que serão inesquecíveis, que permanecerão na minha memória e no meu coração para sempre. E eu nem sequer li nenhuma história de duas autoras que amo demais: Florencia Bonelli e Candace Camp. Sim. Verdade! Também estou chocada com isso.rsrs Mas não tem problema! 2015 terá dias suficientes para eu corrigir isso. Pretendo matar a saudade que sinto de muitos autores especiais. Será um ano de fortíssimas emoções no que se refere aos livros.kkkk... Tenho certeza que lenços não darão conta das minhas lágrimas. Mas mal posso esperar por esses momentos! Suspiros...

E que tal eu começar a falar dos melhores livros que li este ano? Desta vez não serão 12 livros como sempre é. Não. Este ano falarei apenas dos 10 melhores livros que li. Li outras histórias queridas, histórias que ganharam cinco estrelas. Mas somente estas 10 entraram para a lista. Em ordem decrescente:

     Em 10º lugar... 


"- De que maneira eu o atingi?
- De todas as maneiras que uma mulher pode atingir um homem. Primeiro no meu corpo, depois na mente e, finalmente, em meu coração"

- Das seis histórias que li da autora este ano, apenas esta mereceu um lugar na lista dos melhores.rs E sequer posso dizer que as outras cinco são queridas. Dentre elas, apenas mais uma posso dizer que amei. Desafio do Amor, que possui uma história deliciosa e apaixonante. Não tanto como Votos Forçados, mas chega perto. 

Este livro entrou para a lista porque além da história em si ter me cativado desde o princípio, eu simplesmente amei os protagonistas. O Navarre, que foi aprendendo aos poucos o que realmente importava na vida. E a Tawny, que com seu humor contagiante, sua teimosia e sua garra, mostrou ao Navarre que não iria ser seu tapete. E que se ele a quisesse realmente, teria que correr atrás e pedir perdão com todas as letras. Para mim, este casal é muito fofo. E sempre será especial. 


Em 9º lugar...


 - E adoro crianças - ela acrescentou, penosamente. As lágrimas invadiram seus olhos e teve dificuldade em vê-lo.
Com os olhos fixos nos dela, Noah abaixou-se e puxou a colcha da cama, num movimento rápido.
- Você não quer filhos...
Ele abriu o primeiro botão da camisa.
- E eu acabaria querendo ter um filho seu.
Ele abriu o botão seguinte..."

- O momento mais difícil não é nem escolher quais livros farão parte das lista. Mas sim em que lugar eles estarão.kkkkkkk... Eu não queria colocar certos livros em 9º, 8º ou 7º lugar. Só que, infelizmente, cada livro necessita ocupar um espaço entre os 10. Não dá para colocar todos em primeiro ou segundo lugar. Uma pena, eu sei. 

Sussurros na Noite foi um dos meus livros mais queridos. Um livro que não tinha como me decepcionar porque a autora dele é nada mais nada menos do que a minha querida Judith McNaught, alguém que nunca escreve um livro sem emoção, sem romantismo, sem aquele gostinho que só as histórias dela têm. Ela não consegue escrever uma história sem romance. Nem se tentasse!rsrs... E apesar deste livro ser um tanto diferente das outras histórias dela com as quais estou acostumada, foi impossível não amá-lo, não sorrir, gargalhar ou me emocionar com ele. Eu quis mais. Muito mais. Só que cada momento que tive, que a JM me permitiu ter, cada instante que passei com esta história valeu a pena. Foram momentos maravilhosos.


Em 8º lugar...


“Ele ficou imóvel por vários minutos. O único som que se ouvia era o da respiração dele tentando vencer as emoções. Por fim, quando Daphne já começava a temer que o tivesse perdido, ele a encarou com uma expressão totalmente arrasada.
- Eu quero ser feliz – murmurou.
- Você vai ser – prometeu ela, passando os braços ao redor dele. – Você vai ser.”


- É impossível conhecer essa autora e não se apaixonar por suas histórias. Julia Quinn já conseguiu uma passagem só de ida para a lista dos meus autores mais amados entre todos os autores!rsrsrs... As histórias dela têm um romantismo todo especial... um sentimento que forma em nossa mente a palavra puro. Eu sempre consigo enxergar entre os casais algo verdadeiro, forte, um amor que surge sem explicação. Como se fossem almas gêmeas. Sei. É piegas.kkkkkkk... Mas é o que vejo. Em todas as três histórias que li dela. 

Simon e Daphne tornaram-se inesquecíveis para mim. E nunca poderei superar o impacto que a história de vida do Simon provocou. Se tinha alguém que merecia ser feliz, esse alguém era ele. Mas a felicidade fugiu de sua vida por muito... muito tempo.


Em 7º lugar...


"Rasgada ao meio é uma outra palavra que pode expressar, um pouco, a situação em que eu me encontrava. Eu estava congelada por fora, fazendo um bom papel diante da família, mas emocionalmente não tinha mais por onde sangrar."

- Fernanda Brum sempre foi uma fonte de inspiração na minha vida. E de calma. Suas canções estiveram presentes nos momentos em que mais precisei. E sempre tinham algo a me dizer. Pareciam falar exatamente aquilo que eu precisava dizer a Deus e não conseguia. Agora, além de suas músicas, sua história de vida, de perdas e conquistas também me inspira. Ela é uma guerreira que eu admiro muito. E que muito me ensinou através deste livro. Nunca o esquecerei. 


Em 6º lugar...


“Seria possível apaixonar-se pela mesma pessoa sempre, todos os dias?”

“Ele inclinou-se para mais perto dela, deixando que o hálito quente roçasse sua bochecha.
Ela estremeceu. Ele sabia que isso aconteceria.
Sorriu com malícia e completou:
- Poucas coisas me agradam mais que um desafio.”

- Sim. Mais um livro da Julia Quinn! E ainda não acabou!kkkkk... Divertida, linda em sua simplicidade, romântica e apaixonante, é uma história que invade nossa vida e torna tudo mais leve. Ainda me lembro com clareza dos momentos divertidos e maravilhosos que passei ao lado do livro. Do quanto gargalhei com certas cenas e da forma como me entristeceu saber que ela teria que chegar ao seu final.rsrsrs... Há livros que deveriam durar para sempre...


Em 5º lugar...


"Zack respirou fortemente e permaneceu em silêncio por um momento tão longo que Julie pensou que ele não responderia. E quando por fim ele respondeu, foi como se arrancasse as palavras do peito.
— Nunca... jamais deixe de me amar."

- O que dizer desta história? Suspiros... Uma das mais lindas que li não só neste ano, mas na vida! Apesar da Julie, a história por si só é maravilhosa e com o Zack como protagonista não poderia ser outra coisa que não seja... perfeita. Sigo acreditando que o meu mocinho querido merecia alguém melhor, mas se ele só podia ser feliz ao lado dela... não posso fazer outra coisa senão aceitar. Infelizmente. 


Em 4º lugar...


“Esta é a minha punição. Este é o meu inferno.”

"Ao final, todos ficavam sozinhos. Cada pessoa tinha de morrer a própria morte."

- Já sentiu como se estivesse sufocando? Como se algo dentro de você estivesse impedindo o ar de entrar? É o que sinto quando lembro desta história. Aflição. Dor. Desespero e o sentimento de que tudo foi injusto. A história é totalmente digna de estar entre as melhores porque o SS construiu uma história incrível, que nos prende mesmo quando tudo que desejamos é fugir da carga emocional e da quantidade de tragédias que ocorrem nela. É uma história muito bem construída. Viciante. Impossível de abandonar ou esquecer. Só que nos deixa um gosto muito amargo na boca. 


Em 3º lugar...


"Eu quero... - A voz dele virou um sussurro, e seus olhos pareceram vagamente surpresos, como se ele não conseguisse acreditar nas próprias palavras. - Eu quero o seu futuro. Cada pedacinho seu."

- O que está vendo? - indagou.
Sophie tropeçou, mas não tirou os olhos dos dele em nenhum momento.
- Minha alma - sussurrou. - Estou vendo minha alma."


- Sim! Todos os livros que li da Julia Quinn ganharam um lugarzinho especial na lista dos melhores!rsrs... E Um Perfeito Cavalheiro é o meu preferido. A história é inspirada no meu conto de fadas mais amado e me fez viajar para um mundo mágico durante a leitura. Me senti realmente dentro do livro, acompanhando de perto a história de amor entre a Sophie e o Benedict, um casal que se completava. Duas pessoas que tinham nascido realmente uma para a outra. Não importava quantas vidas existiriam para eles... em todas elas, eu sei, que eles se reencontrariam e se amariam. Não importaria o quanto ela fosse diferente fisicamente nessas vidas. Ele a amaria sempre. Porque um coração estava conectado ao outro. Suas almas estavam unidas. E no fundo se transformavam numa só...


Em 2º lugar...


"- Eu mesmo posso suportar a dor - disse ele suavemente -, mas não aguentaria vê-la sofrer. Está acima das minhas forças."

"- Queria que você pudesse me acalmar, Sassenach, é o que desejo fervorosamente, pois tenho pouca paz em mim agora." 

- Não há um só instante em que eu lembre deste livro sem que meus olhos se encham de lágrimas. Uma emoção muito forte toma conta de mim e tenho que fazer um esforço enorme para não cair em prantos. Passei por muita coisa ao lado da Claire e do Jamie. Vivi muitos momentos impossíveis de esquecer. Momentos lindos... e outros dolorosos. Ninguém pode seguir sendo a mesma pessoa depois de ler esta história. Algo dentro de nós se transforma. Existe a pessoa de antes de A Viajante do Tempo e a pessoa de depois. Enfim... Eu quero muito que esse meu casal tão especial, tão precioso e tão amado seja feliz. Necessito ver o felizes para sempre deles. Eles merecem. Porque o amor deles... é único. E vai além de qualquer tempo. De qualquer época. Qualquer barreira ou sofrimento. É um amor capaz de enfrentar e superar qualquer coisa. Não importa o que seja

Estou me preparando emocionalmente para ler a continuação da história deles. Sei que vou chorar. E muito. 


Em 1º lugar...


“ – Estou apaixonado por você – ele disse, baixinho.
- Augustus – falei.
- Eu estou – ele disse, me encarando, e pude ver os cantos dos seus olhos se enrugando. – Estou apaixonado por você e não quero me negar o simples prazer de compartilhar algo verdadeiro. Estou apaixonado por você, e sei que o amor é um grito no vácuo, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim, e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó, e sei que o sol vai engolir a única Terra que podemos chamar de nossa, e eu estou apaixonado por você.”

-  "Respira fundo, Luna. Respira fundo várias vezes." Bem... Não existia maneira deste livro não ocupar o primeiro lugar. Eu aprendi muito com esta história. Eu senti cada instante. Ia do riso às lágrimas em questão de segundos. E das lágrimas ao riso novamente. Augustus e Hazel sempre serão preciosos para mim. Sempre terão um lugar muito especial na minha vida. Penso que não importa quantos anos irão passar. Dez. Vinte. Cinquenta... Sempre me lembrarei deles com uma saudade enorme. E sorrirei ao pensar nos bons momentos. E novamente irei chorar ao pensar no quanto a vida pode ser cruel. Para mim, esses dois guerreiros, que possuem uma coragem que eu jamais conseguiria ter, são eternos. 

“ – Esse é o problema da dor – o Augustus disse, e aí olhou para mim. – Ela precisa ser sentida.”



Todos os livros que li este ano:

Um Homem Perigoso - Penny Jordan
O Príncipe do Deserto - Iris Johansen
Vingança da Maré - Elizabeth Haynes
Noiva da Traição - Blythe Gifford
Um Homem Muito Sensual - Helen Bianchin
O Duque e Eu - Julia Quinn
A Culpa é das Estrelas - John Green
Coração Rebelde - Lynne Graham
Desafio do Amor - Lynne Graham
Promessa Honrada - Lynne Graham
Cilada - Harlan Coben
A Ira dos Anjos - Sidney Sheldon
O Visconde que Me Amava - Julia Quinn
Florbela Espanca - Zinca C. Bellodi
Cinderela por uma Noite - Susan Mallery
Desejo de Vingança - Lynne Graham
Tua Esposa, Teu Destino - Penny Jordan
Um Marido... E um Bebê? - Penny Jordan
A Viajante do Tempo - Diana Gabaldon
O Preço de uma Dívida - Linda Howard
Sussurros na Noite - Judith McNaught
E Foi Assim... - Fernanda Brum
Acordo no Altar - Lynne Graham
Votos Forçados - Lynne Graham
Tudo por Amor - Judith McNaught
Um Perfeito Cavalheiro - Julia Quinn


Todos os filmes que vi:

Amanhecer - Parte 1
Amanhecer - Parte 2
Caçadores de Mentes
A Noviça Rebelde
Os Delírios de Consumo de Becky Bloom
Desejo e Reparação (um filme marcante)
Desmundo
Barbie, em a Princesa e a Plebeia (sim!!! Adoro esses filmes!kkkkkkkkk...)
O Nome da Rosa
A Pequena Sereia (nem me fale!kkkkkk...)
Como Perder Um Homem em 10 Dias
A Rosa Negra
A Inquilina (esperava mais deste filme)
Morando com o Inimigo 
A Culpa é das Estrelas (lindo, lindo!!! Amei!!)
A Clínica (e pensar que existem coisas assim na vida real...)
Instinto Secreto
Os Segredos da Cabana
Força Aérea 1
Uma Garota Encantada
Encantada
Amigo Imaginário
Risco Duplo
A Última Casa
Teoria da Conspiração
Para Sempre Cinderela (já perdi a conta de quantas vezes vi este filme!rsrsrs...)
O Príncipe e Eu (Doce, romântico, divertido... simplesmente maravilhoso!)
Malévola
Mulher-Gato

Todas as séries que consegui ver:

Lei e Ordem: SVU - 2ª e 3ª temporadas (comecei a rever a série desde o princípio)
Gossip Girl - 4ª, 5ª e 6ª temporadas
Se Houver Amanhã
Outlander (todos os oito episódios que foram exibidos. A série continua ano que vem)
Once Upon a Time - 1ª e 2ª temporadas

Novelas que comecei a acompanhar este ano:

Sortilégio (39/95 capítulos)
Lo Que la Vida me Robó (106/197 capítulos)
Acorralada (14/187 capítulos)

Todas as três novelas são simplesmente lindas! Apaixonantes! Embora Lo Que la Vida me Robó seja minha preferida. :) 

Obs.: listas sujeitadas à alterações. Se eu conseguir assistir mais algum capítulo/filme ou ler mais algum livro este ano, acrescentarei.




Feliz Ano Novo, meus queridos! :D 

Que 2015 seja um ano maravilhoso para todos nós. Que possamos sonhar e conquistar. Ser feliz, amar, valorizar o que mais importa. Estarmos perto daqueles que nos são especiais. Que venhamos a concluir projetos que começamos nos anos anteriores. E iniciar planos novos. Que seja um ano de luz! Que venhamos a aproveitar cada instante desse ano que está prestes a começar... Que vivamos! E que jamais deixemos a criança que ainda carregamos dentro de nós, para trás. 

Felicidades!!! E muito amor!!!!!!!!

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Um Perfeito Cavalheiro - Julia Quinn

(Título Original: An Offer from a Gentleman
Tradutora: Cássia Zanon
Editora: Arqueiro
Edição de: 2014)


Série Os Bridgertons 3/8

Sophie sempre quis ir a um evento da sociedade londrina. Mas esse parece um sonho impossível. Apesar de ser filha de um conde, ela é fruto de uma relação ilegítima e foi relegada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai morreu.

Uma noite, porém, ela consegue entrar às escondidas no aguardado baile de máscaras de Lady Bridgerton. Lá, conhece o charmoso Benedict, filho da anfitriã, e se sente parte da realeza. No mesmo instante, uma faísca se acende entre eles. 

Infelizmente, o encantamento tem hora para acabar. À meia-noite, Sophie tem que sair correndo da festa e não revela sua identidade a Benedict. No dia  seguinte, enquanto ele procura sua dama misteriosa por toda a cidade, Sophie é expulsa de casa pela madrasta e precisa deixar Londres.

O destino faz com que os dois só se reencontrem três anos depois. Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece nos trajes de criada. No entanto, logo se apaixona por ela de novo. [...]

Agora os dois precisarão lutar contra o que sentem um pelo outro ou reconsiderar as próprias crenças para terem a chance de viver um amor de conto de fadas.


Palavras de uma leitora...


Os sonhos, às vezes, podem simplesmente se realizar...


- Sophie não conseguia se recordar de um único momento de sua vida em que tenha sido amada. Mas podia lembrar-se com clareza de quantas vezes sonhara em ser querida por alguém, sobretudo por um pai que jamais a reconheceu e preferia passar a maior parte do tempo ignorando a sua existência. 

Ela havia sido deixada na casa do pai quando tinha apenas três anos e, embora ele não a tivesse jogado na rua, nunca fora ou quisera ser um pai para ela. Desde muito nova ela conseguiu perceber que era filha daquele homem, mas nem quando estavam a sós, podia chamá-lo de pai ou sentir o calor de seus braços, ouvi-lo contar uma história antes dela dormir ou simplesmente dizer que a amava e sentia muito por ela ter nascido fora dos laços matrimoniais e ter que carregar o estigma de ser uma filha ilegítima. Nunca, jamais, ele lhe demonstrara qualquer carinho. Tudo que ela podia ver nele era um senso de responsabilidade que o forçara a inventar que ela era sua pupila e prover sua educação e sustento. 

Sophie tentava fingir que não se importava, mas, aos dez anos de idade, mal conseguiu conter a esperança e a alegria ao saber que seu pai se casaria e que, com a nova esposa, também viriam duas crianças. Em seu coração ela não pôde sufocar o desejo de finalmente ter uma família, uma mãe que a amasse, irmãs com quem pudesse brincar e, talvez, até mesmo um pai, já que se casando ele passaria mais tempo presente. Mas todas as suas esperanças foram cruelmente destruídas poucas horas depois, quando sua madrasta deixara mais do que claro que nunca seria uma mãe para ela e que a considerava pouco menos que um lixo. 

Com a morte do pai, quatro anos depois, a vida dela se tornara um inferno ainda pior, pois ela rapidamente deixou de ser a pupila do pai e passara a ser uma criada na casa de sua madrasta, que não perdia uma única oportunidade de humilhá-la e tentar apagar o brilho que ainda existia nos olhos de Sophie, por mias tênue que fosse. 

Com o coração em pedaços e a alma profundamente ferida por todos os golpes que recebera ao longo de sua infância, tudo que Sophie queria era deixar de sonhar, já que isso nunca a levara a lugar algum, exceto, é claro, às lágrimas. Mas, quando o baile mais esperado e cobiçado é anunciado, ela percebe, de repente, que os sonhos podem sim se realizar... nem que seja por uma noite

"Estava tão errada em querer uma noite apenas de magia e amor?"

Quando desejara com todo o seu coração poder ir àquele baile de máscaras, Sophie nunca imaginara que isso pudesse ser possível. Afinal de contas, ela era uma criada. E ainda que não o fosse, nunca seria aceita num ambiente como aquele, pois a sua ilegitimidade não era algo que a sociedade de bem estivesse disposta a perdoar. 

Mas quando a governanta da casa, juntamente com vários criados, conseguira para ela o mais perfeito vestido e, em poucos minutos, a transformara na princesa de conto de fadas que ela sempre ansiara ser, Sophie não pôde fazer outra coisa senão sorrir e sonhar... apenas mais uma vez. Por uma única noite.  

"Por algumas horas, pelo menos, Sophie poderia fingir que era possível que aquele cavalheiro fosse dela e que, daquele momento em diante, sua vida seria modificada para sempre. 

Não passava de um sonho, mas fazia muito tempo que ela se permitira sonhar pela última vez."

Ao chegar àquele baile, Sophie não sabia o que o destino lhe reservava... tudo que ela sabia é que, fosse o que fosse, ela aproveitaria a sua oportunidade. Aquela noite era dela. E era mágica. Ela podia sentir a magia em cada canto daquela casa, ainda mais intensa ao olhar para ele pela primeira vez... Ao ouvir sua voz. Ao vê-lo sorrir para ela como se ela fosse única. Especial. Sua. Para sempre. 

"- Venha - disse ele. - Dance comigo.
Ela deu um passo para a frente e ele soube que sua vida havia sido mudada para sempre."


Benedict fugia do casamento como o diabo foge da cruz. Não que ele tivesse algo contra os laços matrimoniais. Longe disso. Sua infância e o casamento de dois de seus irmãos eram provas mais do que suficiente de que era possível ser feliz ao lado de uma outra pessoa. Não era disso que ele tinha medo. Não era de dividir sua vida com alguém, ou estar "preso". Na verdade, não era sequer medo o que o fazia fugir, mas sim a necessidade de se casar por amor, por mais tolo que aquilo pudesse parecer. Mas ele apenas não podia se contentar com algo menos do que alguém que o completasse, que o fizesse sentir aquela alegria tão mágica que seus pais sentiram e que seus irmãos também sentiam. Ele queria ser feliz. Completo. Amado. E enquanto não encontrasse a mulher da sua vida, não se casaria. Ainda que para isso ele necessitasse fugir da própria mãe. 

"[...] a curiosidade foi mais forte e ele se virou. Nesse momento, viu uma mulher que devia ser a mais espetacular de todas em que já pousara os olhos.[...]

A beleza dela vinha de dentro.
Ela brilhava. Cintilava.
Era absolutamente radiante, e Benedict de repente se deu conta de que era porque parecia... feliz. Feliz por estar onde estava, feliz por ser quem era. 
Feliz de uma forma que Benedict não conseguia se lembrar de ter sido. [...]

Ao vê-la pela primeira vez, Benedict soube o que era se sentir perdido e ao mesmo tempo saber que finalmente se achara. Soube o que era sentir como se pelo seu mundo houvesse passado um furacão... e ao mesmo tempo sentir que tudo finalmente estava onde devia estar. Soube o que era sentir que... tudo parecia certo. Perfeito. E que aquela mulher tinha nascido para ele. Assim como ele nascera para ela. Era piegas? Talvez. Ridículo? Com certeza. Mas ele queria ser ridículo ao lado dela, para sempre. Porque o que ele não suportaria seria uma vida sem ela...

" - Esta noite eu estou transformada - sussurrou ela. - Amanhã, eu desaparecerei. 
Benedict a puxou para perto e deu um beijo breve e suave na sobrancelha dela. 
- Então teremos que fazer uma vida inteira caber nesta noite."

Ainda que sentisse em seu coração que ela lhe escaparia... que tinha aparecido em sua vida apenas para partir logo depois de roubar seu coração... ele não pôde deixar de sonhar. E acreditar que poderia tornar aquela noite eterna. Fazê-la durar por toda a sua vida. Só queria senti-la em seus braços. Dançar com ela, abraçá-la... apenas tê-la ali. Sua simples presença o fazia sentir-se vivo. Será que era pedir demais que a noite nunca acabasse? 

"E, o tempo todo, seus olhos permaneceram presos aos dele.
- O que está sentindo? - quis saber Benedict.
- Tudo! - retrucou ela, com uma risada.
- E o que está ouvindo?
- A música - Sophie arregalou os olhos de empolgação. - Estou escutando a música de uma forma que nunca tinha experimentado antes.
Ele puxou-a mais um pouco e o espaço entre os dois diminuiu vários centímetros. 
- O que está vendo? - indagou.
Sophie tropeçou, mas não tirou os olhos dos dele em nenhum momento.
- Minha alma - sussurrou. - Estou vendo minha alma."

Mas a noite chegou ao seu fim. E, à meia-noite, ela partiu. Levando com ela o seu coração. E o deixando mais só como ele jamais se sentira em toda a sua vida. Mas nem mesmo o passar dos anos foi capaz de apagar as lembranças dos momentos que passaram juntos... e nem destruir sua esperança de um dia voltar a vê-la. Porque ele sabia que esse momento chegaria... e jamais se casaria com uma mulher que não fosse ela. Ainda que sua mente não registrasse tal decisão, seu coração já sabia

"- Acho que vou beijá-la - murmurou ele.
- Acha?
- Acho que preciso beijá-la - acrescentou Benedict, parecendo não acreditar direito nas próprias palavras. - É como respirar. Não há muita escolha."

"Ele tocou o queixo dela.
- Deixe-me ser o seu leme."

- Será que eu ainda sou capaz de falar? Pensar? Fazer qualquer coisa que não seja sentir e respirar esta história? Faz várias horas que terminei a leitura deste livro, mas ainda sinto, vivo e respiro cada momento como se ainda o estivesse lendo... como se fizesse parte dele. Não quero que este sentimento passe. Quero que permaneça para sempre. Me impossibilita de fazer qualquer outra cosia, mas é um sentimento delicioso... mágico. Muito mais do que único. É algo que me arrebata e me faz sorrir ao mesmo tempo que sinto as lágrimas escorrerem. Lágrimas de puro amor por esta história. Lágrimas de pura felicidade por ter tido o privilégio de conhecer a Sophie e o Benedict, a história deles e este amor que eu pude sentir ao virar de cada página... ao presenciar uma simples troca de olhar. Um sorriso. Um leve beijo. Um abraço. Não houve um só instante, em que eu não pudesse até mesmo tocar no amor que eles sentiam. Sim. A magia presente nesta história é tão especial que eu pude realmente sentir que estava lá... eu pude vê-los... e sentir que aquele amor era tão grande ao ponto de ser palpável. Talvez eu esteja um tanto louca. Mas estou simplesmente amando cada instante de loucura. Suspiros...

"Ele a amava. Não sabia como acontecera, só que era verdade."

- Não sei nem por onde começar... E não creio que pelo início seria suficiente. Nem pela metade, ou pelo fim. Nem mesmo pelo felizes para sempre que existe em todos os contos de fadas. Simplesmente não há como começar. Ou o que dizer. Nunca brinco quando digo que não importa o que eu fale sobre um livro especial, jamais conseguirei expressar nem sequer um pedacinho de tudo que sinto, de tudo que a história representa. Sempre falo isso com toda sinceridade. Porque é simplesmente impossível colocar em palavras tanta... magia. É algo que apenas podemos sentir. Nada mais. 

- Será que alguém aqui sabe o quanto eu amo os contos de fadas? Não?! Pois bem. Eu sou simplesmente apaixonada por aqueles contos que nós ouvimos quando crianças! E não tenho a mais leve vergonha de admitir isso. São surreais? Fantasias? Ilusões? Sim. Eu sei de tudo isso. Mas a realidade eu já vejo no dia a dia. E até mesmo quando leio livros como No Escuro, Identidade Roubada, Confie em Mim, Não Conte a Ninguém, etc, etc, etc... Vejo a realidade clara, ou melhor obscura, ao ler estas histórias. E, sinceramente, em muitos momentos eu não quero a realidade. Quero a fantasia. A ilusão de ler uma linda história de amor. Com todo aquele sentimento, e magia, tão típicos dos contos que eu tantas vezes li e assisti em filmes quando criança. Não é à toa que a série Once Upon a Time ganhou meu coração. E não é à toa também que eu sempre fico com os olhos grudados na TV quando tenho a oportunidade de assistir um filme inspirado nessas histórias. Eu as amo. Demais. Mas não há conto que eu ame mais do que o da Cinderela. Não sei explicar meus motivos. Simplesmente é a história que sempre me fascinou. Aquela mais querida, sabe. Por esse motivo, fiquei mais do que louca para ler Um Perfeito Cavalheiro. Uma história inspirada no conto da Cinderela. Escrita pela Julia Quinn. Não necessito dizer mais nada!rsrs...

"Ele não precisava sequer vê-la ou ouvir sua voz, ou mesmo sentir seu perfume. Só precisava saber que ela estava lá."

- Amar esse casal foi fácil. Natural. Creio que os amei desde o princípio. Os dois simplesmente invadiram meu coração e decidiram ficar. Sophie era a menina que eu quis proteger e por quem eu sentia as lágrimas arderem em meus olhos. A vida dela era tão terrível, tão dolorosa que em nenhum momento eu pude ficar indiferente. Vê-la sonhar com uma mãe, com um pai... com a família que qualquer criança deseja e merece ter, partiu meu coração em vários pedaços. Porque eu sabia que ela não teria isso. Eu sabia que ela seria desprezada e maltratada dentro de sua própria casa. Eu só não sabia que o ódio que eu sentiria pela madrasta dela seria tão intenso. Em muitos momentos eu me peguei lhe desejando uma morte bem lenta e dolorosa... o mais dolorosa possível. Não existia um pingo de instinto maternal dentro daquela víbora. Ela era a maldade em pessoa. Alguém que eu diria que sequer possuía um coração. Em suas veias com certeza não corria sangue. Na minha opinião, ela era uma vilã perfeita. E por isso com passagem só de ida para os quintos de todos os infernos! Eu quis arrancar a Sophie daquela casa, de um ambiente tão cruel e carente de amor. Vê-la sofrer realmente me doeu muito e me senti aliviada no momento em que a bruxa a expulsou de casa. Qualquer lugar, seria melhor do que aquele. E eu sabia, é claro (risos), que ela logo, logo, reencontraria o seu príncipe, digo, Benedict.rsrs...

"- Eu posso viver com você me odiando - disse ele em direção à porta fechada. - Só não posso viver sem você."

- Amar o Benedict também foi fácil... e inevitável. Mas no caso dele, eu tinha reservas. Muitas reservas! Eu já conhecia a história, de certa maneira. Não só por ela ser inspirada no conto da Cinderela, mas também porque uma amiga muito querida já tinha lido o livro e compartilhado seus sentimentos por ele comigo. Nós duas costumamos ter o gosto muito parecido quando se trata dos mocinhos das histórias que lemos. É muito, muito raro não pensarmos parecido sobre um mocinho. Só no que se refere às mocinhas, é que certas vezes discordarmos.rs Então, quando ela me falou sobre o que sentiu pelo Benedict, eu tive quase certeza que o odiaria. Pois se eu o visse como ela viu, eu o desprezaria com todas as minhas forças. Ela não chegou a odiá-lo. Apenas ficou muito decepcionada com ele e não conseguiu aceitar certas atitudes dele. Mas eu... se o visse como ela viu, simplesmente o odiaria. Por ele destruir meu conto preferido, por não ser digno de ser mocinho de uma história assim. Eu comecei a leitura disposta a odiá-lo... mais do que preparada para isso. Mas li o início... e ali, ele já havia me conquistado. Completa e irremediavelmente. Por mais que as reservas tenham permanecido e eu ficasse esperando que ele me decepcionasse, bem no fundo do meu coração eu já sabia que isso não aconteceria...

"Eu quero... - A voz dele virou um sussurro, e seus olhos pareceram vagamente surpresos, como se ele não conseguisse acreditar nas próprias palavras. - Eu quero o seu futuro. Cada pedacinho seu."

- Eu acredito que se eu tivesse lido esta história num momento diferente (não durante a época do Natal. Sensibilizada, contagiada por esse momento), talvez tivesse sentido raiva do Benedict por algumas coisas. Raiva sim, ódio nunca. Nada disso aconteceu durante a leitura. Não houve um só instante em que eu tenha sentido sequer raiva dele. Eu compreendi cada um dos seus pensamentos e atitudes. Ele comete erros? Claro que sim. Como todos nós. Como qualquer ser humano. Só que mais do que errar, ele sabia se arrepender de seus erros e tentar ser melhor. Não por ele mesmo. Não por sua consciência. Mas... por ela. Pela mulher que ele amava. Pela mulher para a qual ele tinha nascido. Vê-lo tentando acertar, vê-lo lutando contra a vida para a qual tinha sido educado, vendo-o disposto a romper com o que conhecia e mergulhar numa vida que seria cruel com ele também, me tocou profundamente. Me emocionou demais. Eu vi verdade no Benedict. Desde quando ele a viu pela primeira vez. Ele passou pouco tempo com ela. Menos de duas horas. Mas ele não foi o único a sentir que era como se eles sempre se conhecessem. Como se sempre tivessem feito parte um da vida do outro. Eu percebi isso. E pude entender perfeitamente o seu desespero para reencontrar a sua dama misteriosa. Alguém que ele sequer sabia como se chamava. Alguém que ele não tinha sequer visto o rosto por completo. Sim. Era um baile de máscaras e ela estava usando uma meia máscara que não o deixava sequer saber a cor dos seus olhos. Além da iluminação dificultar tudo, a própria máscara o impedia de enxergar o rosto da mulher que mexera com seu coração. Da sua mulher. E, sinceramente, isso foi ainda mais lindo para mim. Ele não se apaixonou por sua beleza. Ele se apaixonou por ela. Pela pessoa que ele sentiu antes mesmo de ver. Pela mulher que ele conheceu antes de conhecer, entendem? E depois... quando a reencontra dois anos depois (não três como a sinopse diz e sim dois), ele se apaixona por ela de novo. Sem saber quem ela era. Quando tudo o que sabia sobre ela era que ela era uma criada e, por esse motivo, proibida, inalcançável. Inadequada. Só que o coração não liga a mínima para esses detalhes, para obstáculo algum.rs... E de repente, ele se viu dividido. Entre Sophie e a dama misteriosa. Entre a criada e a mulher do baile de máscaras. Ele se apaixona por ela duas vezes. Quando ela é as duas coisas. Perdi a conta de quantas vezes eu suspirei e sorri como uma boba por causa disso. Do fato de ele sempre tê-la amado. Independente de quem ela fosse. Quando percebeu que a amava, gente.... Ele passou por um momento muito doloroso, que nós só conhecemos mais profundamente depois. Ele soube que teria que fazer uma escolha. Sophie... ou a mulher do baile? Sabia que não podia ter as duas, e o deixava muito confuso amar duas mulheres quando ele sempre acreditara que só existia um alguém que completasse uma outra pessoa.rsrs... O Benedict é simplesmente perfeito! Lindo, maravilhoso, terno e dedicado como poucos mocinhos. É uma espécie ameaçada de extinção.kkkkkkkkkk.... 

Enfim... Para mim, os erros dele apenas completaram a história. Porque lhe deram a chance de tentar consertá-los. E até mesmo de se colocar no lugar dela e sentir o que ela sentia. E me permitiu acompanhar tudo isso. Foi lindo. Foi impressionante... único. Eu queria recomeçar a leitura toda de novo. Reviver tudo. Cada momento. E estou pensando seriamente em fazer isso ainda este ano.kkkkkkkkk... 

- Esta história é mais do que digna de cinco estrelas. Na verdade, cinco estrelas é pouco. Totalmente insuficiente. Além da história em si ser incrível e completa, com protagonistas maravilhosos, também possui coadjuvantes inesquecíveis, como a mãe do Benedict, por exemplo, que neste livro, mais do que nos outros dois, nos mostrou seu interior, a pessoa maravilhosa que é e que merecia seu próprio livro. Eu iria amar se a Julia Quinn voltasse ao passado da família Bridgerton e escrevesse a história da Violet e do marido. Eles mereciam sua própria história. 

"Precisava senti-la, garantir a si mesmo que ela estava ali, que sempre estaria ali. Com ele, a seu lado, até que a morte os separasse. Era estranho, mas ele foi tomado por uma forte compulsão de abraçá-la... só abraçá-la."

Uma música que eu acho simplesmente perfeita para esta história. :)




Os Bridgertons

1- O Duque e Eu (Daphne e Simon)
2- O Visconde que me Amava (Anthony e Kate)
3- Um Perfeito Cavalheiro (Benedict e Sophie)
4- Os Segredos de Colin Bridgerton
5- Para Sir Philip, com Amor
6- O Conde Enfeitiçado
7- Um Beijo Inesquecível
8- A Caminho do Altar

Obs.: Os títulos dos livros ainda não publicados no Brasil (eu creio que do 5º ao 8º) são provisórios.