O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!

O AMOR VERDADEIRO JAMAIS MORRE!
O coração de uma mulher é um oceano de segredos

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

O Preço de Uma Dívida - Linda Howard

(Título Original: Heartbreaker
Tradutora: Maria Fernanda Bittencourt
Editora: Nova Cultural
Edição de: 1988)


Michelle está perturbada. Rafferty, de maneira ostensiva, mede-a dos pés à cabeça, e em seguida detém o olhar nas curvas dos seios bem-feitos. Ela sente que enrubesce; jamais um homem a olhara de tal forma, como se a desnudasse. 

O medo e a revolta crescem dentro de Michelle. A proposta que acabara de ouvir dos lábios daquele homem é indecorosa, abjeta. 

“Chega!”, ela grita. “Você não pode me tratar assim! Jamais me tornarei sua amante para pagar as dívidas deixadas por meu pai!”


Palavras de uma leitora...



"Se sua sobrevivência dependia exclusivamente da boa vontade de Rafferty, o melhor a fazer seria começar a cavar sua própria sepultura."

- Isso era tudo que Michelle menos precisava em sua vida. Como se não bastasse ter perdido o pai, a única pessoa que ela possuía no mundo, ela estava prestes a perder tudo que lhe restara: o lar que o pai lutara para construir. A fazenda que era seu orgulho e sua paixão. E por mais que pensasse numa saída e estivesse disposta a lutar com todas as forças para manter a fazenda, para não perder tantos anos de esforços, dedicação e amor, ela sabia, bem no fundo, que era uma luta perdida. Fadada ao fracasso desde o princípio. Sozinha ela jamais conseguiria. Estava afundada em dívidas e de uma maneira ou de outra, perderia a propriedade. A única solução possível seria pedir ajuda a John Rafferty. E isso era igual (ou pior) que pedir ajuda ao próprio diabo. 

Porém, desesperada para ao menos pagar o empréstimo que o pai pegara com ele, Michelle resolve entrar em contato com Rafferty, sabendo de antemão que no momento em que pegasse aquele telefone, estaria selando para sempre o próprio destino. Correndo o risco de ter justamente aquilo que sempre sonhara... e que jamais admitira querer... nem para si mesma

- Michelle e Rafferty se conheciam há dez anos. E fora antipatia à primeira vista. Ou ao menos era o que eles demonstravam. Um era tudo que o outro mais desprezava numa pessoa. E aproveitavam cada oportunidade que aparecia para deixar bem claro, como se alguém ainda tivesse a menor dúvida, que se odiavam. Mas durante todo aquele tempo de suposto desprezo, guardavam dentro de si um sentimento muito diferente. Que a distância e o passar dos anos apenas tratariam de amadurecer... Ainda que eles negassem. Ainda que eles tentassem esquecer. 

 - Desde a primeira vez em que o viu, Michelle percebeu o perigo que ele poderia representar para sua vida. Conhecia sua reputação. Sabia que ele nunca levara a sério nenhuma mulher. Que elas não passavam de uma mera distração em sua vida, logo substituídas e esquecidas quando ele se cansava. Ela tinha apenas 18 anos e estava determinada a não ser apenas mais uma mulher em sua cama. Queria algo mais para sua vida e de modo algum cairia na armadilha do seu olhar, nunca se deixaria convencer por seu sorriso irresistível e suas palavras bonitas. Mas também sabia que quando Rafferty queria uma coisa, não desistia até conseguir... e para afastá-lo... ela precisava fazer com que ele jamais a desejasse. Ele tinha que desprezá-la e ela se empenhara bastante até conseguir construir a imagem de mulher mimada, caprichosa e egoísta, que preferia viver à custa dos homens e só se importava com futilidades. Mas uma coisa era despertar tal sentimento no homem que tanto mexia com ela... outra bem diferente seria suportar, dia após dia, seus olhares de desprezo e suas palavras afiadas. Assim... Michelle decide, após terminar seus estudos, passar um tempo longe da fazenda e é quando o conhece... o homem com o qual se casaria. Acreditando poder, ao seu lado, esquecer o homem que ela realmente amava, mas não queria amar. O homem que ela jamais conseguira tirar de sua mente. Mas o que era para ser a solução para os seus problemas, torna-se um grande pesadelo, que quase custara a sua vida e a marcara, física e emocionalmente, para sempre. Mas também lhe ensinara a jamais confiar novamente. A contar apenas consigo mesma, pois assim não voltaria a se decepcionar. E por mais que no fundo desejasse poder contar com alguém, poder contar com Rafferty, confiar que com ele tudo seria diferente... ela sentia medo. Morria de medo de ter esperanças... pois ela sabia que se ele a decepcionasse... ela jamais iria conseguir se recuperar.

"Baixando o rosto, aproximou-o do de Michelle e olhou-a bem dentro dos olhos:
- Quando estiver na cama comigo, benzinho, vai entender que mereço a minha reputação.
- Eu não vou para a cama com você! - disse Michelle entredentes, enfatizando cada palavra.
- Isso é o que você pensa."


- Ler esta história foi uma deliciosa surpresa. Quando decidi lê-la, tinha em mente algo totalmente diferente do que encontrei neste livro. A sinopse me passava uma ideia e confesso que eu não estava muito animada para ler o livro, não. Curiosa sim, mas animada não. Porém, logo após ler as primeiras páginas, percebi que a história era muito mais do que eu esperava e com o passar do tempo fui me apaixonando cada vez mais pelos personagens e pela história deles. Claro que lamentei toda a perda de tempo, todos os anos que eles perderam por causa dos seus medos, de suas inseguranças... por ideias equivocadas... por terem formado uma imagem baseada em impressões falsas e fofocas. Mas no fundo, o que eu acredito é que antes eles não estavam preparados para se amar. Talvez se tivessem tentado antes, quando ela era ainda tão jovem e insegura e ele tão controlador e arrogante, o relacionamento não teria dado certo. Na verdade, eu tenho certeza que não daria. Eles precisaram desse tempo, das experiências, das decepções, para que quando estivessem maduros o suficiente, realmente preparados para a intensidade do que sentiam um pelo outro... pudessem ter o que por tanto tempo apenas sonharam. 

- Eu achei lindo o amor que os unia. Até no medo deles eu encontrei um certo charme.rsrsrs... Eles tinham tanto, mas tanto medo de que o outro percebesse o que sentiam... porque não acreditavam que eram correspondidos. E não poderiam suportar tal rejeição. Mas por todos aqueles anos, mesmo distantes, pensavam um no outro. Ainda que dissessem para eles mesmos que era somente porque se desprezavam demais.kkkkkk... Uma das coisas que mais me tocou foi descobrir que tudo que o Rafferty construiu, tinha sido pensando nela. Tinha sido por ela... ainda que achasse que nunca dividiria nada daquilo com a mulher que amava. Mesmo fingindo sequer notá-la, ele sabia cada um dos seus gostos, o que era capaz de fazê-la feliz e todos os seus planos giraram em torno disso. Mesmo após saber que ela tinha se casado.

- Esse amor à distância... esse sentimento que eles tanto negaram me emocionou. E quando eles finalmente decidiram lutar por aquilo que queriam e apenas trataram de evitar durante todo aquele tempo... quando eles finalmente se envolveram, eu achei lindo. Cada momento deles juntos. O Rafferty, mesmo sendo arrogante, convencido, teimoso, controlador, autoritário e não saber ficar de boca fechada quando deve, é um encanto. Um fofo, que apenas tratava de tentar fazer feliz a mulher que amava. Que queria protegê-la, mimá-la, dar-lhe todo o amor que tinha mantido preso dentro dele. Eu me apaixonei perdidamente por ele. E lamentei muito pela história ser tão curtinha. Eu achava que eles mereciam uma história mais longa e mais profunda. 

- Apenas uma coisa me desagradou nesta história. E sim. Afetou o livro. Ainda me considero bastante generosa por ter apenas tirado uma estrela do livro após essa cena. A história estava indo perfeitamente bem... eu estava prestes a encerrar a leitura com um suspiro e aí... acontece aquilo. Eu fiquei tão chocada e tão furiosa com a mocinha, que na hora até pensei em dar apenas três estrelas ao livro. Porque a minha paciência tem limite. E eu detesto atitudes imbecis por parte dos personagens, sobretudo, das mocinhas. Não tinha sido a primeira vez que ela fazia algo assim. Mas foi a primeira vez que ela chegou bem perto de conseguir o que buscava. Porque não dá para acreditar que ela não buscava aquele resultado! Ninguém em sã consciência age como ela agiu! Faz a besteira que ela fez! Já faz horas que terminei a leitura, mas quando lembro da cena sinto meu sangue esquentar de novo. Eu a entendo. Conheço os motivos dela para fazer o que fez. Sei que no fundo ela achava que era a única maneira de solucionar as coisas. No entanto, eu fiquei muito furiosa. Ainda que a compreenda, considero a atitude dela algo digno de uma idiota. Mas a perdoei.rsrsrs...

- Enfim... É uma história leve, romântica, sensível, doce. Um livrinho para lermos quando desejamos fugir daquelas histórias lindas, mas pesadas, que tanto abalam nossos nervos. Um livro para recuperar a calma.rsrsrs... 

3 comentários:

Fabiana Lima disse...

Eu tenho de ler agora... preciso saber a burrice que ela fez, Luna, adoro os libros da Linda ela realmente prende a atenção na sua forma de escrever...

Leia tbm Amando Evangeline e Esposa ou Amante de banca ... perfeitos...

Luna disse...

kkkkk... Ela fez algo muito grave, Faby! E que raiva eu senti naquela hora!

Muito obrigada pela indicação! Já foram para a lista de futuras leituras! :D

Bjs!

Katia Maciel disse...

Realmente um lindo livrinho de L.H. Tenho me apaixonado pelos livros que tenho lido dessa autora.

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos!

Porém, existem duas regras:

1º Comentários cujo ÚNICO objetivo seja divulgar seu blog, um sorteio ou algo do gênero, serão excluídos;

2º Comentários ofensivos também serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog, basta mandar um email para luna.emocoes_leitora@hotmail.com e eu responderei o mais rápido possível.