O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Noiva Inadequada - Lynne Graham

(Título Original: Leonetti's Housekeeper Bride
Tradutora: Tina TJ Gouveia
Editora: Harlequin
Edição de: 2016)

Esposa inocente...

O magnata Gaetano Leonetti está sob forte pressão. Até que se case, seu avô não permitirá que ele se torne CEO do império da família. Convencido de que o patriarca enlouquecera, Gaetano está determinado a fazê-lo mudar de ideia, e convence a governanta Poppy Arnold a ser sua noiva de conveniência. Com sua natureza enérgica e estilo incomum, Gaetano sabe que ela não é o tipo de esposa que seu avô tinha em mente. Porém, a dedicada e generosa Poppy acaba conquistando a todos… inclusive a Gaetano. Agora, tudo o que ele consegue pensar é em possuí-la por completo!



Palavras de uma leitora...



- Sabe quando você não simpatiza com um mocinho? Você tenta. Muito. Mas acaba por perceber que o problema está todo nele. O que aumenta ainda mais sua irritação. 

" - Não me envolvo com a criadagem - dissera ele, enfatizando o fato de que ambos não eram iguais e de que sempre pertenceria a uma camada social diferente."

- Mocinhos cretinos, filhos da pontualidade, não são nenhuma novidade nos livros desta autora. E o Gaetano nem sequer é o pior deles. Ele é um miserável? Com certeza. Um completo babaca? Sem sombra de dúvidas! Ainda assim já conheci trastes piores. Só que eu não estava no momento ideal para ler este livro. Daí a raiva e desprezo que ele e a mocinha me provocaram. Porque ele é um filho da p., mas ela é uma estúpida que o deixa tratá-la como bem quer e isso a torna o principal alvo da minha irritação. Em pleno século XXI como uma mulher pode deixar que um homem faça tão pouco dela?! Está mais do que na hora dessas mocinhas entenderem que não estamos mais vivendo no século XVIII.

"- Não fale comigo deste jeito! - disse zangada e em tom de aviso.
 - Posso falar com você do jeito que eu quiser. Estou na minha casa e parece que você é minha funcionária."

- Este trecho condenou o Gaetano sem chance de defesa. Porque ele não merece qualquer consideração da minha parte. É um arrogante que acha que o mundo gira ao seu redor e é capaz de qualquer coisa para conseguir o que deseja, inclusive usar uma lerda que se via numa situação complicada e, não tendo um pingo de amor-próprio, aceita ser usada para que ele atinja os seus fins. 

Não há dúvidas que alguém precisa atualizar este suposto mocinho. De preferência, quebrando algo em sua cabeça. Ele pode falar com ela do jeito que quiser?! Por que ela é funcionária dele?!!! Em que época ele acredita que estamos vivendo? Existem leis trabalhistas neste mundo. E não! O fato de ela trabalhar para ele não lhe dá o menor direito de falar com ela da maneira que ele bem entender. Ela era sua funcionária e não sua escrava. O fato de ele ser podre de rico e patrão de alguém não o torna melhor. Na verdade, levando em conta a falta de qualidades que ele tem, o torna bem pior. 

" - Isto está puramente relacionado ao sexo, bella mia, e espero resolvermos tudo no quarto. O fato de você ser uma virgem ou uma vadia enrustida, não me importa nem um pouco."

- Se um homem falasse comigo da maneira como o Gaetano falava com a lesada, digo, Poppy, ele ficaria sem todos os dentes. Mas como a mocinha não tem um pingo de amor por si mesma, ela permitia tudo e chegava a nem sequer se ofender com algumas coisas que ele falava. Ela até reagia em alguns momentos, mas, de modo geral, deixou ele sambar em cima dela. Até o final do livro. E mesmo após saber o real motivo do cretino ter escolhido justamente ela como noiva de mentira, a tonta ainda ficou com ele! Fez um pequeno show dizendo que iria embora, mas todo mundo conseguiria perceber que não passava de um blefe. 

A história começa quando Gaetano está enfrentando um escândalo em sua vida que ameaça a realização de um de seus principais objetivos: tornar-se o presidente do banco da família. Ele tinha dado uma festa bastante... particular... em sua propriedade. E após fotos de prostitutas nuas começarem a se espalhar pela imprensa, seu avô ficou ainda mais determinado a não lhe dar a presidência enquanto ele não criasse juízo e formasse uma família. Enfurecido por aquele novo obstáculo, ele foi até sua propriedade para despedir a governanta que tinha fornecido as fotos e ainda falado mal sobre ele para os jornais. Mas ao chegar lá, não é a senhora que o viu crescer que ele encontra, mas sim a filha dela, a mulher que na adolescência não escondia o amor que sentia por ele. E a surpresa não poderia ser maior, uma vez que o patinho feio tinha virado um cisne capaz de deixá-lo sem fala (uma pena que ele não ficou mudo pra sempre). 

Embora não tenha ficado nem um pouco comovido pelas justificativas que ela deu para o comportamento da mãe e sua súplica para que ele levasse em conta todos os anos que sua família tinha servido a família dele, Gaetano começa a perceber que poderia usar aquela situação para se ver livre das condições do avô e conquistar o lugar que queria. Nada melhor do que usar o desespero e a ingenuidade da mocinha para convencê-la a desempenhar o papel de noiva... Afinal de contas, ela era perfeita para aquele papel. Não existia ninguém melhor. E quando ele rompesse o noivado, ninguém ficaria surpreso, muito pelo contrário, todos sentiriam alívio por ele ter recobrado o juízo e seu avô teria que reconhecer que ele ao menos tinha tentado.

Mas o feitiço vira contra o feiticeiro... e a noiva que ele julgava tão inadequada e embaraçosa conquista o coração de seu avô, fazendo com que ele não tenha outra opção senão transformá-la em sua esposa... por tempo determinado.

- Até mesmo fazer este pequeno resumo da história fez meu sangue ferver de raiva. Cada coisa que eu lembro do mocinho ter feito me dá vontade de esganá-lo. Não consigo entender o que a imbecil viu nele. Homens lindos existem aos montes por aí. Ela não precisava ficar com um projeto malfeito como ele. Mas como o amor sofre de cegueira incurável... 

"O seu corpo era tudo que ele queria, compreendeu Poppy com uma pontada de dor no peito. Ao menos se fosse sua esposa legalmente, as coisas pareceriam menos cruas, não pareceriam?"

- Será mesmo? Me pergunto como uma mulher de vinte e poucos anos conseguia ter pensamentos tão imbecis como os desta mocinha. Ela própria reconhecia que tudo o que ele queria (depois da presidência do banco) era se perder por algum tempo no corpo dela e que só pretendia se casar com ela por causa do banco. Mais nada! O corpo dela ele sabia que poderia ter a qualquer momento, uma aliança de casamento era desnecessária. Mas aí a tonta pensa que as coisas não seriam tão carnais se ele se casasse com ela. O relacionamento não seria "sujo", segundo os pensamentos dela. Isso confortaria o coração da mocinha, independente do fato de ela saber que o casamento não passaria de uma grande farsa, com prazo para acabar e que ela só teria os direitos que ele quisesse lhe dar. Interferir na vida dele não era um deles. E claro que ela não poderia fazer perguntas sobre nenhuma ex-mulher que insistia em permanecer em sua vida, afinal de contas, ela não era sua esposa de verdade. Era apenas alguém com quem ele transava e levava seu nome. Nada de mais. Isso não a tornava sua esposa de verdade. 

- O que eu acho mais engraçado (só que não) é que no final da história ele vem com aquela conversa fiada de que descobriu que a amava e não podia viver sem ela e o bebê (que ele tinha chamado de pesadelo, já que atrapalhava seus planos), e a retardada acredita, confessa que também e o ama e lá vem o felizes para sempre. Com alguém como ele!!!! Como ser feliz com alguém tão egocêntrico? Nunca vou conseguir entender. Enfim...

- A Lynne Graham é uma das minhas autoras preferidas, mas isso não me torna cega. Não é por amá-la que vou dizer que uma história é maravilhosa quando não é. Noiva Inadequada passa bem longe disso. Jamais seria entediante, pois os livros dela nunca são, mas é impossível não ter desejado que o livro terminasse logo para que eu me visse livre deste casal tão insuportavelmente desprezível. 

- Algo que me deixou bastante surpresa e com uma dorzinha no coração foi perceber que eu fui a primeira a dar 3 estrelas ao livro no skoob. As outras pessoas avaliaram o livro dando 4 ou 5 estrelas. Talvez tenha sido realmente o momento errado de lê-lo. Nunca fico feliz em dar menos de 4 estrelas aos livros da minha autora. Mas não mentiria para vocês e nem para mim mesma. O livro, infelizmente, mal é digno de 3 estrelas, na minha opinião. :(


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Escrevendo Sem Medo - Fevereiro



O Poema da Festa Perfeita


As lágrimas em seus olhos brilharam
Quando ela deu um passo em sua direção
Recordava o longo caminho que trilharam
Quando nem sequer acreditavam no coração

Um passo a frente ele também deu
Num traje perfeito que realçava
A cor dos olhos seus

Olhos que a apaixonaram
Quando naquele rio o viu
Olhos que a desestabilizaram
Sobretudo quando ele sorriu

Perdendo-se na melodia que a envolvia
Em seu vestido azul do céu
Ela bailava e ria
Naquela noite em que floresceu

Girava em seus braços
Presa a um encanto
Memorizava os seus traços
Cada carícia, cada recanto

Já não estavam no baile de uma era imperfeita
Estavam no bosque do primeiro beijo
Onde a magia não era desfeita

Ali não existia meia-noite
Fada madrinha, madrasta má
E no dormir da noite
Ao seu lado ainda queria estar

Se um pedido a Deus fizesse
Tudo o que seu coração teria a desejar
Que aquele baile não pudesse
Perder-se no tempo... acabar



Ao pensar no que seria a festa perfeita para mim, sempre soube que envolveria um casal apaixonado. Não me perderia em descrições de detalhes do ambiente, mas si no que os personagens do poema estariam sentindo, vivendo naquele momento. Eu queria o século XIX, a era imperfeita mencionada na 6ª estrofe. Também queria um cenário mágico que remetesse aos contos que amarei por toda a vida. Talvez vocês não consigam sentir todas as emoções que me invadiram enquanto escrevia... mas há tanto amor neste poema... Eles estavam vivendo o primeiro amor, a primeira paixão. Dois jovens que se "esbarraram" por acaso e contra todas as hipocrisias da época, lutaram para ficar juntos. Naquele baile, quando seu amor mostrou-se mais forte do que tudo, diante de toda a sociedade, eles deram um passo para o destino um do outro. E então... já não viam mais nada. O tempo parou, o cenário mudou... eles voltaram ao lugar do primeiro beijo. E, é claro que, eu não deixaria de fora uma menção ao meu conto preferido.rsrs... Na penúltima estrofe, o casal vive o inverso da Cinderela... Embora acreditem na magia do amor, não há lugar em seu mundo para a crueldade de uma partida à meia-noite, quando toda a magia é desfeita. Ali, não! No mundo deles não existe lugar para fada madrinha com condições, nem pessoas invejosas para tentarem destruir sua felicidade... E quando a noite dormisse (o dia amanhecesse) eles ainda estariam juntos. Ainda que o destino estivesse contra eles. :)


- Este é meu segundo texto para o Projeto Escrevendo Sem Medo. E se amei o primeiro tema, escrever sobre o segundo foi simplesmente delicioso! Desafiador?! Sem sombra de dúvidas! Acreditava que seria o tema mais difícil, só que na realidade foi ainda mais prazeroso do que o de janeiro. 

Este projeto foi criado pela Thamiris do blog Historiar. Clique aqui para conhecê-lo melhor.  

domingo, 19 de fevereiro de 2017

No Mundo da Luna - Carina Rissi (Desafio 12 Meses Literários - Fevereiro)

(Título Original: No Mundo da Luna
Editora: Verus
Edição de: 2015)

A vida de Luna está uma bagunça! O namorado a traiu com a vizinha, seu carro passa mais tempo na oficina do que com ela e seu chefe vive trocando seu nome.

Recém-formada em jornalismo, ela trabalha como recepcionista na renomada Fatos&Furos. Mas, em tempos de internet e notícias instantâneas, a revista enfrenta problemas e o quadro de jornalistas diminuiu drasticamente. É assim que a coluna do horóscopo semanal cai no colo dela. Embora não tenha a menor ideia de como fazer um mapa astral e não acredite em nenhum tipo de magia, Luna aceita o desafio sem pestanejar. Afinal, quão complicado pode ser criar um texto em que ninguém presta atenção?

Mas a garota nem desconfia dos perigos que a aguardam e, entre muitas confusões, surge uma indesejada, porém irresistível paixão que vai abalar o seu mundo. O romance perfeito - não fosse com o homem errado. Sem saída, Luna terá que lutar com todas as forças contra a magia mais poderosa de todas, que até então ela desconhecia: o amor.

Com seu estilo ágil e fluido, Carina Rissi criou em No mundo da Luna uma leitura viciante, permeada de humor, magia e paixão, que vai conquistar você do início ao fim.




Palavras de uma leitora... 


- Imagino que isso deva surpreender um pouco vocês. Uma leitura nacional. Quando foi a última vez que li algo de um escritor brasileiro? Acredito que já faça anos e a culpa não é tão minha assim.rs Só que faz um tempo que venho desejando mudar isso. Apostar mais em escritores do quais ouço tanto falar e que estão tão pertinhos de mim (aqui no Brasil, sabe) e nunca dei uma chance. E adquirir este livro da Carina Rissi foi o primeiro passo... embora eu tenha levado um pouco mais de um ano para finalmente lê-lo. :)

Já tinha escutado muitos elogios aos livros desta autora, mas nunca aparecia uma oportunidade para lê-los. E então, no site da Saraiva, acabei "esbarrando" nele e decidindo que o queria. De repente, eu simplesmente o queria demais. Não no dia seguinte ou um mês depois. Queria o livro naquele momento. Aquelas coisas que acontecem comigo de vez e sempre, quando uma história me diz que eu preciso dela, entende? Quando ele chegou, namorei sua capa, sinopse e páginas iniciais durante um tempo, imaginado quando iria lê-lo... quando seria o momento certo. Outras de minhas manias que vocês já conhecem. Sempre aguardo o momento de ler cada livro, ainda que esteja muito louca por ele. Eu espero. Talvez por ter um lado masoquista, quem sabe.

Mas não dá para negar que eu também tinha medo. Não sei explicar muito bem o receio que tenho da literatura brasileira. Não que não tenha tido boas experiências. Adoro o José de Alencar, o Dan Albuk (cuja continuação de Lerulian eu sigo aguardando há séculos), e a Lu Aluada, que me encantou com o romance Para Todo Sempre. Porém, como podem ver, dá para contar nos dedos de uma mão os autores brasileiros que conheço e dos quais gosto demais. Acho que está mais do que na hora de perder o medo e dar uma chance aos outros, certo? Só que é tão mais fácil falar.rs

"Meu chefe, também conhecido como demônio nerd, cão chupando manga e babaca sem noção - e isso tudo nos dias bons -,entrou na redação e lançou seu tradicional:
- Bom dia, Clara. 
[...] Eu odiava a minha vida. Odiava ainda mais meu chefe idiota que nem sabia meu nome."

Ao se formar na faculdade, Luna teve a oportunidade de realizar um dos seus maiores sonhos: trabalhar na famosa Fatos&Furos ao lado de um chefe que durante um longo tempo foi mais que um ídolo, quase um deus. Mas nada foi como ela sonhou. Longe disso. Ela até foi contratada, mas para ser recepcionista e observar, dia após dia, e mês após mês, outros terem suas colunas publicadas enquanto ela atendia ao telefone e anotava recados. E se isso não fosse suficiente para fazê-la lançar olhares assassinos ao seu chefe, pois ele deveria ter enxergado todo seu potencial ainda na entrevista para recepcionista e lhe dado de cara a coluna ideal, o cretino não conseguia acertar o seu nome. Uma só vez. E com o passar do tempo, ela quase se convenceu de que realmente se chamava Clara.

Mas é quando ela está enfrentando a pior fase de sua vida, após ser traída pelo namorado com quem desperdiçara dois anos e que parecia acreditar que traição não era algo tão relevante assim, que a sua grande chance aparece. Embora não fosse exatamente o que ela esperava. Mas qualquer coisa era melhor do que ficar presa àquela recepção, rasgando seu diploma em pedacinhos. Ainda que qualquer coisa fosse ser a menina do horóscopo... Escrever sobre algo que não fazia parte de sua formação como jornalista e em que ela não acreditava. Não sabia nem como começar. Mas é claro que o demônio do seu chefe não precisava saber disso. Ela daria um jeito. Ou não.

E o que era para ser apenas uma janela para o sonho que ela nunca deixou de nutrir, o de ser a grande colunista que era capaz, acaba se transformando numa grande confusão, pois não demora para que mais e mais pessoas sejam atraídas por suas previsões e tenham suas vidas transformadas por elas... ou acreditem ter. E se isso resumisse todos os problemas que invadem seus dias, tudo bem. Mas nada em sua vida era tão simples assim... Como se não bastasse escrever sobre algo que odiava (embora já não atendesse o telefone), de repente se via numa montanha-russa com o homem que mais detestava no mundo e não sabia como diabos tinha conseguido se meter naquela situação. Como podia se sentir atraída por alguém que desejava matar durante todas as vinte e quatro horas do dia? E por que ele vivia cruzando o seu caminho se ela tinha certeza que estava interessada por outra pessoa? Não queria se apaixonar pelo Dante-filho-de-todas-as-pontualidades. E não iria. Ou não se chamaria Luna. 

"As desgraças sempre vêm aos pares, é o que dizem por aí."

- Eu apostaria em Clara, só para constar.rs No Mundo da Luna é uma comédia romântica realmente divertida, que me fez gargalhar muitas vezes durante a leitura, mas que também me causou um aperto no coração em algumas cenas. Está aí uma mocinha que sabe ferrar com a própria vida. Não necessita da ajuda de ninguém para isso.rs Ela me lembrou demais as mocinhas dos livros da Linsay Sands. E isso é algo extremamente positivo, pois sempre adorei as mocinhas dessa autora. Mas confesso que a Luna quase fez meu coração sair pela boca em alguns momentos. Embora também me tenha feito chorar de tanto rir em seguida. Fazia um tempo que não me divertia tanto. 

"Será que alguma vez na vida eu teria minhas preces atendidas?"

Luna é uma jovem jornalista de vinte e quatro anos, que não se sente jornalista e odeia tudo em sua vida, menos a melhor amiga, a avó, o irmão (esse ela odeia só de vez e quando e isso porque não o vê sempre) e chocolate... ou qualquer outro tipo de comida. Mas se ela fosse fazer uma lista das coisas que mais odiava na vida, não há dúvidas do que, ou quem, encabeçaria a tal lista... e não é no ex-namorado traidor que ela pensaria. Mas no chefe infernal que ela um dia foi louca demais para admirar. Mal suportava respirar o mesmo ar que ele e só estava naquela revista porque era teimosa demais para desistir. E, no fundo, tinha a esperança de que ele trocasse de óculos e conseguisse enxergá-la, mesmo que de longe... o suficiente para lhe dar uma coluna. A chance de mostrar que era boa e que não tinha estudado tanto para ser ignorada. E ter seu nome trocado, não se pode esquecer. Mas quando suas preces finalmente são atendidas... ela troca o telefone pelas cartas de um baralho velho que a vendedora jurou que tinha poderes mágicos. E, da noite para o dia, coisas estranhas começam a acontecer... como seu chefe passar a chamá-la de Luna. 

E quando acorda ao lado dele numa cama desconhecida, sem lembranças do que aconteceu após os dois terem enchido a cara tentando curar um coração partido, ela não percebe tudo o que o destino lhe reserva... e que, talvez, apenas talvez, estivesse procurando nos lugares errados aquilo que seu coração realmente sonhava. 

"O Dante é o cara perfeito pra você, de um jeito errado."

Disposta a não dar ouvidos ao que os outros, e seu próprio coração, têm a dizer, ela se empenha em afastá-lo cada vez mais de sua vida. E como o destino conspirava ao seu desfavor, ele sempre estava por perto quando ela mais precisava, fosse para beber, gritar ou beijar... fosse para o ódio ou para a paixão. E tirá-lo de seu caminho já não parecia tão fácil como no início. Sobretudo quando começa a conhecê-lo de verdade, enxergar o homem por trás do chefe que adorava dar ordens aos berros e do nerd de cabelos bagunçados e óculos tortos... quando finalmente começa a ver o homem que ele realmente era e... que existia algo em seus olhos que a atraía como nada na vida fora capaz. Não queria amá-lo. Não podia. Mas seu coração já tinha seus próprios planos...

"- Me escolha. [...]
 -  Não me pertença, me escolha. Me deixa ficar do seu lado."

- É muito fácil nos apaixonarmos pelo Dante e pela Luna. São dois loucos que roubam nosso coração antes mesmo que a gente perceba, que nos fazem rir e também nos deixam em agonia quando insistem em ser imbecis e fazerem coisas que apenas ferem os dois. Eu suspirava aqui cada vez que eles estavam juntos sem se matarem, quando esqueciam o mundo e o suposto desprezo mútuo que nutriam e só pensavam nos beijos e em tirar a roupa um do outro. Eram tão fofos nesses momentos!kkkkkkkk... Eu adorava quando eles paravam de idiotices e não conseguiam se afastar, sabe. Nada entre eles era realmente só sexo e só os estúpidos não percebiam isso. Quando se tocavam havia magia. Porque havia amor, embora eles demorem toda uma vida para se darem conta. Eles se amavam enquanto se odiavam e gritavam coisas que não sentiam. Se amavam mesmo quando estavam com outras pessoas. Quando juravam que não queriam se ver e se amaldiçoavam por terem ido pra cama de novo. Eles se amavam em cada um desses momentos. Porque aquele era o destino deles. Porque tinham nascido um para outro. E embora o que eu diga possa parecer extremamente piegas, é a mais pura verdade. Esses dois nasceram para se amarem. Para construir uma vida juntos. E nem eles próprios seriam capazes de estragar isso. E não é por falta de tentativa. Porque eles tentam! E como tentam estragar a própria vida!rsrs

"Quero que me queira do mesmo jeito doente e louco que eu quero você. E, ah, Luna, acredite, eu quero você."

- O Dante é um daqueles mocinhos que nos roubam o fôlego com o amor que sentem pela mocinha. Com um amor que está em cada atitude que eles tomam, até nos mais simples gestos. Um amor que simplesmente parece transbordar das páginas, de cada palavra que lemos. Um amor cheio de ternura, mas que os fazem enlouquecer quando estão com ciúmes. Algo doce e selvagem ao mesmo tempo, um amor que simplesmente sentimos, mas que não conseguimos explicar. Eles fazem com que a gente sinta tudo com eles. Nos empurram para sua loucura e fazem com que também esqueçamos o mundo enquanto viajamos com eles pelas páginas da história.

Mas isso não significa que eu não quis matar o Dante e a Luna em nenhum momento. Muito pelo contrário! Da mesma forma que me divertiam e me encantavam, eles me faziam passar tanta raiva e desejar quebrar algo na cabeça deles. Sobretudo o Dante. A Luna podia ser uma tremenda estúpida em certos momentos, mas ele era especialista em usar as palavras certas para magoar, quando desejava. E toda vez que ele fazia isso com ela, eu queria entrar na história e ensinar-lhe umas lições que ele jamais esqueceria. Era nesses momentos que eu queria que a mocinha desse atenção à personalidade do seu signo e desse a ele o que o cretino merecia. Ela até poderia perdoá-lo depois (não aceitaria outra coisa), mas que deveria fazê-lo comer o pão que o diabo amassou, isso deveria! 

E o momento em que mais desejei esganar esse mocinho foi na reta final. Naquela hora eu quase esqueci que o amava e desejava que ele ficasse com a mocinha. O chamei de todos os nomes que conseguia me lembrar e imaginei diversas formas de esfolá-lo e fazê-lo se arrepender amargamente do dia em que nasceu (ou foi criado pela autora). E a Luna me frustrou muito por perdoá-lo sem fazê-lo rastejar implorando pelo seu perdão. Cadê o lado vingativo dessa criatura? Ela nem parece do signo de escorpião.kkkkkk... O amor dela pelo Dante a transformou em alguém do meu signo. E isso não foi nada bom.kkkkkkk... Não para o meu lado vingativo, pelo menos. 

- Eu amei todo o livro, do começo ao fim. Os momentos divertidos, as cenas em que chorei de angústia, me perguntando como eles consertariam o novo estrago, mas claro que existiram aqueles momentos especiais. Como a cena em que o Dante estava doente e nossa mocinha cuidou dele... ou a do buquê de flores que fez a Luna chorar por causa da alergia e o Dante correu para ela, sem se importar com quem estava observando, e a envolveu em seus braços, atormentado pela possibilidade de alguém tê-la feito chorar. A cena em que ela recebeu uma ligação terrível e ele ficou ao seu lado, lhe sustentando e sendo tudo o que ela necessitava... e até mesmo aquela na qual ele foi extremamente nojento e me deixou em choque.kkkkkkkk... Essa cena marcou o livro. Deus do céu!kkkkkkk... Alguém precisa lembrá-lo que é preciso manter o romantismo. E roubar a escova de dentes da Luna não foi romântico. Muito menos o que ele fez antes.rs 

- Esta história me surpreendeu bastante. E de uma maneira bem positiva. Eu esperava muito dela, mas ela conseguiu superar minhas expectativas. Eu devorava as páginas, me acabando de rir nos piores momentos possíveis e tendo que colocar a mão na boca para tentar me conter. Também me fez chorar quando eu não queria e sonhar acordada quando deveria prestar atenção na rua. Enfim... Foi uma leitura deliciosa e cada personagem conseguiu ter seu próprio espaço, sua própria personalidade, o que tornou o livro ainda melhor. A vó Cecília, o Raul e sua relação com a Luna, que sempre será a irmã que ele adora infernizar... A Sabrina, que em muitos momentos não parecia ser do meu signo... isso antes dela se apaixonar pelo Lúcio e protagonizar uma das cenas mais divertidas do livro. Ali ela realmente se pareceu comigo, quando lançou sobre a Luna um monte de acusações sem sentido, tomada pela raiva. Adorei demais aquela cena!kkkkkkkkk... A Júlia, o Murilo, a Beatriz, o Fernando e suas experiências desastrosas na cozinha e, claro, a Madona, uma cadelinha atentada que quase fez o Dante sofrer um infarto quando resolveu fingir que comeu a tampa da caneta dele.rsrsrs... Todos eles contribuem para tornar o livro especial.

"- Você não tem ideia do poder que tem sobre mim, Luna. Você pode não ser minha, mas eu já sou seu, todo seu. Eu escolhi você."





Este livro foi o meu escolhido para o Desafio 12 Meses Literários. Neste mês de fevereiro deveríamos ler um autor nacional e nem pensei muito antes de fazer a minha escolha. Eu queria ler a Carina Rissi já há bastante tempo e o livro dela fazia parte da minha meta de leitura deste ano, então achei melhor incluí-lo no desafio para poder lê-lo mais rápido. :D E foi uma excelente escolha, pois ela conseguiu me ganhar como fã com sua escrita tão leve, divertida e com romantismo e drama na medida certa. Ela tem um jeito de escrever bem único e natural e quero muito conhecer suas outras histórias. :)

Não há dúvidas de que recomendo e muito o livro! Dei 5 estrelas e passagem para os favoritos sem pensar duas vezes! :D

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Amor em Construção - Michelle Douglas



O AMOR VEM PARA TODOS…

PROJETO DE AMOR
Dominic Weight se orgulha de sua trajetória profissional, e o próximo projeto será o passaporte para o sucesso! Mas nem tudo vai às mil maravilhas... Dominic terá de servir de “babá” para a filha mimada do patrão. Bella Maldini conhece a má reputação de Dominic. Entretanto, se quiserem ser bem-sucedidos, terão que formar uma equipe. Tudo seria mais fácil se Dominic não fosse tão cínico, complicado, controlador... e mais sexy do que qualquer homem que Bella já conhecera!

PEDIDOS REALIZADOS
Depois de um ano difícil e de perder o pai, Addie Ramsey não está em clima de festas de fim de ano. Ela planejava passar o feriado sozinha quando recebeu um convite de seu novo chefe, o bilionário Flynn Mather, para acompanhá-lo em uma viagem de negócios à Europa. O Natal nunca fora uma data mágica para Flynn. Porém, ao ver alegria pura brilhando nos olhos de Addie, começa a acreditar que talvez ela seja o melhor presente que já recebeu em toda sua vida...



Palavras de uma leitora...



- Sério isso, gente? Eu realmente terminei de ler este livro? Parece um sonho. Chego a ter medo de acreditar.kkkkk... Pensei que a tortura não fosse acabar mais.rs

Foram 16 longos e angustiantes dias que passei ao lado da primeira história. E foram muitas as vezes em que pensei em abandoná-la e arremessar o livro pela janela, para o mais longe possível das minhas vistas. Não suportava mais, sinceramente. Sentia um enorme desânimo sempre que me forçava a voltar para o livro e ler mais uma página. Era um castigo. Um verdadeiro tormento. Ler tem que ser algo prazeroso, que nos faça bem. É horrível quando lemos uma história por obrigação, apenas porque não queremos deixar o livro pela metade. 

Assim que iniciei a leitura de Projeto de Amor, primeira história deste livro, eu soube que estava cometendo um grave erro. A história me entediou ainda nas primeiras páginas, um sinal claro de como as coisas seguiriam. E quando as frases "lobo mau" e "o queixo dela caiu (por vezes o dele também)" quase se transformaram em protagonistas, meu desespero pela tão sonhada liberdade se tornou ainda mais intenso. Eu estava louca para me ver livre desta história. Fazia tempo que não lia algo tão ruim, tão... sem emoção, sabe. A história é vazia de tudo. Você lê os diálogos e parece que realmente estão interpretando e da pior maneira possível. Cada cena é forçada demais. Não exagero quando digo que ler isso foi uma tortura. Realmente foi. Eu me sentia muito mal quando tinha que voltar para o livro, gente. Foi uma das piores experiências literárias que já vivi. Porque até mesmo odiar um livro é melhor do que ler algo que apenas te dá tédio e cansaço, que não te passa nada, que é tão completamente vazio e sem graça. Prefiro odiar um livro do que me sentir assim. 

Não me sinto capaz sequer de fazer um resumo sobre a história. E não a recomendo para ninguém. Não há dúvidas que ter começado a ler as histórias da Michelle Douglas por esta daqui prejudicará e muito os próximos livros da autora. Não sei se me atreverei a ler outro livro dela na vida. :(

A segunda história, Pedidos Realizados, não é perfeita e não me apaixonou, mas possui a emoção que ficou ausente na primeira. Pude sentir a dor dos protagonistas, entender suas reservas, rir com o entusiasmo e a vontade de viver da mocinha e perceber o quanto o mocinho estava perdido antes de conhecê-la. O romance que se desenvolve entre eles é muito bonito e fofo e eu gostei bastante. Claro que já estava extremamente estressada por causa da história anterior, mesmo assim consegui me deixar envolver por este casal e torcer muito por eles. 

Adelaide, mais conhecida como Addie, só queria conhecer o mundo. Realizar os sonhos que ela e sua melhor amiga um dia partilharam. Era especialista nos golpes que a vida poderia dar, pois além de perder a amiga de toda a vida quando ambas estavam com dezoito anos, poucos anos depois sua mãe também foi embora e por último seu pai, deixando-a sozinha num mundo que parecia estar contra ela. Só podia contar com o ombro de seu touro de estimação para chorar, pois ele era o único que poderia entendê-la. O único em quem confiava para contar seus maiores segredos. Então, quando um homem surge em seu caminho, com uma proposta irrecusável, ela decide que chegou o momento de começar a viver. 

Porém, nem tudo era como ela esperava... Flynn faz uma oferta única para comprar a fazenda na qual ela cresceu e guardava suas melhores e piores lembranças, mas... uma das cláusulas determinava que ela teria que trabalhar para ele, na fazenda, pelos próximos dois anos. Caso contrário, nada feito. Em outras palavras, ele abria sua gaiola, mas a impedia de voar. 

Sem outra alternativa, Addie aceita as condições dele, mas após vê-la desabafando com o touro e tocado pela dor que ela tentava esconder, Flynn lhe faz uma nova proposta... e desta vez ela teria que viajar com ele para Munique, como sua assistente pessoal. Uma viagem que transformaria a vida dos dois e os faria perceber quais eram os seus verdadeiros sonhos...

- Como eu disse, gostei muito da segunda história. E teria amado se somente ela fizesse parte do livro. A primeira história nada me acrescentou, apenas me deu nos nervos e me fez desperdiçar mais de duas semanas de leitura. Levei menos de 24 horas para ler a segunda história, gente! Enquanto com a primeira desperdicei 16 longos dias do meu tempo. Só de pensar nisso me sinto frustrada. Poderia ter lido muitos livros durante esse tempo...