O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Fantasias no Deserto - Lucy Gordon



Como controlar o destino?...

 

A bela inglesa trouxera tanta sorte ao sheik Ahmed Ben Saleem que ele quis recompensá-la. Mas Frances o surpreendeu, recusando presentes valiosos. Tudo o que ela queria era entrevistá-lo para um artigo de jornal. Ahmed concordou... com uma condição: Frances deveria acompanhá-lo de volta ao seu país. Frances pensava que o charmoso sheik fosse um homem gentil e generoso... até que ele a aprisionou com suas concubinas! E ainda queria que ela passasse a noite em sua companhia! Era como um cenário extraído de As Mil e Uma Noites... Não podia ser real! Ahmed devia estar apenas criando fantasias para encantá-la. Mas... estaria falando a sério quando a pediu em casamento?



Palavras de uma leitora...



"Meu coração cavalga com o vento.
Meu cavalo é rápido
Meu amor cavalga ao meu lado

O vento é eterno
A areia é eterna
Nosso amor é eterno

Ela me deixou
Mas em meu coração
Seguiremos cavalgando ao luar
Para sempre
Volte, meu amor
Vamos cavalgar juntos"


- Bem... Eu pretendia ler no momento um livro de autora nova. Aí eu lembrei que uma amiga havia me indicado um livro sobre sheik e que disse que o livro era muito lindo, cheio de magia... Eu sabia que seria um enorme desafio pra mim ler um romance sobre alguém do Oriente Médio... Mas quis arriscar ler esse livro. Só que quando comecei a leitura e passei pelo nome da autora, percebi que já havia lido algo dessa autora antes. Pesquisei nos arquivos que tenho no pc e descobri que já havia lido o livro Entre o Amor e o Ódio. Não lembro muito desse livro, mas sei que gostei da história. Porém, não o suficiente para desejar ler outro livro da autora...rsrs... E confesso que me surpreendi com o livro Fantasias no Deserto. Eu não esperava tanto do livro. Na verdade, eu não esperava nada de bom do livro, apesar da Laila tê-lo amado. Mas meu motivo é pessoal. Eu simplesmente tinha prometido que não leria mais livros sobre mocinhos do Oriente Médio, pois detesto essa região. Que horrível, não é? Mas é a verdade, infelizmente.

- Esse meu "desgosto" com o Oriente Médio começou depois que eu soube da existência do caso da Sakineh. Confesso que estava bastante desinformada, pois não sabia que existiam lugares no mundo que ainda fossem tão bárbaros. Eu até sabia que existia o desrespeito para com as mulheres nesses lugares, mas não imaginava que ainda fosse tão grande. Aí eu fiz algumas pesquisas na internet e descobri coisas que preferia não ter descoberto. Foi assim que acabei ficando profundamente revoltada com o Oriente. E prometi que nunca mais leria nada sobre árabes, sheik e CIA, mas graças às indicações de amigas que leram livros que valeram a pena, eu estou quebrando essa promessa que fiz a mim mesma. E sabe de uma coisa? Pelo menos com relação ao livro Fantasias no Deserto, valeu a pena. Eu me apaixonei por essa linda história de amor. Tão bela, tão mágica... Me senti maravilhosamente bem depois de ler esse livro. Foi uma experiência incrível!

" - Não pertenço a ninguém. Pertenço a mim mesma, e jamais serei propriedade de um homem.

- Então, você nunca amou. Quando amar alguém, descobrirá que essas suas ideias feministas não significam nada. Amar é doar-se por inteiro, senão o amor também não significará nada."

- Lindo isso que o mocinho disse, não é? Preciso dizer que ele ganhou meu coração? Claro que não preciso dizer isso...rsrs... Mas não foi fácil para ele manter um lugar especial nesse mesmo coração. Ele é um personagem muito complexo, difícil de entender... E em alguns momentos chegou a esquentar meu sangue de uma tal maneira que eu fiquei decidida a não gostar dele. Ao criá-lo, a autora procurou manter-se fiel à nacionalidade dele, sua cultura, seu jeito de ser, entende? Ela criou um sheik, um príncipe do deserto nascido e criado em Kamar, rodeado e influenciado pelos homens que viam as mulheres como um obejto sexual e uma égua parideira (preciso dizer que isso me deixa profundamente furiosa???!!!). Por causa disso, Ahmed acreditava que as mulheres eram seres inferiores. Não estou dizendo que ele as tratava mal, nada disso... Mas não as respeitava como seres humanos. Para ele, a mulher só tinha nascido para dar prazer ao homem e colocar crianças no mundo. Mais nada. Elas não tinham direito de pensar, exigir respeito ou liberdade. Embora não maltratasse, ele tinha a capacidade de sufocar... e foi o que fez com a Frances. Apesar de amar a mocinha e dizer coisas lindíssimas para ela, ele não a respeitava. Achava que estava sempre certo e que tudo que queria teria que ter custasse o que custasse. E foi esse jeito autoritário e egoísta de ser que colocou uma barreira entre os dois. Eles se amavam muito! Ao ler esse livro vc entenderá o que estou dizendo. O livro tem muito sentimento... Enfim... Mas o amor não era suficiente, pois não havia respeito e nem confiança. Os dois sofreram muito por causa do Ahmed. Foi tudo culpa dele mesmo que não tenha sido por querer. Eu entendo que ele havia sido educado daquela forma tão egoísta e machista, mas em algum momento ele teria que mudar se quisesse ser feliz ao lado da mulher amada. E foi o que aconteceu. Ahmed teve que mudar e para ter coragem de fazer isso ele teve que sofrer... e perder. Foi só depois de perder a Frances que ele começou a entender o quanto seu comportamento tinha feito mal para a mulher que ele tanto amava. E sabe o que ele faz? Prova que a ama! E essa prova de amor foi muito altruísta... sem um pingo de egoísmo. Ele sofreu muito para mostrar que a amava. Mas valeu a pena, pois assim ela teve motivos para voltar para ele.

"Conquiste o amor delas e elas ficarão com você"

- Essa frase que eu coloquei logo acima é dita quando a Fran já foi sequestrada pelo mocinho e estava comprando umas pombas que havia amado. Ela não quis comprar uma gaiola para prender as pombas. Ela achava aquilo maldade e o vendedor disse pra ela que se ela conquistasse o amor das pombas, com certeza não precisaria de gaiola, pois elas teriam prazer de ficar com ela. Por que coloquei esse trecho aqui? Porque foi essa lição que o Ahmed teve que aprender. Ele aprisionou a Fran, pois achava que tudo tinha que ser "tomado" e não conquistado. Ele acreditava que ela tinha que ser mantida dentro de uma "gaiola". Não enxergava que assim que tivesse uma oportunidade a Fran bateria asas pelo simples fato de ter sua liberdade negada. Ele não percebia que se tivesse conquistado seu amor, ela nunca desejaria partir e logo, não precisaria ser aprisionada. Ele agiu muito errado e por isso a perdeu. Só quando ele percebeu que tinha que conquistar e não tomar, foi que eles conseguiram ser felizes. Mas a lição não é aprendida fácil. Demora... Enquanto isso, Fran vive numa mistura de céu e inferno.


 
Um pequeno resumo:


Frances era jornalista e tudo que mais desejava no momento era conseguir entrevistar o famoso, multimilionário e misterioso sheik Ahmed. Ela queria desvendar os segredos daquele homem e conseguir uma excelente reportagem. E por esse motivo foi que ela acabou envolvida numa grande confusão...

O primeiro encontro "acidental" deles foi mágico. Ahmed estava jogando e perdendo num cassino, mas quando Fran se aproximou dele... sua sorte mudou completamente. Para Ahmed, Fran lhe dava sorte e a atração entre os dois foi instantânea e eletrizante. Quando se olhavam o mundo inteiro deixava de existir. Fran se sentia enfeitiçada. E ela começou a acreditar que magia realmente existia... pelo menos, quando se estava perto de Ahmed, o príncipe com o qual ela sonhou durante toda sua infância.

E antes que a noite terminasse, eles já estavam mais do que envolvidos. Seus destinos já haviam se tornado um só... para sempre.

Mas por diversas razões, Fran vai embora antes que a noite chegue ao seu clímax.

Porém as coisas não terminam assim... Fran precisava muito daquela entrevista e por esse motivo (pelo menos ela queria acreditar nisso), ela voltou a procurar por seu príncipe.

Ahmed a recebeu com entusiasmo e afeto... até descobrir sua verdadeira identidade. Ao descobrir que Fran era uma jornalista ele mostrou seu lado frio e cruel. Para ele, uma mulher merecia ainda menos respeito se deixasse de lado seu "destino" para se dedicar à assuntos de "homens". Ele se recusou a lhe conceder uma entrevista e a mandou embora. Mas Fran não desistiu.

Usando de uma identidade falsa, ela se infiltrou na casa de Ahmed disposta a descobrir seus segredos a qualquer custo... Mas como quem brinca com fogo acaba se queimando...

Ahmed a pega em flagrante e após enganá-la, a leva para Kamar onde planeja mantê-la como sua concubina favorita pelo tempo que ele desejar...

Ahmed acredita que pode domar sua inglesa rebelde e mostrar-lhe os prazeres do amor tendo como cenário palácios, deserto e seus segredos... Mas Fran não tem o menor desejo de ser a concubina de algum sheik, muito menos do homem que ela estava começando a amar. Preferia sofrer eternamente sozinha a sentir a humilhação de ser mantida como prisioneira e escrava sexual do homem que amava...


- Bem... As coisas começaram assim: Fran queria entrevistar Ahmed e por esse motivo foi até o cassino no qual ele estava jogando. Ela não planejava seduzi-lo. Tudo que queria era observá-lo e convencê-lo a deixar que ela o entevistasse. Só que ela não contava com a paixão intensa que sentiu ao cruzar com o olhar dele. E nem que acabaria sendo seduzida por aquele homem e ainda se apaixonar por ele. Apesar de ter sonhado a infância inteira com palácios, deserto, tapete voador e príncipe... ela nunca imaginou que seus sonhos se transformariam em realidade.

Ahmed se apaixona por Fran logo que a vê (juro! leiam esse trecho e verão se aquilo não foi amor) e planeja viver uma noite de paixão com ela. O que acaba dando errado quando ele recebe uma ligação urgente. Ao descobrir quem ela era, ele julga que foi enganado... O que não é verdade, pois Fran nunca planejou enganá-lo. Tudo fugiu do controle dela também... Enfim... Ele fica furioso e depois que ela ousa desafiá-lo mais uma vez... Ele resolve sequestrá-la e mostrar à ela para que ela nasceu. Ele a leva para Kamar, a prende em seu palácio e ainda ordena que a porta do quarto de sua "concubina" seja mantida trancada. Sabiam que ele tinha outras concubinas lá????!!! Só que as outras tinham prazer em servir ao "país". Eu fiquei indignada com a atitude do Ahmed. Apesar de todo seu carisma, seu afeto e bondade, ele estava agindo como um tirano. Fingia que não ouvia o que a mocinha dizia e só ficava dando ordens e esperando que fosse sempre obedecido. Mas o que mais me deixou furiosa foi ele ter dito para os habitantes do palácio que ele havia comprado a Fran. E ainda dizer que pagou um preço alto por ela. Quando eu soube que ele havia feito isso eu fiquei muito, mas muito furiosa. Ele não tinha consciência do quanto aquilo era humilhante... não entendia que ela estava sendo ofendida. E como poderia se para ele as mulheres nem tinham sentimentos? Se ele acreditava que elas eram apenas objetos? Também não gostei do fato da Fran ter que cobrir o rosto com véu e nunca levantar os olhos para os homens... só se eles ordenarem. Eu acho isso humilhante. É como se eles fossem superiores... O que de fato não são!!! Enfim... é melhor eu segurar minha indignação.

- Tudo bem... Ahmed consegue o que queria. Faz da Fran sua amante, concubina ou seja lá que outro nome indigno "isso" receba. Não utiliza a força. Ele usa a sedução. Seduz a Fran com palavras de amor muito lindas (palavras verdadeiras, pois ele realmente a amava embora não soubesse bem como demonstrar isso) e a faz dele. Eles, apesar de algumas brigas causadas pelo desejo de liberdade da Fran, vivem bem durante um tempo. Ahmed não era um homem cruel e passa a maior parte do livro agindo com carinho. É um mocinho pelo qual é inevitável se apaixonar...rsrs... Mas ele estraga tudo quando não reconhece a Fran como ser humano. Acredita que ele sequer a chamava pelo seu verdadeiro nome? Ele utilizava somente os nomes que gostava... destruindo assim a Fran verdadeira e criando uma Fran irreal.

Até quando a pede em casamento, ele age como um ditador. Ele diz que ela vai se casar com ele e ponto final. Não lhe dá direito de escolha e nem sequer a pede em casamento! Ele simplesmente diz que vão se casar. A Fran o amava muito e tudo que queria era passar a vida inteira ao lado dele, mas não daquela maneira. Não enquanto não fosse respeitada. E por isso ela foge com a ajuda da pessoa que Ahmed menos esperava que fosse traí-lo. E é aí que ele aprende a lição. É através da dor. Ao perdê-la ele percebe o quanto ela era preciosa para ele. Ele reconhece que agiu de modo muito egoísta e faz algo que me emocionou muito...rsrs.... Enfim... Eu amei essa história!

- Apesar da minha raiva do Oriente, eu consegui amar essa linda história de amor. Gostaria tanto que os homens de lá fossem assim como o Ahmed. Não como o Ahmed autoritário e ditador de antes, mas como o Ahmed no qual a Fran o transformou. Será que é tão difícil respeitar um outro ser humano como gostaria de ser respeitado tbm? Será que a maioria (creio que é a maioria dos homens de lá que são desumanos) desses homens não podia aprender a respeitar as mulheres? Claro que poderiam! Não fazem porque não querem! Mas não esqueçam que é uma opinião pessoal, ok? Sou eu que não gosto muito dessa parte do mundo. Opinião totalmente pessoal.

- Enfim... Eu achei a história contada nesse livro muito linda e mágica! É um livro que não posso deixar de recomendar. Ele conta a história de amor de um casal totalmente diferente, pertencente à culturas diferentes... mostra como o amor pode mudar as pessoas... Enfim... Só lendo vocês entenderão o quanto essa história é linda e vale muito a pena ser lida. E eu a recomedo à todos!

- E não posso esquecer de dizer que esse livro foi uma indicação da Laila, que tbm é uma amiga minha e do blog. Muito obrigada, Laila! Realmente amei esse livro! É um livro que pretendo reler um dia. Muito lindo mesmo.


E termino essa resenha com a carta que a Frances deixou para o Ahmed antes de partir:


"Meu querido



Eu sei que você pensará que minha partida repentina foi uma traição. Por favor, Ahmed, tente entender que não tive escolha. Ninguém aceitaria casar-se nessas circunstâncias. Não haveria paz entre nós, e provavelmente, não haveria mais nada.


Lembra-se do meu sonho com o tapete voador? Bem, ele se realizou como você mesmo observou. Os magos fizeram o encanto, e o príncipe surgiu por entre a fumaça colorida. Ele era bonito, charmoso, envolvente, e me fez viver momentos maravi lhosos, que guardarei para sempre no coração.


Foi um sonho encantador e sempre lembrarei de que eu tive o meu momento mágico. Mas, infelizmente, o encanto não dura para sempre, e o tapete foi embora.


Adeus, meu querido. Será que nos encontraremos de novo? Onde? No Jardim Encantado? Será que estamos destinados a encontrar o "nosso" jardim? Ou ele não existe?


Nem sei como assinar esta carta. Você me deu muitos nomes, mas eram somente ilusões, e eu não posso viver de ilusões. Se você não puder amar a mulher que eu sou realmente, melhor esquecer-me.


Não, esquecer não. Apenas deixe o sonho de lado, como algo bonito demais para ser verdade. Vou assinar a carta com o único nome que você nunca usou, mas o único verdadeiro. Tente me perdoar."

4 comentários:

Sue disse...

Ooi Luna!!!
Noooossa, esse livro é maravilhoso!!!
O li tem alguns anos, e como o livro não era meu, o digitei só p/ tê-lo comigo e poder ler quando desse vontade(e foram várias vezes, acredite!rs)... E é claro que me apaixonei perdidamente pelo mocinho!rs
Me marcou muito, e até hoje (mais de 05 anos depois) ainda o considero um dos melhores romances que já li...
Simplesmente perfeito!!

beijos

Beatriz Solano Pinzon disse...

É um romance gostoso de ler, bem light, divertido, um verdadeiro conto de fadas. Todo livro é uma surpresa, às vezes lendo a sinopse a gente não dá nada pelo livro mas, de repente podemos nos surpreender. Gostei!

Anônimo disse...

Boa Noite
Meu nome é Michelle e li esse livro há mais ou menos uns10 atrás.
E foi o melhor romance que li na minha vida.
Porém foi um livro emprestado e tive que devolver.
Gostaria de saber onde encontro ele para comprar ou em pdf para poder ter a honra lê-lo novamente.

Obrigada e aguardo resposta
Email:michelle.moura.abreu@hotmail.com

Luna disse...

Olá, Michelle!

Eu não sei se tem o livro em pdf, mas é fácil encontrá-lo, acredito, nos sebos. Os sebos são como uma livraria, mas que vendem livros mais antigos, entende? São ótimos lugares para procurar histórias que são difíceis de achar hoje em dia.

Espero que você consiga encontrar. :)

Bjs!

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.