O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Amor por Encomenda - Mary Burton


(Título Original: The Perfect Wife
Tradutora: Cecília F. Rizzo
Editora: Nova Cultural
Publicado no Brasil em: 2003)



Manter segredos e contar mentiras não ajudavam o início de um casamento... 

Porém, o que mais poderia fazer uma mulher que fugia de um escândalo? Jenna Winslow indagou-se. Quem haveria de querer uma virgem inexperiente acompanhada por um bebê órfão? Com certeza não seria Rowe Mercer, um fazendeiro austero, um homem de padrões inflexíveis... e atrativos irresistíveis!

Ex-caçador de recompensas, Rowe Mercer tinha passado boa parte da vida enfrentando o perigo. Agora, ansiava por dedicar-se a atividades mais tranquilas. Porém, quando Jenna Winslow, a noiva encomendada pelo correio, chegou, ele se perguntou se suas orações tinham sido realmente respondidas. Afinal, poderia haver um futuro para uma jovem refinada do Leste e um homem com um passado sombrio que merecia ser esquecido?





Palavras de uma leitora...



"O futuro incerto lançava uma sombra sobre sua vida. A criação de Kate pesava unicamente em seus ombros, uma responsabilidade assustadora. Tocou-lhe o rostinho e forçou-se a sorrir.

— Eu te amo, Kate. Não importa o que ele disse, você é minha filha agora e nada jamais mudará isto."



- Jenna estava numa situação muito complicada. Apavorante. Estava sozinha no mundo, quase sem dinheiro e com um bebê para criar. Não tinha ninguém em quem pudesse confiar para tomar conta da sobrinha e nenhum emprego onde pudesse ser aceita. Nada sabia sobre bebês e o futuro mostrava-se muito ameaçador. Precisava fazer alguma coisa. Deus tinha que ajudá-la, pois ela faria o que fosse preciso, mas jamais abriria mão de Kate. Jamais abriria mão da sobrinha que ela amava como filha desde que tinha colocado os olhos pela primeira vez na menina. Jamais abriria mão daquele anjinho que tinha sido rejeitado por todos e só podia contar com ela para protegê-la. Ela faria o que fosse preciso para proteger aquele bebê. Até mesmo se casar com um completo estranho que só conhecia através de cartas. Se aquilo significasse um futuro estável e seguro para sua filha, ela o faria. Porque amava aquela menina mais do que tudo na vida e ela era tudo o que tinha lhe restado neste mundo. Era todo o seu mundo e ela não podia imaginar a vida sem ela. 

Desde nova, Jenna tinha se acostumado a ser colocada sempre em segundo plano. Seus pais não lhe davam atenção e tudo girava em torno de Victoria, da irmã brilhante e lindíssima, que faria um ótimo casamento e seria o orgulho de seus pais. Jenna aprendeu a se voltar para os seus livros e não tinha ressentimento pela irmã. Sabia que não era bela como ela e que a devoção dos seus pais por Victoria era justificável. Seus pais eram sempre uns egoístas e era até um alívio vê-los se dedicar pelo menos a uma das filhas. Só que quando Victoria já estava de casamento marcado com o homem escolhido pelos pais. O marido ideal... as coisas fugiram do controle. Victoria perdeu o controle da situação. Engravidou. De outro homem. 


Seus pais, profundamente furiosos, espancaram a filha e a mandaram para o campo juntamente com Jenna, mentindo para a sociedade ao dizer que a filha tinha viajado para terminar o enxoval. Eles queriam que a garota desse à luz em segredo para que eles pudessem se livrar da criança e casá-la com o marido escolhido, como se nada tivesse acontecido. Só que Victoria morreu no parto e Jenna se recusou a deixá-los se livrar do bebê. Kate jamais iria para um orfanato. Não enquanto Jenna vivesse. Os pais dela, então, resolveram ir embora da cidade e a sociedade em vez de admirar a atitude dela, de proteger a bebê e querer criá-la, a condenou cruelmente, virando-se contra ela, pois ela estava desejando ficar com uma criança que era fruto do mal. Do pecado. Ninguém mais quis saber dela naquele lugar e todas as portas se fecharam para ela. Seu noivo, o homem que ela conhecia há bastante tempo e quem ela acreditava conhecer e amar profundamente, também lhe virou as costas. Se recusou a vê-la ou responder suas cartas enquanto ela não se livrasse do bebê. Mais preocupado com sua reputação do que com o amor que dizia sentir pela noiva, não demonstrou um pingo de compaixão. E quando Jenna soube quais os motivos ocultos que ele ainda tinha para agir assim... quase não suportou a dor. Mais do que nunca, soube que sua única alternativa era ir embora. Ir para longe de tanta hipocrisia e de pessoas que só se importavam com a imagem. Era hora de construir uma nova vida. Num lugar completamente diferente do seu. Uma vida completamente diferente da qual ela sonhava um dia ter. Ela estava aterrorizada, mas sabia que era o melhor. E pensando nisso, ela entrou naquele trem e foi ao encontro do seu futuro marido. 



"— Não me faça gostar de você — murmurou mais para si mesma do que para ele.
Rowe pôs as mãos em seus ombros.
— Isso seria assim tão ruim?
Com a cabeça rodopiando, Jenna fechou os olhos.
— Gostar não fazia parte de nosso acordo.
Com o polegar, Rowe traçou uma linha em volta de seu queixo.
— Estou disposto a renegociar.
— Você é um homem perigoso, Rowe Mercer — ela afirmou, voltando a fítá-lo.
Um sorriso curvou os lábios dele enquanto se inclinava mais para perto. Beijou-a na testa e apanhou o chapéu na cama.
— Apenas de maneira positiva."


- Rowe Mercer sabia o que era sofrer. Desde bem novo. Sequer tinha chegado a conhecer a mãe que o abandonou quando ele era ainda muito pequeno e anos depois, quando tinha apenas dez anos de idade, ele também foi abandonado pelo pai que o deixou numa escola de missionários e nunca mais apareceu.

Não querendo cuidar daquele garoto por muito tempo, os missionários também o rejeitaram quando ele estava apenas no início da adolescência e Rowe teve que trabalhar muito para sobreviver. Foi acolhido pelo pai de Laura, que se tornou sua grande amiga, e durante algum tempo trabalhou para ele. Mas aquela não era a vida que ele desejava para si. Rowe queria conseguir muito dinheiro para ter sua própria fazenda, suas próprias terras e desapareceu, deixando somente um bilhete para o ex patrão. Somente muitos anos depois ele voltou a se encontrar com a amiga e o amigo, que haviam se casado. Naqueles anos em que esteve ausente, Rowe enfrentou o perigo e esteve mais perto da morte do que muitas pessoas já estiveram e sobreviveram para contar a história. Era um caçador de recompensas. Um homem que rastreava bandidos e os matava. Ninguém sabia ao certo quantos homens ele tinha matado na vida e enquanto uns o admiravam, outros o temiam. Mas ninguém sentia por ele o que o próprio Rowe sentia: desprezo. Sentia-se como animal. Não. Pior do que isso. Sentia até mesmo que não possuía alma. Tudo que ele queria era enterrar aquele passado e ter uma família. Ter uma chance de ser feliz, como outras pessoas tinham. Será que era pedir demais? Será que ele era tão mau que não merecia ao menos um pouco de felicidade? Uma mulher e filhos a quem pudesse educar e proteger? Que pudessem preencher seus dias vazios e encher sua casa de risos? Era tudo que ele mais sonhava. A única coisa que desejava. Mas as jovens solteiras da cidade não queriam saber dele. Mantinham-se distante e a única forma de vir a se casar seria encomendando uma esposa por correio. E foi o que ele fez. 


Quando Jenna respondeu ao seu anúncio, ele mal conseguiu acreditar. Mesmo acreditando que aquilo não daria em nada, ele respondeu à sua carta e logo eles estavam acertando as coisas para o casamento. Ele sabia que ela era viúva (?) e possuía uma filha, mas não se importava. Amaria aquela criança como sua e daria a Jenna a segurança que ela tanto ansiava. Só não lhe prometia amor, mas faria o possível para que ela fosse feliz ao seu lado. 

Ao vê-la pela primeira vez, Rowe mal pode acreditar em seus olhos. Aquela jovem tão linda e tão frágil era sua futura esposa? Não. Aquilo só podia ser um sonho. Mas se fosse... ele não desejava acordar.





"— Se sou autoritário é porque tento mantê-la em segurança. Não quero perder você, Jenna." 


- Suspiros... O que posso falar sobre essa história? Eu odeio isso.rsrs... Odeio me arrepender por não ter lido um livro antes. Sempre fica aquela sensação de que eu deveria ter conhecido a história antes, pois ela merecia isso, mas eu adiei por ser uma completa estúpida. E foi o que eu senti logo que comecei a leitura dessa história. Senti que ela era especial antes mesmo de eu ler metade da primeira página. E fiquei com raiva por ter adiado tanto a leitura dela. :( Mas como não adiantava chorar pelo leite derramado (ou a leitura adiada) eu continuei a leitura, amando cada instante. Sabe aquele livrinho que você pega para ler e não deseja largar? Aquele livrinho tão doce que alegra até o dia mais chuvoso e triste? Que enche de açúcar o seu dia? Esse livrinho é assim. Doce e fofo como poucos. Um livrinho que sei que quando invadir meus pensamentos colocará um sorriso no meu rosto no mesmo instante. Jenna, Rowe e a nossa pequena Kate sabem bem o que é uma história de amor. Uma bela história de amor.

- Jenna me conquistou desde o princípio. Senti muita compaixão por aquela jovem tão perdida e desesperada e que mesmo assim permanecia calma e tinha esperanças. Ela sabia que sua vida podia ser um pesadelo se ela ficasse com a sobrinha, mas não pensou duas vezes. Seu coração jamais a perdoaria se ela abandonasse aquele bebê. Se ela entregasse a pequena para adoção somente porque era o que a sociedade  desejava. Como aquilo podia ser a vontade de Deus? Como um ser tão pequeno e frágil podia ser tão cruelmente rejeitado? Jenna não abriu mão da menina e enfrentou todos por ela. Fugiu sim de Alexandria. Mas não por ser covarde. Mas sim porque Kate jamais poderia ser feliz naquele lugar. Cresceria ouvindo piadas e sendo ignorada pelas outras crianças. Carregaria para sempre o pecado da mãe e nunca encontraria a felicidade se ficasse ali. Pensando nela, Jenna partiu. Ao encontro de um completo estranho, mas da única pessoa que estava disposta a lhe estender a mão. Essa atitude me causou muita admiração e foi impossível não amar essa mocinha. Cada vez que ela sorria para aquela pequena ou lhe dava banho, ou conversava com ela, eu sentia meu coração derreter. O livro é cheio de momentos doces e fofos, gente. Não dá para evitar os sorrisos enquanto lemos essa história. É aquele tipo de história que lhe dá paz. E enche seu coração de amor. Depois de "O Reverso da Medalha" ler um livro tão cheio de sentimentos, era tudo que eu necessitava. 



- O que posso falar sobre o Rowe? Existe um trecho da história que tem tudo a ver com o que sinto quando conheço um mocinho que não é menos do que especial. O trecho diz o seguinte: "As emoções mais profundas eram as mais difíceis de se traduzir por palavras." E esse trecho é muito verdadeiro, principalmente no que diz respeito ao meu Roger.rsrs... Mas também é perfeito para o que sinto pelo Rowe. Não dá para colocar em palavras. Lamentei muito por seu passado e amaldiçoei aqueles pais que foram muito adultos para fazê-lo, mas não foram responsáveis e nem tinham amor suficiente no coração para ficar com ele. Na verdade, nada de amor tinham! O rejeitaram sem olhar para trás. E o fato de dizerem que a mãe dele era muito nova não me comove. Ela optou por dar à luz ao filho. Será que era tão difícil assim amá-lo? Nós mulheres possuímos o instinto materno. Aquele instinto que nos faz dar a vida por um filho sem hesitar. O que essa mulher possuía? Acredito que ela devia ter gelo nas veias, pois poderia ao menos arranjar um lar adequado para a criança em vez de deixá-la com um homem que o desprezava. Mas não. Ela simplesmente lhe virou as costas. Não posso perdoar tal coisa e espero que ela tenha sofrido bastante. Quanto ao pai dele... que queime no fogo do inferno! Nada menos do que isso!!! 

Ver o Rowe se sentindo tão pouco para a Jenna partia meu coração, gente. Eu sabia que ele era especial, mas ele não sabia disso. Se sentia sujo e tinha muita vergonha de seu passado. Achava que a Jenna era muito mais do que ele merecia e mesmo não tendo o menor jeito com as palavras, ele odiava quando ela estava infeliz e achava que ela nunca deveria ter respondido ao seu anúncio. Sabiam que o fato do Rowe não ter jeito com as palavras também contribuiu para ele invadir meu coração?rsrs... Pois é. É que ele não agia de modo rude por mal. Ele só não sabia como dizer as coisas e acabava magoando a mocinha, mas era humilde o bastante para se desculpar. E também tinha uma sensibilidade capaz de saber quando ela precisava dele ou quando simplesmente precisava ficar sozinha com seus pensamentos. Rowe é perfeito. E um pai maravilhoso. Enquanto o verdadeiro pai da Kate a odiava, Rowe a amou desde o primeiro instante. Não tem como não se emocionar ao vê-lo com essa pequena nos braços. E vê-lo fazendo planos para o futuro dela.rsrs... Ele aceitou de forma natural um bebê que não era seu. E isso porque ele se julgava um homem mau. Imagina se fosse bom!rsrsrs... Isso é ser humano. É ter amor suficiente para não rejeitar um ser tão inocente e tão necessitado de proteção. Aquela gente que tanto quis que essa menina tivesse morrido com a mãe, não merece ser chamada de gente. De seres humanos. São vermes. Lixo. 


- Eu recomendo muito a leitura dessa história. Não creio que alguém possa se arrepender de lê-la. Não é aquele tipo de livro cheio de dramas, reviravoltas, altos e baixos. Não. É uma história doce para quando suas emoções já sofreram o suficiente com os livros intensos e necessitam de uma folga. :) É um livro para quando você quer algo suave, que só lhe dê paz e tranquilidade. Vale todas as cinco estrelas do skoob. 


- Foi uma história indicada por duas amigas queridas: a Carlita e a Moniquita. :) Um livro que demorei demais para ler e que me arrependo por isso. Muito obrigada pela indicação, flores! :D É uma história do tipo que eu sentia falta. Me lembrou bastante anos atrás, quando eu comecei a ler romances. Me lembrou alguns livrinhos especiais de banca que eu tive o privilégio de ler e dos quais sinto muita falta. 


- E era para ser o livro do tema da Maratona de Banca de janeiro. :( Só que eu deixei para o último instante, gente, e infelizmente não consegui fazer a resenha no prazo. Foi a primeira vez que isso aconteceu e eu fiquei muito triste. Mas não deixaria de resenhar o livro por isso. O tema de janeiro da Maratona de Banca foi livro com a palavra AMOR no título. Para conhecer as resenhas dos participantes, basta clicar AQUI


Bjs!

4 comentários:

Anônimo disse...

Fico super feliz que tenha tido oportunidade de ler esse livro.Esse livro como diria o mocinho é uma coisinha linda kkkk....

bjs,

Moniquita

Lai disse...

Amei esse! É fofo fofo!!! E a capa é de uma doçura inquestionável!

Anônimo disse...

Como não amar Rowe? Ele é simplesmente apaixonável , assim como a pequena Kate e Jenna! Amei o livro ! <3

Luna disse...

Concordo! É realmente impossível não amar o Rowe. E esta linda história! Como sinto falta deste livro! Preciso relê-lo urgentemente!

Bjs!

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.