O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Um Capricho dos Deuses - Sidney Sheldon


(Título Original: Windmills of the Gods
Tradutor: A.B. Pinheiro de Lemos
Editora: Record
Edição publicada no Brasil em: 2011)


Nesta intrincada rede de ardil e mentiras, tecida com maestria, o leitor é fisgado na primeira página. 

Cientista política especializada em Leste Europeu, Mary Ashley é convidada para ser embaixadora dos Estados Unidos na Romênia. De início, ela fica reticente em aceitar a proposta, mas quando seu marido morre em um estranho acidente, ela vai para a Romênia na tentativa de aplacar sua dor com o afastamento. Distante e solitária em uma terra estranha, Mary vive emocionantes aventuras para ser uma boa embaixadora e ao mesmo tempo se manter viva - ela não demora a perceber que existe uma trama para assassiná-la...

Uma sinistra organização secreta, formada por políticos e empresários - tanto de esquerda quanto de extrema direita -, está disposta a tudo para sabotar os planos do presidente. Inclusive matar Mary. Sem saber em quem confiar, Mary acaba envolvida com dois belos e enigmáticos homens. Mas apenas um pretende ajudá-la. 

Contratado pelos extremistas, um bárbaro terrorista famoso pela habilidade e dedicação fará de tudo para cumprir sua missão.

Com um final surpreendente, e repleto de mistério, personagens fascinantes e reviravoltas de tirar o fôlego, Um capricho dos deuses é mais um romance inesquecível deste gênio da literatura norte-americana. 



Palavras de uma leitora...



" - Não me importo de viver ou morrer.... Todos vamos morrer. É o quando que me preocupa."


- É incrível como a vida pode mudar de repente... Num instante uma coisa é de uma forma e no instante seguinte tudo pode mudar. O que é garantido nesta vida? Do que podemos ter realmente certeza? Acredito que só podemos ter certeza de uma coisa: que todos iremos morrer. É a única coisa certa. O resto... pode mudar. É uma triste verdade. Uma verdade que atinge a vida de Mary Ashley. Todo o seu mundo, tudo que ela tinha como certo e eterno... desmorona de um instante para o outro... logo após ela receber uma inesperada e perturbadora proposta....


- Mary Ashley era uma mulher feliz. Realizada. Era casada com o homem que amava, tinha dois filhos lindos que eram sua razão de viver e o emprego dos seus sonhos. Não podia desejar mais nada da vida. Bem... A única coisa que ela ainda desejava era se tornar catedrática na universidade na qual dava aulas há cinco anos. Ela amava seu trabalho e seus alunos a idolatravam. Suas aulas eram muito disputadas. Qualquer aluno que estudasse sobre os países da Cortina de Ferro, queria a Mary como sua professora. Mas seus alunos não são os únicos que ficam interessados no que ela tem para ensinar...

- Paul Ellison, depois de mais de 15 anos de dedicação, se torna presidente dos Estados Unidos. O povo o adorava e estava apostando muito nele. Mas uma notícia dada pelo presidente em seu discurso de nomeação provoca a alegria do povo e o ódio de poderosos que estavam mais do que dispostos a sabotar seus planos. Paul nunca conseguiria o que queria. Jamais iria haver uma aliança entre Estados Unidos e os países da Cortina de Ferro. Nem que para evitar isso, os Patriotas pela Liberdade precisassem matar. Quem quer que fosse que se atrevesse a entrar em seu caminho e apoiar a ideia do presidente. 

- Existia uma seita. Uma seita formada por poderosos de diversos países que não queriam que os planos do presidente fossem adiante. Essa seita era formada por capitalistas e comunistas. Os poderosos dos Estados Unidos acreditavam que os planos do presidente abririam as portas dos fundos para os inimigos, enquanto aqueles que faziam a segurança do país estavam fazendo o possível e impossível para manter as portas da frente fechadas. Já os comunistas acreditavam que os planos de Paul fossem uma armadilha para colocar espiões em seus países. Sendo assim, eles queriam destruir aqueles planos. E a forma mais perfeita de fazer isso seria eliminando a embaixadora americana escolhida para representar os Estados Unidos na Romênia: Mary Ashley. Com a eliminação dela, o presidente jamais voltaria a se atrever a tentar algo igual. 

- Ao tomar conhecimento da ideia do presidente, Mary fica muito feliz. Era justamente aquilo que ela tinha proposto em seu livro. Um programa de povo-para-povo. Para acabar de vez com a inimizade existente entre os Estados Unidos e os países do Leste Europeu, dominados pela Rússia. O que ela não podia jamais imaginar era que o presidente escolheria ela para dar início aos seus planos. Paul queria que o mundo conhecesse uma imagem positiva dos Estados Unidos. Mary Ashley seria aquela imagem. Uma mulher linda, dedicada à família, mãe de dois filhos, dona de casa... o povo iria adorá-la e para isso ele deveria fazer com que o povo a conhecesse. Inicia-se então uma campanha para tornar Mary mundialmente conhecida e o presidente não desiste nem mesmo quando Mary se nega a ser embaixadora. Sua recusa apenas adia um pouco os seus planos. 


"Somos criados para esperar um final feliz, pensou Mary. Mas não existe nenhum final feliz. Há apenas a morte à nossa espera. Encontramos o amor e a felicidade que de repente nos são arrebatados sem qualquer motivo."


- Logo após recusar a proposta do presidente, o mundo de Mary desmorona. Numa madrugada, após ter passado uma noite maravilhosa nos braços do marido, Mary recebe a notícia de um acidente. Um acidente fatal. Que tinha levado a vida de seu marido. Ela mal pode acreditar. Até pouco tempo antes, Edward estava deitado ao seu lado, fazendo amor com ela e dizendo o quanto a amava. Então, ele saiu para atender um dos seus pacientes... não podia estar morto. Aquele acidente não era real. Era apenas um pesadelo. Ela iria acordar a qualquer momento e descobrir que Edward ainda estava ao seu lado. Que a estava abraçando enquanto dormiam. Mas não é possível fugir da realidade por muito tempo. Não era possível manter-se naquele mundo de ilusão e acreditar que toda aquela tragédia não estava acontecendo em sua vida. 


"O tempo estava passando, escarnecendo de seu vazio. Sua vida era como um trem em disparada, sobre o qual não tinha o menor controle."


- Uma das cenas mais tristes para mim é a morte do Edward. O autor, como sempre, nos faz conhecer bem seus personagens antes de resolver aprontar das suas. E com o Edward não foi diferente. Embora tivesse defeitos como qualquer ser humano, ele amava muito a Mary e estava fazendo planos para os dois quando aquele acidente lhe roubou tudo. Pouco tempo antes, eu o tinha visto salvar a vida de um rapaz de dezoito anos que tinha recebido uma facada que atingiu o coração. A vida do rapaz estava por um triz e Edward não desistiu dele. Vê-lo lutando por aquele rapaz me atingiu em cheio e saber que ele iria morrer me deixou arrasada. Ele não podia morrer. Eu queria acreditar que aquilo não iria acontecer de verdade. Que no final descobriríamos que ele estava vivo. Só que as coisas não acontecem como a gente quer. Edward morre, deixando Mary sozinha quando ela mais precisava dele. O mundo de Mary vai ao chão. Ela não consegue aceitar a perda e passa um bom tempo mergulhada em sua dor, até que percebe que precisa viver pelos filhos. Que não pode ir para junto de Edward e deixar as crianças por conta própria. O marido jamais a perdoaria se ela simplesmente desistisse. E é por isso que Mary continua. E aos poucos, volta a viver. Só que esquecer o marido não era uma opção. O que realmente mantém Mary lúcida, são as conversas que ela tem com o marido todas as noites. É a esperança de que ele ainda pode ouvi-la, de que, onde quer que esteja, ele a está vendo e está cuidando dela. Isso é muito triste. Ver a tristeza da Mary é muito triste. O que ela tinha feito para merecer aquilo? Tinha colocado a família acima do país? Tinha colocado o seu amor por sua família acima do amor que sentia pelos Estados Unidos? Esse foi seu grande erro? Não. Seu grande erro foi despertar o interesse do presidente. 


"Eu gostaria de poder chorar, pensou Mary. Ah, como eu gostaria de poder chorar."

"Nada jamais estaria bem outra vez. 
Nunca mais."


- Era insuportável ver o desespero da Mary. Vê-la conversando com o marido morto, assistindo os programas que ele amava, mas que ela sempre tinha odiado. Vê-la visitando o cemitério todos os dias, mergulhada em sua dor e desejando poder escapar. Toda aquela dor me atingiu e tudo que eu pude desejar foi que aquilo passasse. Que Mary e os filhos recomeçassem de verdade. Então, quando o presidente fez a proposta novamente e Mary dessa vez aceitou, eu me senti, em parte, aliviada. Por que só em parte? Porque eu não tinha certeza absoluta de quem estava por trás da morte de Edward. Tudo que eu podia afirmar era que sua morte não tinha sido um acidente. Ele foi assassinado. Cruelmente assassinado. Porque estava atrapalhando o jogo de alguém. Mas quem? O presidente dos EUA, talvez? Afinal de contas, o motivo para Mary, inicialmente, recusar sua proposta foi o marido. Sem ele, o presidente poderia dar continuidade aos seus planos. Principalmente agora que tudo que Mary desejava era fugir dali. Das lembranças, da dor, do vazio... 


"Estou partindo agora, meu querido. Queria apenas me despedir. Creio que estou fazendo o que você gostaria. Pelo menos espero que sim. A única coisa que realmente me incomoda é que tenho o pressentimento de que talvez nunca mais voltemos para cá. Sinto como se o estivesse abandonando. Mas você estará comigo aonde quer que eu vá. Preciso de você agora mais do que já precisei em qualquer outra ocasião. Fique comigo. Ajude-me. Eu o amo muito. Penso às vezes que não poderei aguentar sem você. Pode me ouvir, querido? Está aí...?"


- Eu comecei a suspeitar das boas intenções de muita gente e com o tempo eu pude perceber uma coisa: Mary e as crianças eram peças no jogo de jogadores adversários. Peças importantes, é verdade, mas não indispensáveis. E quando o momento chegasse seriam simplesmente eliminadas. Mas não... não se alguém pudesse evitar.

O que realmente há por trás da proposta do presidente? Quem matou Edward? E os misteriosos integrantes da seita Patriotas pela Liberdade? Quais os nomes deles? E o mais importante: Mary e as crianças conseguirão sair vivas desse jogo? Quais são as chances? Pessoas muito importantes as marcaram para morrer e farão de tudo para que seus desejos sejam realizados...

Tentativa de sequestro, ameaças de morte, envenenamento e outras tentativas de assassinatos irão começar a abrir os olhos de Mary e a farão perceber que está metida numa encrenca, só que ela sequer fará ideia do quanto essa encrenca é letal...

No meio disso tudo, dois homens diferentes como água e vinho, dia e noite, entrarão em sua vida e somente um deles é digno de confiança. As aparências podem enganar... Mas também podem ser muito verdadeiras. Mary precisa tomar muito cuidado para não confiar na pessoa errada. Sua vida e dos seus filhos depende de quem ela vai considerar digno de confiança... Uma escolha errada... pode ser fatal. 

Como se não bastasse, um assassino muito perigoso, conhecido e odiado por muitos, está mais perto do que ela pode imaginar e por uma fortuna ele pretende "animar" as coisas como só ele sabe "animar"... e fazer o mundo jamais esquecê-lo... 


- Quanto mais eu conheço esse autor, mais apaixonada eu fico por ele. :) O SS é o autor masculino que mais despertou o meu carinho e lealdade até hoje. Ele escreve de forma brilhante e eu nunca me canso de ler suas histórias. Assim como Florencia Bonelli é minha autora mais amada, Sidney Sheldon é meu autor. E conhecer todos os seus livros é um dos meus objetivos.rsrs... 

- Ler esse livro foi maravilhoso, apesar dos momentos em que ele bagunçou bastante minhas emoções. Eu torci muito pela Mary e as crianças. Não queria que eles morressem, mas sabia que era uma possibilidade, pois Mary não é como a Tracy (de Se Houver Amanhã). Ela não é do tipo guerreira. Ela é muito ingênua. Confiante. A dor por perder o marido a marcou, mas não a fez se tornar uma pessoa menos crédula. Ela confiava tão abertamente nos outros que aquilo começou a me preocupar e muito. Podia significar a morte dela. Aquela confiança cega, mas Mary nem conseguia imaginar isso. Apesar disso, dessa ingenuidade, ela é uma personagem marcante. Sempre conseguia resolver os problemas com o seu jeitinho e eu ficava de boca aberta quando ela, usando sua inteligência, charme e determinação, conseguia resolver aqueles problemas que a gente imaginava que não tinham jeito. Gostar dela é muito fácil. Ter medo do desfecho do livro simplesmente por amá-la, é mais fácil ainda.rsrs... Eu tive muito medo do final da história. Sabia que a Mary era apenas uma peça e que seria eliminada a qualquer momento. Como ela não tinha a menor possibilidade de se defender, eu comecei a entrar em desespero, pois a chance dela morrer era de 99%, na minha opinião. Ela não podia contra eles. Ou podia? 

- Não posso falar muito da história (embora acredite que escrevi até demais.rsrs...), mas posso dizer que simplesmente amei esse livro e que ele merece todas as estrelas do skoob! É meu segundo livro mais amado do autor (sim. Passou na frente de O Outro Lado da Meia-Noite e Conte-me Seus Sonhos. Só nunca passará na frente de Se Houver Amanhã, é claro.) e foi um prazer lê-lo. Recomendo a história para quem é fã do autor. Não a recomendaria para qualquer leitor.rsrs... Mas não é o livro mais forte do autor, podem ficar tranquilos. Tem muito suspense, mistério, assassinatos brutais, mas não é o livro mais forte. Já li livros mais chocantes desse autor.rsrs... 


- Eu queria mencionar uma coisa, mas não posso. Seria spoiler!kkkkkkkkk... Mas posso dizer que o personagem digno de confiança nesta história tem todo o meu amor! :D Lembra que dois homens aparecerão na vida da Mary? E só um é confiável? Então... esse personagem, o confiável, é simplesmente um encanto! Pelo menos para mim. Eu o adoro! :) 


Bjs!

0 comentários:

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.