O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

sábado, 29 de dezembro de 2012

Minha Retrospectiva 2012



- Olá, queridos! :)


- Não poderia terminar 2012 sem que eu viesse aqui para dizer para vocês quais foram os livros mais especiais deste ano, verdade? Claro que não poderia! Seria pecado não falar desses livros, embora eu já tenha falado deles ao longo do ano. Apesar de já existir resenhas sobre eles aqui no blog, sempre preciso fazer um post destacando-os como especiais. :) Eles merecem e muito isso! São muito mais do que especiais e me marcaram para sempre. Não haverá forma de eu tirá-los do meu coração. E eu sequer desejo isso. :D Quero que eles estejam sempre comigo, pois me ensinaram (todos os doze escolhidos) coisas importantes, lições que carregarei comigo. Eles fazem parte da minha vida. 


- Em 2012 eu li pouco. :( Somente 53 livros. É pouco se levarmos em consideração que ano passado eu li 83 e em 2010 li muito mais de 100 livros. Existem muitos livros que eu queria conhecer ainda este ano, mas não foi possível, infelizmente. O bom é que sempre existe 2013 para que eu possa finalmente conhecê-los, certo?rsrs...



Os livros que eu li este ano foram:



E eu também reli alguns livrinhos este ano:

3- Lembranças de Uma Paixão - Lynne Graham
4- A Guerra das Rosas - Shannon Drake


E abandonei:

1- Estrela da Noite - Alyson Noel


- Talvez alguns estejam se perguntando agora: por que ela colocou em negrito mais de 30 livros se ela disse ano passado que sempre escolheria somente 12 livros para fazer parte da retrospectiva de cada ano? Eu não estou mudando as coisas. Serão realmente 12 livros escolhidos. Porém... eu não poderia deixar de mostrar para vocês que não são somente esses doze os especiais. Li mais livros queridos. Mais até do que esses 32 que marquei. Porém, só falarei dos doze mais queridos. Daqueles que simplesmente não podem deixar de fazer parte dos escolhidos. Eles não aceitariam isso de modo algum!rsrs...


E que tal ser em ordem decrescente agora? Do 12º até o 1º! :D Assim, vocês ficam mais curiosos para saber qual é o melhor dos melhores!kkkk... Só não vale ir logo para o final, para ver o 1º. Isso não pode!!!rsrs... Se bem que vocês já devem até saber qual é o escolhido.kkkkkk...


Bem... Vamos lá!




"Dizem que se leva muito tempo para compreender uma tragédia. Você fica entorpecido. Não consegue aceitar a triste realidade. Mas nem sempre isso é verdade. Pelo menos não no meu caso. Eu compreendi todas as implicações no momento em que acharam o corpo de Elizabeth. Compreendi que nunca mais a veria, que nunca mais a abraçaria, que nunca teríamos filhos e não envelheceríamos juntos. Compreendi que aquilo era definitivo, que não haveria uma segunda chance, que nada poderia ser permutado ou negociado." [páginas 19 e 20]


Li este livro faz pouco tempo e ele ainda fica invadindo a minha mente. David tinha tudo que qualquer pessoa poderia desejar, incluindo alguém que o amava acima de tudo e fazia parte da vida dele desde que ele se entendia por gente. Não era possível se lembrar de um só momento em que Elizabeth não estivesse com ele. Ela era tudo para ele e apesar de todas as provas pelas quais aquele relacionamento passou, eles continuavam juntos. Continuavam se amando. E tinham se casado. Fazia sete meses. Então, no 13º aniversário do primeiro beijo, ambos foram atacados no lago onde comemoravam aquele aniversário. David foi largado ali para morrer e Elizabeth foi sequestrada, ficando viva nas mãos do seu sequestrador por três dias, antes de finalmente ser assassinada. Seu corpo foi abandonado numa estrada. Todo surrado e com uma marca feita com ferro em brasa, em sua face. David nunca mais foi o mesmo depois daquela tragédia. Na verdade, ele se tornou alguém melhor. Embora por dentro estivesse vazio... como se algo importante tivesse sido tirado de dentro dele. Mergulhava no trabalho, nos casos de todas aquelas crianças e adolescentes que ele atendia e que possuíam uma vida difícil e talvez pior do que a dele. Mas toda vez que não estava trabalhando e até mesmo quando trabalhava... ela invadia seus pensamentos e ele desejava com todas as suas forças voltar ao passado e fazer algo para que não a perdesse. Desejava voltar e morrer em seu lugar. Salvá-la de algum modo. Só que ninguém pode voltar ao passado. O passado não pode ser mudado. 

Este livro é forte. Foram muitos os momentos nos quais eu fiquei tensa, nervosa e fiquei arrasada com certos acontecimentos. E o livro simplesmente me marcou, invadiu meu coração e mente sem pedir licença e acredito que jamais conseguirei esquecê-lo. Não só por ele ser um suspense de roubar  fôlego, mas por todas as coisas que consegui aprender com ele, com algumas coisas que senti durante a leitura. Não posso falar demais, pelos motivos já ditos na resenha, mas posso dizer que esta história é marcante e me marcou muito. Somente o final deixa a desejar. Depois de uma história tão envolvente, tão impossível de abandonar... eu não pude de modo algum ficar satisfeita com aquele final.




"Tudo era tão frágil, esse era o problema. Nenhuma novidade, claro, mas de modo geral o que fazemos é bloquear a verdade: nos recusamos a admitir que nossas vidas podem ser destruídas tão facilmente, de outro modo, entraríamos em parafuso. Todas aquelas pessoas que vivem com medo e precisam de remédios... Elas são assim porque têm consciência das coisas, da linha tênue que nos separa do desastre... Não é que não aceitem a verdade: simplesmente não conseguem bloqueá-la."

"Dizem que somos possuídos pelo que possuímos. Não é bem assim. Somos possuídos por aqueles que amamos. Somos reféns eternos desse amor."


- Tudo começa com um suicídio. Um adolescente de 16 anos põe fim à própria vida depois de deixar uma mensagem de despedida para as pessoas mais próximas. Dois dias depois, ele é encontrado morto no telhado do colégio no qual estudava. A tragédia afeta profundamente a família dele, até mesmo as crianças, fazendo o casamento de seus pais caminhar numa corda bamba e seu melhor amigo ficar ainda mais rebelde e estranho. O comportamento do garoto vai ficando cada vez mais "complicado" ao ponto de seus pais instalarem um programa de monitoração em seu computador e vigiá-lo mais de perto. Eles sentiam que o filho estava com a vida em risco e fariam qualquer coisa para salvá-lo. Enquanto isso, uma criança é cruelmente humilhada pelo professor e colegas de classe e uma mulher é espancada até a morte, encontrada com o rosto todo desfigurado, impossível de identificar. Outra família é afetada, dessa vez por uma doença. Seu filho está com uma doença terrível e precisa urgentemente de um transplante de rim, só que ninguém na família é um doador adequado... e uma mulher, uma dona de casa que vivia pela família, desaparece depois de fazer compras para as filhas num shopping. Todas essas vidas se ligam de forma impressionante, chocante, no final. Um final que me deixou de boca aberta.


- Quanto mais lia este livro, mais desesperada eu ficava.rsrsrs... Logo no início, uma mulher é assassinada. Cruelmente assassinada e isso me afeta. Eu não sabia quem ela era, mas sabia coisas que me faziam lamentar profundamente. E então outras coisas foram acontecendo na história, me fazendo desejar largar o livro e ao mesmo tempo saber que aquilo seria impossível. Eu não podia largar a história até terminar de lê-la. Então, segui lendo o livro até o final. E depois de lê-lo eu desejei jamais tê-lo lido.kkkkkkk... E também lamentei por ter conhecido esse autor.rsrs... Ele é muito talentoso, gente! Demais! E é exatamente esse o problema. Ele consegue fazer exatamente o que pretendia: nos envolver com suas histórias e sentir muito por cada personagem, até mesmo pelos vilões. E eu não fiquei muito contente por ter me envolvido tanto com esse livro. Ele despertou em mim medos já adormecidos e me fez ficar mais "complicada" do que já sou.kkk... Me fez pensar principalmente numa coisa: o quanto somos vulneráveis. O quanto somos pequenos e incapazes de proteger quem amamos. E isso me deixou muito nervosa. É claro que não sou nenhuma ingênua, é claro que sei o quanto o mundo é cruel, sei que as coisas podem acontecer com qualquer pessoa, mas tinha bloqueado isso. Esta história desbloqueou esse conhecimento e eu não fiquei contente. Não é bom ficar pensando nessas coisas. Mas esse livro também me ensinou algumas coisas e me fez lembrar de coisas que eu já sabia, mas fazia tempo que não colocava em prática. Não poderia deixar de considerá-lo especial. Ele precisava fazer parte desta lista.




"Ela levantou da cama e pegou a mala. No fundo, havia um pequeno álbum de fotos. Claire pegou-o e sentou-se na cama. 

Havia apenas cerca de uma dúzia de fotografias no álbum, todas tiradas antes que ela fosse embora de Seattle, aos 6 anos. Ela e Nicole rindo. Ela e Nicole montadas em um pônei. As fantasias idênticas para um Dia das Bruxas, quando ambas foram a Dorothy, de O Mágico de Oz. Uma das fotos mostrava as duas juntas, na cama, dormindo aconchegadas uma à outra como gatinhos.

Claire tocou a superfície lisa e fria do álbum, lembrando, ansiando, sabendo que nada mudaria o que o tempo e a distância haviam destruído."



Três irmãs são profundamente afetadas pelas escolhas equivocadas de seus pais e uma longa separação é provocada, magoando o coração dessas meninas quando elas ainda são crianças e fazendo a mágoa permanecer por muitos e muitos anos, afetando suas vidas e seus relacionamentos. Elas não conseguiam seguir em frente, pois estavam presas ao passado e todos os relacionamentos que tentavam, acabavam dando terrivelmente errado. Elas precisavam acertar as coisas, se livrar dos fantasmas que as perseguiam, mas nenhuma delas tinha a coragem para tentar. E então... Jesse, a irmã caçula, é pega na cama com o marido da irmã que a criou (Nicole. Irmã gêmea de Claire), fazendo com que o reencontro tão desejado e tão temido aconteça.

Jesse é expulsa da casa daquela que tinha sido mais do que uma irmã para ela. Tinha sido sua mãe, a tinha criado desde que ela era um bebê e a quem ela tinha traído de forma tão terrível. Só que Nicole precisava muito de alguém para ajudá-la naquele momento, pois faria uma cirurgia que a impossibilitaria de administrar a confeitaria da família por um tempo. Como Jesse já não era bem-vinda nem em sua própria casa e nem na confeitaria, ela entra em contato com Claire, pedindo que ela volte para casa, depois de tantos anos de distância, para poder cuidar de Nicole ao menos uma vez na vida. Claire larga tudo sem pensar duas vezes, desejando profundamente se acertar com a irmã que tempos atrás tinha sido sua melhor amiga, e volta para casa. É claro que tudo não acontece de forma tão fácil, mas mesmo depois de muitas dificuldades e mais anos de sofrimento, as três acabam por se perdoar e fazer as pazes, para nosso alívio e alegria. E todas elas realizam os sonhos de seus corações e encontram aqueles que tinham sido feitos especialmente para elas. Os únicos capazes de entendê-las e aceitá-las tal como elas eram. A história dessas três irmãs possui um final cor-de-rosa que nos deixa a suspirar. Eu sabia que essa trilogia era especial, logo quando o primeiro livro saiu, mas somente lendo a gente percebe o quanto ela é fofa e deliciosa. Livrinhos que nos fazem rir e também nos emocionam em certos momentos. Tudo que a gente deseja, enquanto lê essa trilogia, é que essas três irmãs complicadas façam as pazes e encontrem o amor da vida delas. Quando esse desejo é atendido nós quase pulamos de felicidade.rsrs... Sempre lembro dessa trilogia com muito carinho e já me considero fã da Susan Mallery. Quero muito ler outros livros dela. E tenho certeza de que jamais esquecerei Claire, Jesse e Nicole. Cada uma é especial da sua maneira e se amam tanto... é muito triste vê-las feridas e lutando contra esse amor. São tudo que restam daquela família. Os pais, que tinham provocado toda aquela dor, já tinham partido. Elas só tinham umas as outras. E faziam questão de lutar para se manterem afastadas. Mas não se pode lutar contra o amor, não é verdade?rsrs...




"Madame Piris olhou-a dentro dos olhos e havia alguma coisa no olhar da velha que fez Catherine ficar gelada. 

- Vá para casa.

Catherine engoliu em seco.

- Aqui é minha casa.

- Volte para o lugar de onde você veio."


" - Por quê? - perguntou Catherine, com uma sensação de horror começando a envolvê-la. - O que está errado? 

A velha sacudiu a cabeça. A voz estava rouca e ela sentia dificuldade para dizer as palavras.

- É tudo em volta de você. 

- O que é? 

- Vá embora! - Havia uma urgência na voz da mulher, um tom alto, estridente e penetrante como o gemido de um animal ferido. Catherine podia sentir o cabelo na nuca começando a se arrepiar.

- A senhora está me assustando - gemeu ela. - Por favor, diga-me o que está errado.

A velha sacudiu a cabeça de um lado para o outro, com os olhos nervosos.

- Vá embora antes que apanhe você."


- Duas mulheres. Com vidas completamente diferentes acabam tendo suas vidas ligadas por causa de um homem. Um sedutor que sentia prazer em iludir as mulheres, aproveitar todas as vantagens dessa ilusão e depois partir, deixando-as destruídas. Só que, depois de tanto curtir esse joguinho, ele cruza o caminho de uma mulher que ele jamais poderia esquecer na vida. Uma mulher que não o deixaria esquecer dela e o destruiria assim que a oportunidade surgisse. Por ele, ela vive. Cada dia, cada mês, cada ano. Ele é seu motivo para viver, pois enquanto ela estivesse viva haveria chances... para matá-lo. 


- Para saber mais detalhes sobre essa história, leia a resenha. :) Não dá para falar sobre Catherine e Noelle, explicar a história delas, de modo resumido como os livros acima. Há muita coisa que eu precisaria dizer e ficaria muito longo. Só vou falar dos meus sentimentos pela história. Alguns deles.

- Não é segredo para ninguém que sou completamente louca pelos livros do Sidney Sheldon. E que os livros dele sempre me "destroem".rsrs... Esse vício começou em 2009, se eu não estiver enganada, e desde então só vem piorando.rsrs... Dos livros que eu tenho, o Sidney Sheldon é o autor do qual eu mais tenho livros.kkkkk... Tanto livros que ganhei da minha mãe quanto livros que comprei. E o meu mais amado é Se Houver Amanhã. Eu quero até ter todas as versões dessa história.kkkkk... Sim. Sei. Loucura! Mas não sei explicar. Acho que é a forma como o autor me coloca dentro das histórias dele, o quanto suas mocinhas são guerreiras e imperfeitas. O quanto sofreram e são capazes de tudo para fazer justiça (se bem que elas fazem justiça de uma forma... cruel.rsrs...). Tracy é a minha querida e nunca a esqueci. Mesmo com o passar dos anos. Nunca vi um autor masculino que desse tanta importância à mulher em suas histórias. Só li um livro dele no qual isso não aconteceu (A Outra Face, que creio que foi o primeiro livro que ele escreveu). E em "O Outro Lado da Meia-Noite" nada foi diferente. O autor ainda por cima resolveu que teríamos duas heroínas (que em alguns momentos combinam mais com o papel de vilãs... estou falando de uma em especial.) para mexer ainda mais com os nossos nervos.rsrs... Ele nos conta toda a história delas. Mostra momentos da vida de uma e depois pula para a vida da outra e assim vai. Nós nos envolvemos. Profundamente. E no final... ele vem e apronta das suas. Nesses momentos eu chego a odiar o autor.kkkkkk... Por mais que o ame. Tanto eu tinha tido esperanças, mesmo não querendo ter. Tanto eu esperava por uma chance, torci tanto... quis tanto acreditar que ainda haveria alguma chance... mas o autor não quis que as coisas fossem como eu desejava. E essa história me marcou. Quando li a continuação da história eu estava triste. Não posso dizer o motivo, mas não foi a mesma coisa. Por mais que eu saiba que o autor agiu de uma forma adequada, dadas as circunstâncias... por mais que eu soubesse que as coisas não poderiam ser como eu desejava... eu simplesmente tinha esperanças. E o autor as destruiu. Esse é meu problema com os livros dele. Ele me envolve com suas histórias e não tem um pingo de piedade na hora de fazer sofrer seus personagens e nos fazer sofrer junto. Tem horas que penso que a Florencia Bonelli aprendeu isso com ele.kkkkkkkkkkkkk... 




"Não pararam até chegar ao quarto que Tristan ocupava. Aconchegando-a, aproximou-se da lareira acesa, consciente de que ela tremia de frio.
— Tristan...
— Calma, não vou machucar você outra vez, prometo. 
Dentro em pouco, sentiu a cabeça dela apoiada contra seu peito e percebeu que ela dormia. No momento, Tristan sentia apenas ternura, e permaneceu ali por alguns minutos, absolutamente imóvel, apreciando a proximidade de ambos.
Em seguida, ergueu-se e depositou-a na cama, soltando o manto, depois colocando as cobertas em volta dela. Sorriu antes de sair, e não trancou a porta."

- Claro que esse livro também não poderia ficar de fora desta lista!rsrs...Um livro que eu simplesmente adorei e considero a melhor história que li da Shannon Drake. 

Genevieve e Tristán são inimigos. Cada um é aliado de um rei e estão de lados opostos. Então, num determinado dia em que Tristán, seguindo as ordens de Henrique Tudor, decide fazer a família de Genevieve jurar lealdade à Henrique, o pai e o noivo dela decidem lutar e acabam morrendo. Tentando proteger os seus, Genevieve atrai Tristán para uma armadilha, ganhando seu ódio e a promessa de que fará ela se render. Completamente. Tempos se passam e quando Ricardo perde e Henrique Tudor assume o trono, Genevieve, desesperada, decide ir até a Corte para jurar lealdade ao novo rei e assim proteger a tia, a sobrinha e todo o povo que dependia dela e não podia sofrer as consequências de sua antipatia pelo novo rei. Era necessário se humilhar. O que ela não esperava era rever Tristan na Corte e ser entregue pelo rei aos, digamos, cuidados de Tristan.rsrs... Ela se torna sua prisioneira e assim a história realmente começa, cheia de momentos engraçados, tapas e beijos. Amor e ódio. Paixão e revolta. Acho esse casal muito fofo e apesar das cenas em que o Tristán perde a paciência com a Genevieve e acaba batendo nela, eu não consegui odiá-lo. Só existem dois momentos nos quais ele a machuca. E nos dois momentos ela provocou aquilo, mesmo que não tenha tido a intenção. Mas o Tristan é tão fofo, gente!rsrs... Em muitos momentos ele teve muita paciência com ela, paciência que vários mocinhos que eu conheço, jamais teriam. É horrível admitir, mas nem mesmo Conn (meu querido de A Conquistadora) teria a paciência que o Tristan teve. Ele não a tratou tão mal como eu esperava que trataria quando comecei a ler o livro. Eu me apaixonei por ele quase à primeira vista. Seu sofrimento me sensibilizou muito e vê-lo agindo tão diferente da forma que eu esperava, me conquistou. Só lendo vocês poderiam entender do que estou falando. A Genevieve aprontou bastante (mesmo que no lugar dela eu certamente fizesse o mesmo) e outro mocinho no lugar dele a teria tratado terrivelmente mal. A única maior punição que ela sofreu foi ficar trancada na torre e mesmo assim nada lhe faltava. Ela reclamava tanto por nada, pois já vi mocinhas sofrerem mil vezes mais que ela. A Gelina (mocinha de A Conquistadora) que o diga!rsrs... Genevieve foi uma sortuda! Somente uma coisa eu gostaria que tivesse sido diferente: que o livro tivesse sido melhor desenvolvido. Apesar de ser delicioso, nota-se que algo não está exatamente certo. Não sei se foi obra de mutilação da editora ou não, só sei que ele poderia sim ser muito melhor. Mesmo assim, ganhou o direito de fazer parte desta lista.rs...




A partir daqui farei diferente, ok? Os livros que já citei são especiais, mas a partir de "A Doçura da Chuva" as coisas se complicam. A Doçura da Chuva e os livros que virão são mais do que especiais. Vão muito além disso e não há forma de eu simplesmente falar deles agora. Ainda hoje não sei como consegui fazer a resenha desses livros, pois são justamente os livros dos quais não consigo falar. Livros que me deixam sem palavras, como se existisse um nó, sei lá, algo bloqueando... Eu só sinto, gente, mas não consigo colocar esse sentimento em palavras. Quando me lembrei do Ben aqui me peguei sorrindo com as lembranças. Sem mencionar aquela égua maltratada que foi salva pelo Ben e pela Kara. E também lembrei do irmão do Ben e dos pais biológicos da Kara. Sinto saudades deles. E como não terei palavras agora que sejam suficientes, retirarei trechos da minha resenha. E o mesmo acontecerá com os livros que virão. Nem os trechos da resenha são suficientes, mas ao menos é alguma coisa. Só posso pedir que vocês deem uma chance para esses livros. No final direi quais são os livros para os quais vocês não podem deixar de dar uma chance. Livros que vocês simplesmente precisam ler. :D

" - Às vezes ainda parece que foi ontem. Estou a ver televisão e penso: "Eles haviam de ter gostado disto. Gostava de poder vê-los a assistir a este programa." Vejo pessoas da minha idade a jantar fora ou às compras com os pais e invejo-as terrivelmente. Vejo uma nova cor de azálea e quero comprá-la para a minha mãe, porque ela adorava azáleas. Quero falar-lhe nisso, só para ver os seus olhos iluminarem-se. Compro um cavalo novo e penso: "Será que o meu pai teria gostado deste?" Isso é o pior, sabe? Querer falar com eles, mas não saber sequer se eles ainda me ouvem."


"Ben engoliu em seco. Virou o rosto para a paisagem do pântano. 

- Olho para ali e daria tudo para que eles pudessem estar aqui e ver esta paisagem. Para que tivessem aquilo que sempre quiseram, um rancho como este. Terra. Um sítio a que pudessem chamar seu. Tento pensar neles no... Céu, ou como queiras chamar-lhe... a olharem para mim e para Joey com satisfação. Digo a mim próprio que eles não estão tristes por nunca terem tido um rancho como este.

Digo que eles estão para além de todas as necessidades e desejos terrenos. Mas... parte de mim detesta pensar no que eles perderam e naquilo que o Joey e eu perdemos por eles terem morrido novos, aquilo que só tive possibilidade de lhes dar depois de eles já cá não estarem. Daria tudo para os ouvir dizer que estão orgulhosos de mim. Não viveram o suficiente para eu poder estar à altura dos seus sonhos."


- Bem... Antes de colocar o trecho que escolhi da minha resenha, vou comentar algo sobre o trecho do livro que coloquei acima. Sabe aquele trecho que te coloca novamente dentro da história? Foi isso que esse trecho fez. Estou aqui escrevendo com as lágrimas quase me cegando. Simplesmente porque era como se eu estivesse lá de novo. No interior da Flórida. Dentro do livro. Era como se eu estivesse lendo tudo de novo. E as emoções tomaram conta de mim novamente. Eu já disse, mas repito: ler esse livro é um privilégio. Ele é tão especial que vocês sequer podem fazer ideia. A única forma de saber o quanto ele é mágico, é lendo a história. Quem ainda não o leu, não faz ideia do que está perdendo. 


Trecho da minha resenha:

- Existem livros bons. Ótimos. Maravilhosos. E existem aqueles que além de serem inesquecíveis, nos deixam sem palavras. Fazem com que não saibamos o que dizer. Ou como dizer. E A Doçura da Chuva é um desses livros. Este livro me deixou completamente sem palavras. Não faço ideia de como colocar em palavras o que sinto pela história. Por enquanto, tudo que posso dizer é que este é um dos livros mais especiais que já tive o privilégio de ler. E que eu o recomendo muito. Se você tiver uma oportunidade, leia-o! Não irá se arrepender. Sabe aqueles livros que possuem magia sem serem sobrenaturais? Que são mágicos por serem profundos e humanos? Humano... Sim, este é um livro humano. Com personagens especiais, com defeitos e qualidades. Que erram e admitem seus erros. Que sentem medo, dor, angústia, esperança. Que acreditam em Deus. E que em outros momentos, momentos de desespero, se perguntam se Ele realmente existe. E se existe, por que permite que certas coisas aconteçam. Este livro possui personagens que lutam mais do que muitas pessoas deveriam lutar. Que sofrem mais do que muitos e que mesmo assim, estão sempre prontos a dar um sorriso. Prontos para ajudar. Personagens (que para mim são pessoas) que acreditam na humanidade mesmo que a humanidade os despreze. Que são capazes de ver numa égua violenta apenas uma pobre bebê que foi magoada e que precisa de ajuda. 

- Personagens com deficiências físicas ou/e mentais. Pessoas desprezadas, excluídas, condenadas injustamente. Que suportam as palavras cruéis e tentam não acreditar no que aquelas pessoas más dizem. Pessoas que encontraram num homem atormentado pelo passado e pela certeza de que está perdendo seu irmão, ajuda, esperança, socorro. Elas encontraram neste homem tão sozinho alguém que não as desprezava e estava disposto a permitir que elas vivessem como pessoas normais. Que estava disposto a mostrar que elas também eram preciosas, importantes. Que eram mais do que pessoas que tiveram o azar de serem deficientes mentais. 






- Não foi à toa que eu disse que a partir de A Doçura da Chuva teria que fazer diferente. Agora só são livros que me roubam as palavras, gente! Deus! Só de lembrar desse livro eu sinto um nó na minha garganta. Eu posso ter lido poucos livros esse ano, mas felizmente muitos deles foram especiais. Flores na Tempestade é simplesmente emocionante. Acredite, nada do que eu disse na minha resenha ou conseguisse dizer aqui, seria suficiente. Leia o livro! Leia e perceberá o quanto ele é incrível. Você nunca conseguirá esquecer o Christian. E muito menos deixar de chorar por ele e querer protegê-lo de tudo e todos. Eu quis muito entrar nesta história, pegá-lo no colo e acabar com a raça daqueles que estavam dispostos a destruí-lo. Eu quis muito protegê-lo. Mas não o vejam como um coitadinho. Ele vai te mostrar que não é nada disso. Um homem que sofreu, sim, mas que não perdeu a coragem e muito menos seu jeito sedutor de ser.kkkkk... Ainda dentro daquele hospício ele pegou a Maggie "de jeito"... Sabe o que eu quero dizer, não é?rsrs... Ai, gente! Que beijo foi aquele!kkkkkkkk... Enfim... O Christian é especial. Menino perdido em alguns momentos, homem atormentado em outros e um sedutor que nos rouba o fôlego e nos deixa de pernas bambas em certos momentos.rsrs... 


"Maddy sentiu que a vontade a abandonava para sair ao encontro da dele. Entreabriu os lábios. Ele respondeu de imediato com uma união profunda e ardente. As mãos deslizaram para se fecharem em volta dela. Apertou-a contra o corpo e apoiou os antebraços na porta.

Estava envolta por ele. Os beijos pareceram-lhe estranhos, dolorosos e carregados de eletricidade. Abriu as mãos desesperada, a tentar tocar em algo que não fosse o corpo dele, mas tudo era ele. Era a única realidade sólida que tinha ao seu alcance. Acariciava-lhe os cabelos com as palmas abertas com muita doçura, uma e outra vez, como um pai que acaricia um filho, ao mesmo tempo que a beijava e se apertava com força contra ela numa união poderosa de bocas e corpos."


" - Não... voltar. Não!

- A decisão não é minha. Não me cabe a mim dizê-lo.

- Embora! - Havia uma súplica na palavra. - Agora.

Ela, sem saber que fazer, afastou-o com um empurrão.

- Então, vai-te embora! Não farei nada para o impedir.

Agarrou-se a ela e sacudiu-a.

-Os dois. Embora os dois.

- Não - disse, abatida. - Isso é impossível.

Christian baixou a cabeça e gemeu.

- Não... um não. Maddy! - exclamou, e cravou os dedos nos ombros dela. - Não posso. - Atraiu-a a si e apoiou o rosto na curva do pescoço da jovem. - Maddy. Missmaddy. Um não. Não posso."



Trecho da minha resenha:

- Não sei como colocar em palavras tudo que gostaria de dizer. Sinto tantas coisas ao mesmo tempo, sabe? Vontade de chorar e de rir. Amor e ódio. Alegria e tristeza. Saudades. Sim. Faz pouquíssimo tempo que terminei a leitura, mas sinto uma saudade enorme do Christian. Do meu menino vulnerável, do homem sedutor e safado, do homem apaixonado e capaz de lutar contra suas limitações por amor. Capaz de ter coragem, mesmo desejando fugir para bem longe, mesmo tomado pelo medo. Ele teve coragem de enfrentar seus medos e sinto um orgulho enorme dele. Ele é tudo para mim. Amo demais o Christian, gente. O que sinto por ele não tem limites e nem explicação. Eu simplesmente sinto. É um sentimento maravilhoso e inexplicável. Forte e especial. Ele me conquistou logo que comecei a leitura. Primeiro com seu jeito sedutor e safado de ser. Descarado.rsrs... Inconsequente. Depois, ele provocou outro impacto no meu coração quando o vi naquele manicômio e o sentimento foi ficando mais forte, me fazendo chorar de tristeza e impotência porque eu não era capaz de tirá-lo de lá. Porque eu não podia fazer nada embora desejasse com todas as minhas forças ver o sofrimento dele acabar. Perdi a conta de quantas vezes xinguei e gritei de raiva. De quantas vezes fechei os olhos, coloquei as duas mãos sobre eles e me deixei levar pelo desespero, desejando que tudo aquilo acabasse logo. Foram muitos os emails que enviei para minhas amigas. Muitos os momentos nos quais desejei fechar o livro e interromper a leitura. Mas eu não interrompi. Sabem qual é o motivo? Conseguem adivinhar? Eu simplesmente não poderia "mudar de canal", não podia abandonar o Christian. Fingir que ele não estava sofrendo. Eu não podia deixá-lo sozinho e queria muito mesmo vê-lo longe dali. Para isso, eu precisava continuar. E valeu muito a pena. Não me arrependo de ter seguido em frente. Me arrependeria se não tivesse feito isso. 





Acho que todos aqui sabem o quanto o Carlo é especial para mim, não é? O Roger pode ser único para mim, mas eu jamais poderia colocar o Carlo abaixo de ninguém. Por isso é que terei que separar os mocinhos especiais em listas por temas.kkkkk... Assim, cada um ocupará o primeiro lugar, só que em listas diferentes. Vocês nem precisam dizer que sou louca. Eu já sei disso!kkkk...


" — Desde que eu te conheci uma luta cruel se desatou dentro de mim. Duas vozes me atormentavam, dia e noite; uma me obrigava a te odiar, a outra me fazia te desejar. Por momentos, ganhava uma; por outros, a outra. Nessa luta, me destruíam sem compaixão, como cães brigando por um pedaço de carne. Passei noites acordada pensando em você, no quanto te queria. Nunca um homem tinha me atraído de tal forma. E de novo o teu mundo, tua sórdida realidade me aterrorizavam e me forçavam a me manter longe. Longe de você — repetiu, tristemente —. Já não posso, Carlo. Cansei de viver sem você. Não posso estar sem você. Já não quero mais lutar. Deus sabe que eu tentei, mas me rendo."


Trecho da minha resenha:


Antes de começar essa resenha, eu pensei em contar todo o passado do meu Carlo, para impedi-los de condená-lo por seu modo de vida. Para salvá-lo das pedras que alguns poderiam atirar. Afinal de contas, desde quando um cafetão causa admiração? Um homem que vive do dinheiro que as prostitutas levam ao se deitarem com os clientes? Um tipo desse causa nojo, indignação, não é? Mas o mundo não é preto e branco, queridos. Existem muitas coisas por trás das decisões de algumas pessoas. E existe muito por trás da escolha de vida do meu Carlo. Por favor, peço que não o julguem antes de conhecê-lo. Lhe deem uma chance. Ele merece. Tenho certeza que ninguém conseguirá ficar indiferente a beleza dele. E não é da beleza exterior que estou falando. Ninguém ficará indiferente ao seu sofrimento e a tudo de bom que ele carrega dentro dele, sem ao menos imaginar isso. Carlo é um dos mocinhos mais incríveis, mais humanos e intensos que eu tive o privilégio de conhecer. Ele é puro sentimento. Só falar dele me emociona. Ele atingiu a minha alma. Entrou dentro do meu coração sem pedir licença e jamais irá sair de lá. Passe o tempo que passar, eu jamais irei esquecê-lo. Sempre irei amá-lo e defendê-lo com unhas e dentes. Com todas as minhas forças. Ele é totalmente digno de amor e perdão. Merece o melhor que a vida possa oferecer. Merece ser feliz e amado. E ter a vida que tanto desejou ter, os sonhos que lhe foram roubados. 

- Eu já amava o Carlo antes de conhecê-lo, mas o amei muito mais depois de conhecer esse homem tão incrível, um mocinho que mesmo depois de ter vivido o inferno na Terra conseguia abrir o coração para o amor. Que mesmo depois de tanto ter sofrido na vida e de se considerar um lixo, ainda conseguia ter esperanças e se entregar ao amor sem reservas. Sem limites, sem pensar em mais nada. Eu amo o menino, o adolescente, o jovem e o homem que ele era. Meu amor por ele não pode ser medido. Amo o homem apaixonado, que cortou a saia da Micaela e a obrigou a dançar tango dentro de um bordel, no meio de clientes e prostitutas. A cena do tango é uma das cenas mais lindas do livro. Nos faz viajar e suspirar. Sonhar acordadas.rsrs... É uma cena maravilhosa e tenho certeza que vocês também vão amar. Amo o homem que estava destruído por dentro e implorava a Deus por uma nova chance. O amo simplesmente pelo que ele é, queridos. E ele não é um cafetão! Essa podia ser sua profissão, mas ele não era aquilo em sua essência. Sua alma jamais foi contaminada por aquele mundo. 




- E a situação só se complica cada vez mais... rsrsrs... Um pouco antes do Natal, eu peguei esse livro para reler alguns trechos. Sabe quando você já sabe exatamente onde se encontra determinada cena no livro?rsrs... Eu sabia exatamente o que queria ler e fui diretamente para essa cena. A cena na gruta. Quando o Conn e a Gelina vivem um momento marcante. Uma cena que só me provou que o Conn a amava de forma incondicional, mesmo sendo cruel com ela em alguns momentos. Querem um trecho da cena que reli? Só um pedacinho, nada mais. :D

"- Faz qualquer coisa por mim, minha Gelina - disse, arrastando as palavras. - Vou cair. Depois disso, peço-te que me mates ou me abandones.

Antes de acabar de falar, caiu ao chão. Gelina atirou-se para trás dele, a fim de lhe amortecer a queda no instante em que ele perdia os sentidos. 

Sentada na lama fria com a cabeça de Conn retorcida no seu colo, Gelina inclinou-se e segredou-lhe:

- Visto que provavelmente vais morrer, quero que saibas que te amo quase tanto como te odeio.

Conn pestanejou uma única vez e murmurou:

 - Também eu."

Só isso?????????????!!! Foi só isso que você releu? Não.rsrs... A cena começa um pouco antes desse momento e eu fui lendo até ultrapassar a cena na qual a minha mocinha querida perdeu toda a sua paciência e derramou sobre a cabeça de uma vadia que estava paquerando com o Conn, um prato cheio de comida quente.kkkkkkkk... Passei pela cena na qual o Conn engana a Gelina para atraí-la para o seu quarto e antes que ela possa conseguir escapar, avisa (assim como quem não quer nada) que existe um guarda do lado de fora. Eu me acabei de rir aqui relendo isso. Ele não jogou limpo, mas como posso condená-lo?! Ele ama essa menina! E ela também o ama. Loucamente. Só que sempre tem um filho da pontualidade tentando estragar tudo.


Trecho da minha resenha:

- Estou aqui pensando... E cheguei à conclusão de que, mesmo que eu viva cem anos, não serei capaz de esquecer essa história. Nem se vivesse mil anos poderia esquecê-la. Ainda sinto as minhas mãos trêmulas de angústia e emoção. Estavam geladas e úmidas e agora estão apenas geladas. Mesmo que a pior parte da história já tenha passado e eu já tenha lido o seu final, continuo emocionada demais até para escrever essa resenha. Acho que nunca vou superar esse livro. Agora entendo por que sentia que seria injusta se comparasse o Conn com o Roger. Não poderia colocar o Conn abaixo do meu querido Roger e por isso, evitei compará-los. Mas ambos são inesquecíveis da maneira deles. E A Conquistadora também me marcou de uma forma impossível de esquecer. A vida inteira lembrarei dos momentos em que estive com esse livro nas mãos e de tudo que senti durante a leitura. E o que senti depois. Não dá para colocar em palavras. Só quem leu esse livro pode entender o que estou sentindo nesse instante. Se disser que estou em lágrimas vocês vão me achar muito boba? Mas é a verdade. Depois de fechar o livro não pensei que abandonei a história e sim que o Conn, a Gelina, o Nimbus e essa belíssima e angustiante história de amor e vingança, ódio e paixão me abandonaram. Me senti muito sozinha depois de terminar de ler a história. Estou com uma vontade louca de recomeçar a ler o livro todo de novo. 





- Acho que nunca na vida conseguirei me "libertar" desta história. Nem tentando. Não é nenhum romance de amor, gente. É um thriller psicológico que mexe profundamente com nossos nervos, nossas emoções... Que nos abala demais. E como me abalou! 


"Você tem jeito de ter abraçado essa profissão porque quer mesmo ajudar as pessoas.


Talvez não possa me ajudar. Isso me deixa triste. Não por mim, mas por você. Deve ser frustrante para um terapeuta ter um paciente incurável. Aquele primeiro profissional que procurei ao voltar para Clayton Falls me disse que ninguém é uma causa perdida, mas acho isso balela. Tenho certeza de que tem gente que fica tão esmagada, quebrada, que nunca deixará de ser um fragmento humano.


Eu me pergunto quando a coisa aconteceu com o Maníaco. Qual terá sido o momento decisivo... o momento em que alguém pisou com o calcanhar da bota e esmagou a vida dele e a minha.


... Teria sido no útero? Ele teria alguma chance? Eu tive?


... Ele tinha o lado maníaco, o cara que me sequestrou, me espancou, me estuprou, me submeteu a brincadeirinhas sádicas, me aterrorizou. Mas, às vezes, quando estava reflexivo, feliz ou entusiasmado, quando seu rosto se iluminava, eu enxergava o sujeito que ele poderia ter sido. Talvez aquele cara tivesse formado uma família e ensinado a filha a andar de bicicleta, e teria feito para ela bichinhos com balões, você entende? Que droga! Talvez tivesse sido um médico e salvado muitas vidas." 


Trecho da minha resenha:

Alguém aqui já assistiu Lei e Ordem: Unidade de Vítimas Especiais? Já assistiu algum filme sobre psicopata? Eu já. E mesmo assim fiquei chocada com as atitudes do Maníaco. E não só chocada. Apavorada. Completamente apavorada. Foram muitos os momentos nos quais eu fiquei gelada. Nos quais eu tremi e senti náuseas. Senti desespero por não poder tirar a Annie de lá. Imaginei cada cena. Vi suas lágrimas, escutei seus gritos, imaginei sua dor, sua angústia. Pude escutar ela chamando pela mãe, pelo namorado... por alguém que a socorresse. E foi um pesadelo. Minhas noites de sono não foram nada boas enquanto eu lia esse livro. E mesmo quando terminei a leitura, continuei em agonia. Cada soco, cada coisa terrível que ele fazia com ela me deixava desesperada. Eu só queria que um milagre acontecesse e ela conseguisse sair dali. Esperava a cada instante que a polícia invadisse o local e a socorresse. Mas o tempo passa, gente. O tempo passa e ninguém aparece.




Por falar em livros que nos abalam... Passe o tempo que passar, jamais esquecerei desta história. E jamais esquecerei da Suzana. Entre todas as personagens, ela é aquela que mais me marcou. Aquela que invadiu meu coração e que se tornou importante demais para mim. Nunca a esquecerei. Seria impossível. 

Quando preparei a lista, eu soube que seria difícil falar desses livros. Soube que seria até mesmo doloroso. Por causa da saudade e outras coisas... Mas não podia imaginar que seria tão difícil como está sendo. Existem livros que nos marcam, gente. Marcam demais e que fazem lágrimas virem aos nossos olhos quando falamos deles. "O Diário de Suzana para Nicolas" é um desses livros. 


"Coisas ruins acontecem às vezes, Nicolas. Lembre-se sempre disso, mas lembre também que é preciso seguir em frente de alguma maneira. 
A gente levanta a cabeça, olha para alguma coisa bonita, como o céu ou o mar, e segue em frente, caramba." 


"É tão estranho", eu disse. "Tudo pode estar indo perfeitamente bem e então um dia, bum, somos apanhados de surpresa... um maldito e mísero golpe que nem tivemos a chance de ver." 


Trecho da minha resenha:

É uma história que realmente poderia acontecer. Profunda, tocante, perturbadora. Antes mesmo de chegar ao final do livro é impossível condenar o Matt. Porque a gente percebe que ele é uma pessoa maravilhosa. Em seus poemas nós enxergamos sua alma. Em cada atitude. A forma como ele olha para Suzana, a forma como olha para a Katie, para o Nicolas. Nós enxergamos seu amor. E quando ele chora, nós sentimos vontade de chorar também. Matt é marcante. Nicolas é um anjo. Katie é especial e tão digna do Matt quanto Suzana. Mas é Suzana a personagem mais marcante desta história. É ela que mexe profundamente com a gente. Nos ensina grandes lições, como a das cinco bolas. De maneira simples, ela constrói um espaço só seu em nossos corações. Nos faz pensar em nossa vida, nossas atitudes e escolhas. Fez com que eu tomasse uma séria decisão. Suzana se tornou minha amiga. Minha grande amiga. Aquela que tem os melhores conselhos, que te faz seguir em frente. Eu nunca poderei esquecê-la. Levarei suas lições sempre comigo. Ela agora é parte de mim. Minha conselheira, minha amiga. Assim como o Roger é meu mocinho preferido, acima de todos. Suzana é minha mocinha preferida, acima de todas as outras. 


1.º lugar - O Porto das Tormentas - Florencia Bonelli (O Quarto Arcano - Segunda parte)


Seria impossível esse livro ficar de fora da lista de melhores, verdade? Completamente impossível!rsrs... Quem me conhece sabe que eu ainda "respiro" o Roger. Ainda penso DEMAIS nele. Ainda sonho com ele, choro por ele e me acabo de rir ao lembrar de certas cenas. E suspiro aqui... quando lembro do amor belíssimo, quase doentio, arrebatador, desesperador, que o une à Isaura. Uma cena que nunca me sai da cabeça é aquela na qual ele se ajoelha perto dela e diz que faria qualquer coisa por ela. Nunca conseguiria explicar com palavras como posso amar tanto o Roger. São coisas que somente sentimos. Que não podem ser explicadas. O meu Roger possui muitos defeitos, nunca neguei isso. Mas pouco me importam!rsrs... Porque apesar de todos os defeitos, apesar de tudo que tenha feito ele se sentiu lançado na direção da Isaura assim que a conheceu. Ele a desejou e se apaixonou. Ele a amou e por ela, ele quis ser diferente. Ele procurou mudar. Em sua essência, o Roger nunca foi um homem mau. Ele tinha problemas de comportamento (risos), mas nunca foi ruim. Só que pela Isaura, ele queria ser cada vez melhor. Ele queria que ela se orgulhasse dele. Gente, ele era forte diante de tudo e todos, mas bastava a Isaura sofrer, para que ele perdesse suas forças. Para que ele se desesperasse. Não me esqueço da cena na qual ele chorou por algo que tinha acontecido no passado dela. E quando ele disse que se aquelas cicatrizes eram dela, também eram dele... Toda aquela intensidade... Todo aquele amor... Eu já estou chorando aqui de novo!kkkkkk... Não consigo falar dele sem chorar. Ele mexe demais com as minhas emoções. Isso é totalmente inexplicável.kkk... Já faz um ano que eu o conheci e parece que foi ontem. E ao mesmo tempo... parece que ele está tão longe de mim, sabe? Porque eu queria ler mais livros sobre ele. Porque eu queria continuar acompanhando sua história. Me pergunto o que será que está acontecendo com ele agora (ninguém aqui tente me lembrar que essa história se passa séculos atrás! Nem tentem!). Que outros desafios ele e a Isaura enfrentaram? Como é o relacionamento dele com os filhos? Eu definitivamente respiro o Roger, pois não importam quantas histórias ainda irei conhecer, nenhuma irá ser tão especial quanto essa. Li livros muito queridos depois do Roger. Livros que me fizeram chorar, rir, que me emocionaram e jamais esquecerei. Mas a história do Roger... é única. Não é à toa que está em primeiro lugar. 


" - Ouve bem, Isaura. Ninguém deveria confiar em mim, a não ser tu. Contigo, dispo-me de todas as máscaras e baixo a guarda, mostro-me tal como sou, sem artíficios nem artimanhas. Por isso tens tanto poder sobre mim, porque tens ao alcance da mão a possibilidade de me destruir, porque chego a ti desarmado. Confia em mim, meu amor - suplicou-lhe. - Confia em mim, Isaura. Não falo de ânimo leve quando te digo que, se tu não confiares em mim, se tu não me amares como eu te amo, perco todas as forças."


"- Desejei com tanto desespero este reencontro - confessou. - Que foi que me fizeste, Isaura, que já não sou o mesmo homem? Vais acabar comigo se não me amares como eu te amo, deste modo doentio. Às vezes penso que estás a dar cabo de mim. Será uma vingança? Quero ver-te louca por mim. Louca, louca! Quero que sofras por mim como eu sofri por ti. Como foram estes meses de separação? Um inferno, como os meus? Diz-me!" 


" - Quero que sofras, que me supliques que te ame, quero que me jures que sou o único, o primeiro e o último." (página 141)

" - És minha? Diz-me. É só de mim que gostas, não é verdade? É só a mim que amas?

- Sim, mil vezes sim, sou tua e de mais ninguém. Sim, só tu és importante para mim, só te amo a ti, meu doce marido.

A resposta convenceu-o. Sorriu-lhe de uma forma que fez com que o coração de Melody disparasse de novo."



Trecho da minha resenha:

Violento. Cruel. Justo. Ameaçador. Espião. Pirata. Implacável... Amante Insaciável. Roger era tudo isso e muito mais. E ninguém era louco o bastante para desafiá-lo. Ele não tinha pena de destruir seus inimigos. Não sentia remorsos. Não era capaz de amar. Ou pelo menos, não se julgava capaz... Não acreditava que seria capaz de encontrar uma mulher que o fizesse baixar suas defesas e se entregar de corpo e alma. Uma mulher que fosse capaz de invadir seu coração e se recusar a sair. Alguém que se tornasse importante demais para ele, que se tornasse tão importante quanto o ar que ele respirava. Que fosse sua força, mas também sua maior fraqueza. Alguém que ele amasse tanto, que vivesse temendo perder. Se alguém tivesse lhe dito que um dia ele encontraria uma mulher que se tornaria mais importante do que qualquer outra coisa, uma mulher que ele amaria sem limites, Roger teria rido até não aguentar mais. Mas ele encontrou.... e ela se chamava Isaura Maguire.

Quando falou com aquela jovem pela primeira vez, Roger sentiu uma mistura de fúria e admiração. Fúria, porque estava mais do que claro que ela o desprezava (por ele ser inglês, mulherengo e dono de escravos... entre outras coisas...) e admiração porque nenhum homem teve coragem de falar com ele como aquela jovem falou. De desafiá-lo tão claramente e de modo tão orgulhoso. Isaura enfurecia-o, fazia-o desejar estrangulá-la, mas ao mesmo tempo ia invadindo seu coração, fazendo-o desejar protegê-la e amá-la até fazê-la desfalecer. Isaura foi tomando conta da sua vida, do seu coração sem pedir licença e ele, tão forte e tão temível, não era capaz de lutar contra os sentimentos que começava a sentir por ela. Rapidamente, Isaura se tornou tudo para ele. E ele tinha medo de amá-la assim. Nunca teve tanto medo na sua vida, quanto passou a ter depois que se apaixonou por ela. Ele sabia que se a perdesse, não conseguiria mais viver. Se a perdesse, perderia também todas as suas forças. Precisava de Isaura. Precisava do seu amor mais do que tudo. Ele poderia perder qualquer coisa e qualquer pessoa e por mais doloroso que fosse, conseguiria continuar vivendo. Mas não poderia perder Isaura. Se a perdesse, morreria. Fato.

Ao lado de Isaura, Roger Blackraven, enfrentou muitas coisas em "O Anjo Negro - O Quarto Arcano". No primeiro livro, ambos enfrentaram momentos de dor e desespero, amor e alegria. Viveram momentos intensos, de pura paixão... e também enfrentaram uma separação dolorosa no final do livro... Separação essa que só intensificou o amor que eles já sentiam. Uma separação que foi necessária para fazê-los confiar mais e terem certeza de que realmente necessitavam do outro para viver. Os setenta dias de separação são terríveis para Isaura e Roger, mas em "O Porto das Tormentas - O Quarto Arcano", a história deles dois continua e um lindo e ao mesmo tempo doloroso reencontro se aproxima...



Bem... E quais, entre os livros escolhidos, vocês não deveriam deixar de ler de modo algum?! 


1- O Porto das Tormentas
2- O Diário de Suzana para Nicolas
3- A Conquistadora
4- Marlene
5- Flores na Tempestade
6- A Doçura da Chuva
7- A Guerra das Rosas
8- Trilogia As Irmãs Keyes

Bjs e até breve!

2 comentários:

Ana Carolina Nonato disse...

Luna, sua linda! :D

Já estava com saudades de aparecer por aqui.
Uau! Você leu bastante esse ano, parabéns! Mas devo confessar que não conheço muito os livros da sua lista, rs...
Gostei da sua ideia dos TOP 12 livros! Eu não faço uma minha porque me surpreendi muito pouco com os que li. 2012 foi quase uma decepção literária, xD!
Mas não pense que eu li pouco! hahaha li exatos 141 livros (socorro), embora não tenha conseguido resenhar metade deles. D:

Minha resolução de ano novo: tentar passar mais por aqui!

Beijão e feliz 2013!!

Luna disse...

Olá, Ana!

Saudades de você, querida! Eu também necessito aparecer mais no seu blog. Sinto falta dele também. Não tenho aparecido tanto como gostaria, infelizmente.

Eu li pouco!rsrs... Gostaria de ter lido muito mais. Vários livros eu quis conhecer ano passado, mas faltou tempo para isso. Desejo conhecê-los este ano! :D


Você sim leu bastante!rsrs... Só lamento por somente poucos terem te surpreendido. Espero que este ano seja diferente. Que você leia livros marcantes! Positivamente marcantes! :)


Bjs!

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.